2° mandamento - Não abuse do nome do SENHOR, seu Deus

01/12/2010

2° mandamento - Não abuse do nome do SENHOR, seu Deus, porque o SENHOR não considerará inocente quem abusar de seu nome.

Muito pequeno aprendi que não se deve jurar por Deus. Mas na infância, segundo critérios amplamente acordados, sempre que algo inusitado, incrível, sensacional acontecia, como ganhei uma bola de couro no Natal ou fui visitar minha tia em outra cidade, era necessário contar para os amigos. Já naquela época existiam os desconfiados que sempre duvidavam: jura? Jura por Deus?

Jurar por Deus era uma confissão de que o acontecido era absolutamente verdade. Simplesmente jurar não garantia a veracidade do fato, mas jurar por Deus, sim. Era uma espécie de código de honra. Jamais se mentia quando se estava jurando por Deus.

Os tempos passaram e o nome de Deus continua sendo invocado, de norte a sul, de leste a oeste. Jurar, ou falar em nome de Deus e em nome de Jesus virou algo trivial e corriqueiro. Já são incontáveis os shows de TV que afirmam falar em nome de Deus. Utilizam palavras e apelos retóricos e emocionais para convencer multidões de que são, verdadeiramente, mensageiros da Palavra de Deus. Alguns desses programas estão sendo severamente questionados em seus verdadeiros objetivos. Denúncias de falácias aparecem por toda a parte.

Falar em nome de Deus, ou presumir que Deus apoia aquilo que se fala é algo muito sério. Não é à toa que o assunto entrou como um dos dez mandamentos. Falar é um gesto importante. Nossa fala e nossas palavras revelam quem somos. Nossa credibilidade é medida pela coerência entre nossas palavras e nossas ações.

Falar em nome de Deus é muito importante. Podemos e devemos falar em nome de Deus. Na verdade, como pessoas cristãs, falamos em nome de Deus constantemente, através de palavras, atos e atitudes, quer estejamos conscientes deste fato quer não. Marfim Lutem, em sua explicação do segundo mandamento no Catecismo Maior afirma que se deve jurar, não para o mal e a mentira, mas para o bem e em benefício do próximo. É obra justa, boa, com que Deus é louvado, a verdade e a justiça [!] confirmadas, a mentira refutada, pessoas reconciliadas ....

Que possamos continuar falando em nome de Deus e invocando o Seu nome, de forma simples e humilde, mas comprometida com a verdade. Que possamos continuar testemunhando o amor que Deus tem pelo mundo e colocando sinais visíveis desse amor, que se traduz em pão, água, paz, justiça, trabalho, saúde, educação, lazer.

P. Dr. Mauro B. de Souza - São Leopoldo/RS


Oração:

Bondoso Deus: Permite que saibamos invocar o Teu Nome e usá-lo de forma apropriada. Dá-nos força e coragem para que, através de nossas palavras, atos e atitudes, mais pessoas enxerguem a Igreja que tu criaste como uma instituição séria e comprometida com a justiça e com a vida digna. Amém.


Voltar para índice Anuário Evangélico 2011
 


Autor(a): Mauro B. de Souza
Âmbito: IECLB
Título da publicação: Anuário Evangélico - 2011 / Editora: Editora Otto Kuhr / Ano: 2010
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Meditação
ID: 32336
REDE DE RECURSOS
+
Porque nem eu nem tu jamais poderíamos saber algo a respeito de Cristo ou crer nele e conseguir que seja nosso Senhor, se o espírito não o oferecesse e presenteasse ao coração pela pregação do Evangelho.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br