2 Reis 5.1-3,7-15

Caderno de Celebrações 2019 - Sínodo da Amazônia

13/10/2019

2 Reis 5.1-3,715. - 18º Domingo após Pentecostes - 13/10/2019

LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
Bom dia! È com alegria que hoje celebramos junto com as crianças.
Deus se revelou na criança deitada na manjedoura lá em Belém. Ele vem ao nosso encontro. Ilumina os nossos corações. Fala a grandes e pequenos.” Servi ao Senhor com alegria, apresenta-vos diante dele com cânticos.” Sl. 100.2
Sejam todos e todas muito bem vindos e bem vindas para a festa cristã. Visitantes...
CANTO DE ENTRADA
Nº 05 – LC – Aqui chegando Senhor
Ou: Nº ____________________________________________________
SAUDAÇÃO
Celebramos este culto em nome de Deus,nosso pai e mãe, de Jesus, nosso irmão, e do Espírito Santo de alegria e inocência de criança. Amém
CANTO DE INVOCAÇÃO
Nº 534 – LC – È bom dar Graças
Ou: Nº ____________________________________________________
CONFISSÃO DE PECADOS
Querido Deus e Pai! Te agradecemos pela tua fidelidade e amor para conosco. Chegamos em tua presença humildemente pedindo o teu perdão, pois pecamos contra ti, contra o nosso próximo e contra nó mesmos. Sabemos que, sem ti nada somos e nada podemos fazer. Perdoa todos os pecados, cometidos em pensamentos, palavras, ações e omissões.Perdoa-nos quando perdemos a inocência de criança. Tem misericórdia de nós e nos perdoa. Oramos em nome de Jesus. Amém
ANÚNCIO DO PERDÃO
Disse Jesus: o Reino de Deus é das pessoas que são como as crianças. Quem não receber o Reino de Deus como uma criança nunca entrará nele. Mc.10. 14,15
KYRIE
O nosso Deus não se alegra com os sofrimentos e injustiças que há no mundo. Já no Antigo Testamento está escrito: “Ouvi o clamor do meu povo”. Levemos a Deus o clamor do povo sofredor. Peçamos que ele se volte aos que clamam porque sofrem.
Cantemos Nº 63 – LC – Ouve Senhor
GLÓRIA IN EXCELSIS
Deus é fiel. Ele escuta o clamor do seu povo e vem a nós na sua Palavra e pelos sacramentos. Louvamos ao Senhor! Cantando- LC 545- Deus te ama e eu te amo
ORAÇÃO DO DIA
Oremos: Ó Pai querido! Como é bom falar contigo. Saber que estás presente aqui neste culto. Pedimos a Tua benção sobre e pela vida de cada um e cada uma que está aqui. Conduze nossa vida através da Tua Palavra e faze-nos entender o que esperas e queres de nós. Obrigada por tudo. Ilumina-nos sempre. Em nome de Jesus. Amém.
LITURGIA DA PALAVRA
LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: 2 Timòteo 2.8-15
2ª Leitura Bíblica: 2 Reis5.1-3,7-15
Aclamemos o Evangelho cantando: Aleluia
3ª Leitura Bíblica: Lucas 17.11-19
CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº 537 – LC – Meu barco é pequeno
PREGAÇÃO
Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos/as nós.

A história de Naamã (II Reis 5:1-3 e 7-15)
O comandante do exército da Síria, um grande e importante líder, sofria de uma enfermidade que o separava do meio social, e o mantinha isolado. A lepra na época, uma doença incurável, que ia deformando o corpo e era considerada contagiosa aos que tinham contato com a pessoa.
Havia uma menina israelita, conhecedora da palavra de Deus, que havia sido levada cativa, tirada de dentro do povo de Israel, ela também conhecia profundamente o seu Deus e tinha certeza de que se Naamã fosse levado na presença do profeta de Deus ele seria curado. Esta certeza a levou para falar com sua patroa e disse: “Minha senhora, se o meu senhor estivesse diante do profeta de Deus ele o restauraria.” Naamã foi, e foi curado da lepra, mas o mais importante é que ele teve a cura de sua alma, mas isto só aconteceu quando Naamã deixou seu orgulho de lado. A salvação que Deus oferece à humanidade não é negócio. A graça de Deus não é um produto a ser vendido nas catedrais, o Evangelho não é uma mercadoria, Igreja de Deus não é uma empresa. O céu é de graça. As bênçãos de Deus não são vendidas. O que Deus quer é que nos despimos de todas as desculpas, cheguemos diante de Deus zerados, para que Ele possa assumir o comando de nossa vida.
Um só volta (Lucas 17:11-19
Na cura dos 10 leprosos, apenas um voltou para agradecer. Todos imploravam para Jesus a cura (v. 13), obedeceram o ide, e, o mostrai-vos (v. 14). Todos foram curados, mas só um volta a Jesus, o que aconteceu com os demais não sabemos, mas isto nos mostra que muitos de nós vamos para Jesus somente na hora da dor, da dificuldade, mas, quando aliviados, resolvido nosso problema, Deus fica de lado em nossa vida; aqui o apóstolo Paulo escreve no versículo 15, obreiro aprovado que não tem que se envergonhar de testemunhar das maravilhas que Deus opera em nossas vidas.
Não há salvação fora de Jesus, precisamos nos curvar diante do Senhor Jesus como fez Naamã, somente nele há salvação, somente nele há cura (alma/corpo) somente nele há perdão, somente nele teremos a vida eterna.
E isto que devemos testemunhar ao mundo e isto que Jesus quer de mim e de você, Ide pregai a boa nova de Jesus o ressurreto.
Naamã chegou leproso e voltou curado.
Naamã chegou perdido e voltou salvo.
Naamã chegou idólatra e voltou adorando a Deus. Voltou para sua terra, testemunhando, com seu corpo e sua vida, voltou manejando bem quem é o Deus verdadeiro, que cura, que salva.
Um único leproso também voltou adorando ao Deus vivo
Hoje Deus quer fazer um milagre este milagre também em sua vida!
Basta ouvir esta história, e parece que seu significado central imediatamente nos salta aos olhos: nove indivíduos ingratos e um que se deu ao trabalho de retornar e agradecer a Jesus. E, a partir daqui, poderíamos tecer reflexões mais ou menos profundas sobre a importância do agradecimento. Mas será isso mesmo o que Lucas quer dizer com sua história?
Vamos ver esse texto com mais atenção. Uma coisa é certa: Lucas compara as atitudes de um grupo e de um indivíduo diante de determinada situação. A situação é esta: Dez pessoas estão acometidas de lepra. Para evitar contágio, são forçadas a viver longe da convivência humana e a medicina da época não lhes oferece qualquer chance. Um dia desses, passa pelas cercanias um certo Jesus, pregador e professor itinerante judeu, do qual se dizia que era capaz de operar curas milagrosas. Os dez leprosos resolvem tentar a sorte, vão ao encontro de Jesus, clamam por auxílio e - são milagrosamente curados.
A cura se da quando estão a caminho do templo para apresentar-se aos sacerdotes, a quem competia comprovar a cura e, com isso, readmitir os doentes na sociedade. Até aqui, nada distingue os leprosos entre si. Mas, de repente, nossa história registra duas atitudes diferentes. Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, louvando a Deus em alta voz, e caiu com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe (15s). Os outros nove, como insinua a pergunta indignada de Jesus, não voltaram e não deram glória a Deus.
Um, ao ver que estava curado, deu meia-volta e começou a louvar a Deus em alta voz. Por quê ? Porque entendeu que Deus é que estava por trás da sua cura. Os outros também notaram que estavam curados. Mas não voltaram e não louvaram a Deus. Por quê ? Aparentemente porque no seu entender a sua cura fora obra daquele pregador milagreiro que passou pelas redondezas.
Nove agem de um modo. Um age diferente. Os nove vêem na sua cura algo quase natural, o passe de mágica de um curandeiro qualquer. Aquele um vê na sua cura a mão de Deus.
Aí que a nossa história quer chegar. E é aí que o chinelo aperta. Prá vocês e pra mim. Sim, porque eu no vou ficar aqui parado, falando como se eu fosse o tal leproso agradecido e vocês os nove ingratos miseráveis. Eu sou um dos nove. E vocês também fazem parte dos nove. (Se alguém se julgar injustamente classificado, queira desculpar-me.) Por isso, vamos agora juntos deixar que a história dos dez leprosos nos desafie, nos questione, sim, nos enriqueça. Ela nos obriga a colocarmos a seguinte questão: Nós conseguimos ver e reconhecer a mão de Deus nas coisas que acontecem conosco e ao nosso redor?
Temos um teto sobre a cabeça, uma cama para dormir, comida na mesa, escola para os filhos - e achamos isso natural. Temos um emprego, temos familiares e pessoas amigas ao nosso redor - e achamos isso natural. Nosso filho cai da árvore e em vez de quebrar o pescoço só quebra a perna - e achamos natural. Assim como outrora nove leprosos acharam natural que aquele pregador milagreiro os curasse.

E nossa história nos pergunta: Você não nota que atrás de tudo isso está a mão de Deus? E eu devo dizer, de minha parte: Nem sempre. Quase nunca! E vocês concordarão comigo, no é? E agora pergunto: Por quê?
Creio que há duas respostas possíveis e nós aqui decerto nos enquadramos numa ou na outra.
a) A primeira: O problema não é que neguemos a Deus a sua atuação e intervenção. Sabemos que devemos muito, sim, tudo a ele. Mas, não chegamos realmente a lhe agradecer por isso, a nos alegrar e regozijar com sua bondade. Não há tempo, não há pausa para meditação, não há espontaneidade. Bem, meus amigos, se não há essas condições para agradecermos a Deus, talvez na verdade nos enquadremos na resposta seguinte, que é esta:
b) Nós realmente não contamos mais com Deus. Não contamos com ele como um fator que ainda decida alguma coisa. Como um fator capaz de me dar saúde ou não, de me preservar, de me proteger e conduzir - a mim e aos meus semelhantes. Por que não contamos mais com Deus? Talvez porque não o procuremos. Talvez porque sejam muitos os obstáculos que impedem nosso acesso a ele. Obstáculos que nós criamos: nossa exagerada auto-confiança, nossa mente racional e científica que se julga dona da última verdade, enfim, nossa falta de capacidade de ouvir como as crianças ouvem e confiar como as crianças confiam.
Isto significa, meus amigos, que pelo jeito temos que começar a nos perguntar: Quem é mesmo Deus para nós? Parece-me que nossa história quer dar-nos uma pista. Para os nove, Jesus não foi mais que um pregador curandeiro. Para o samaritano, Jesus revelou pela cura a mão de Deus. Com o auxílio de Jesus ele não só se curou, mas reconheceu Deus. Acho que é isso aí. Na ação de Jesus pode-se reconhecer Deus, diz a nossa história. O Deus que se preocupa com marginalizados e solitários como aqueles dez. O Deus que não se preocupa só com a alma, mas também com o corpo, com o ser humano como um todo. Alguns o reconhecem; outros, não. E quem o reconhece, vê o dedo de Deus e explode de alegria, louvando a Deus em alta voz.
É isso aí. Vamos procurar? A Bíblia insiste muito em dizer que Deus quer ser procurado. Insistentemente. Nossa história dá a pista: Jesus Cristo. Vamos lá, vamos encontrar Deus, vamos ver sua mão na nossa vida e ao nosso redor! Vamos explodir de alegria! Com a alegria das crianças que Jesus chamou para junto de si e as abençoou, mostrando que elas são muito importantes e que nós adultos devemos aprender com elas a viver a vida de forma mais leve. Amém!

HINO
Nº 546 – LC – Sabes quantas estrelinhas
CONFISSÃO DE FÉ
O Credo Apostólico resume o que nós cremos. Ele, na verdade, fala onde está depositada a nossa fé. Por isso que se chama confissão de fé. É o que Deus nos ensina. Não são palavras vazias. É a resposta a todo mundo sobre o que você crê. Por isso confessemos a nossa fé no trino Deus com estas palavras:
Creio em Deus Pai, ...
CANTO PÓS CONFISSÃO
Deus tem sido misericordioso conosco e não tem-nos deixado faltar nada. Neste momento queremos agradecê-lo com aquilo que Ele nos deu.
Vamos recolher as ofertas que tem o destino ____________________________________ Rogamos que Deus abençoe dádivas e doadores. Cantamos para recolher as ofertas o hino:
Nº 477 – LC – Obrigado Pai celeste ( Pedir para as crianças fazerem o recolhimento, se possível)

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Obrigado Pai querido! Por tua obra em Jesus. Que podemos crer e viver a ressurreição. Não precisamos mais ter medo. Ajuda-nos a obedecer e a andar retamente conforme a tua Palavra. Ensina-nos a sermos cada vez mais fiéis e aumenta-nos a fé, olhando para a inocência das crianças, que possamos aprender com elas a te servir sempre mais.
Motivos de Oração: (pedir antes quem tem motivos para a oração, incluir as crianças na oração, se possível)
1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________
Senhor Deus, tudo mais o que estiver dentro do nosso coração, nós te entregamos quando juntos oramos a oração que Jesus Cristo nos ensinou dizendo:
PAI NOSSO
Pai nosso ...
LITURGIA DE DESPEDIDA
AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ – destinada para ...
______________ _________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
BÊNÇÃO
Deus te abençoe. LC -286 ( Em circulo, fazendo os gestos. Assim abençoando uns aos outros simultaneamente)
ENVIO
Sem jamais esquecer que Deus nos acolhe, e acolhe todos/as, vão em paz e sirvam ao Senhor com alegria. Amém.
CANTO FINAL
 


Autor(a): Pa. Roseli Romi Buchmayer
Âmbito: IECLB / Sinodo: Amazônia
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo do Tempo Comum
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 52115
REDE DE RECURSOS
+
A ingratidão é um vento rude que seca os poços da bondade.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br