A fé do tamanho de uma semente de mostarda - Lucas 17.5-10

Autoria P. Ms. Alexander Busch

03/10/2019

Estimada comunidade,
Hoje em dia parece haver muita confusão sobre o que é ‘fé’. Ao ligar a televisão nos deparamos com grupos que promovem o “show da fé”, uma concentração de pessoas que estão em busca de soluções para os seus problemas. Nestes encontros, a fé é uma espécie de moeda de negociação para conquistar a benção de Deus. Segundo seus líderes, quanto maior a fé, demonstrada com uma generosa oferta financeira, maior a probabilidade de se obter o resultado esperado. Não precisamos nos delongar em quanto este tipo de prática religiosa é uma ofensa ao evangelho. O testemunho das Escrituras Sagradas é claro: as bênçãos de Deus, a salvação em Cristo Jesus, o poder e amor do Espírito Santo não são mercadorias para serem negociadas através de grande ou pequena fé, tampouco negociados por uma generosa oferta. É de graça e pela graça que Deus age e transforma a vida das pessoas. Além do mais, estes shows da fé alimentam uma postura individualista: é o meu problema, ou o problema da minha família que precisa ser resolvido. O discurso destes grupos que se dizem evangélicos ignora a solidariedade, o serviço ao próximo ensinados por Jesus. Este tipo de prática religiosa em nome de Jesus Cristo corrompe a verdadeira fé a gera confusão.

Por isto fazemos muito bem em ouvir o testemunho das Sagradas Escrituras. São elas que nos dão discernimento. São elas que orientam e ensinam o caminho certo. E no evangelho de hoje os discípulos estão no caminho com Jesus. No caminho os discípulos estão ouvindo e aprendendo de Jesus. No caminho os discípulos então fazem um pedido a Jesus, “aumente a nossa fé!”.

Como assim, “aumente a nossa fé!”? Não são estas as pessoas que no caminho com Jesus receberam dele poder e autoridade para expulsar demônios e realizar curas, conforme Lucas 9.1-6? Não são estes os discípulos que acompanhavam Jesus, visitando os vilarejos, caminhando sem levar consigo comida nem dinheiro, confiando que Deus iria suprir suas necessidades? A fé destes seguidores não é suficiente? Como assim, “aumente a nossa fé”? Será que depois de ouvir e observar Jesus, os discípulos se sentiram incapazes para continuar caminhando com Jesus? Será que os discípulos estavam se sentindo inseguros diante das exigências do Reino de Deus anunciadas por Jesus?

O que eles exatamente sentiram e pensaram não o sabemos. Mas o que sabemos é que eles buscaram ajuda com a pessoa certa, Jesus. Eles pedem a Jesus, “aumente a nossa fé!”. Neste sentido, nós também podemos nos identificar com estes primeiros discípulos. Aumente a nossa fé é a nossa oração a Jesus naqueles momentos quando falhamos de viver conforme a sua palavra. Aumente a nossa fé é a nossa súplica a Jesus naquelas ocasiões quando precisamos pedir ou receber perdão de uma pessoa com quem estamos brigados. Aumente a nossa fé é o nosso pedido a Jesus quando recebemos a notícia de um exame médico que abala nossa rotina. São tantos os instantes em que nossa fé vacila e nos sentimos inseguros para caminhar com Jesus, incapazes de acreditar que Deus pode cuidar de nós mesmo nas piores tempestades. Aumente a nossa fé é, muitas vezes, a oração da comunidade de Jesus, a nossa oração.

E Jesus é a pessoa certa para nos ajudar. Jesus é a pessoa certa para ajudar seus discípulos. As palavras e os gestos de Jesus fortalecem a confiança, alimentam a fé de que Deus está agindo no mundo e transformando a vida de pessoas. A resposta de Jesus nos é bastante conhecida, “Se a fé que vocês têm fosse do tamanho de uma semente de mostarda, vocês poderiam dizer a esta figueira brava: ‘arranque-se pelas raízes e vá se plantar no mar.’ E ela obedeceria”.

Vocês sabem o tamanho de uma semente de mostarda? Ela é pequena. Jesus afirma que a fé pequena como um grão de mostarda já é capaz de realizar muito. Para ser honesto, eu confesso que esta me parece uma resposta meio estranha ao pedido dos discípulos. Coloquem-se no lugar destes seguidores de Jesus. Pedimos ajuda para que a nossa fé cresça e Jesus diz, ‘a nossa fé pequena como um grão de mostarda é suficiente. A fé grande, fervorosa e poderosa não é necessária’.

Se, num primeiro momento, a resposta de Jesus nos parece estranha, por outro lado, a resposta de Jesus é a resposta certa. Para Jesus a fé já está presente na vida dos discípulos. Para Jesus, os discípulos já vivem na realidade da fé. Os discípulos têm a fé suficiente para fazer o que se espera deles. O que Jesus está dizendo é que eles não precisam de mais fé, mas precisam fazer uso da fé que já possuem.

Para reforçar seu ensino, Jesus nos conta uma breve parábola, uma pequena ilustração. Quando o empregado retorna do trabalho no campo, o patrão precisa explicar ao empregado o que fazer. Claro que não. O empregado já sabe o que tem de fazer. Primeiro servir o jantar do patrão, e depois está livre para comer seu próprio jantar. O empregado está ciente da sua responsabilidade. Ele já está capacitado para executar sua tarefa.

Da mesma maneira Deus já nos deu a fé que precisamos. Deus nos deu Jesus que nos chama pela sua Palavra para segui-lo. E se estamos caminhando com Jesus, esta fé é suficiente. Nossa fé é amparada pela Palavra e testemunho de Jesus, que em vida e na sua morte se entregou em favor das pessoas. Nossa fé é alimentada pela promessa de Jesus, anunciada na santa ceia, “este é o meu corpo dado por vocês. Este é o meu sangue derramado por vocês”. Portanto, ao pedir junto com os primeiros discípulos “aumente a nossa fé”, este pedido já é uma confissão de fé. Este pedido é um reconhecimento de que a fé não é algo que depende de nossos próprios esforços e poder. Ao pedir “aumente a nossa fé” estamos expressando uma fé já presente, que confia em Jesus para continuar a caminhada.

Talvez a sua dificuldade, a minha dificuldade, a nossa dificuldade é traduzir a fé em gestos e palavras. Certa vez ouvi a seguinte observação. Ao longo da vida as pessoas que participam regularmente nos cultos ouvem em torno de 7000 pregações. Conteúdo não falta. O que muitas vezes falta é a coragem para colocar a fé em prática. Quantas pessoas vacilam ao dizer, “eu não quero falar com aquela pessoa e muito menos perdoar”. Ou ainda, pessoas que dizem, “eu não consigo pedir perdão para aquela pessoa”. Não é Jesus quem nos ensina a importância do perdão e da reconciliação? Falta-nos fé para colocar em prática sua Palavra? Outro exemplo é a promessa do cuidado de Deus. Muitas pessoas se deixam conduzir pela desonestidade e malandragem para garantir o sustento da própria casa. Como seria nosso país se de fato as pessoas colocassem em prática a sua fé, mesmo sendo a fé do tamanho de uma semente de mostarda? E não estou me referindo à corrupção na política, mas sim aos pequenos gestos de honestidade e solidariedade para com o próximo que todos nós podemos praticar. Falta-nos fé para confiar que Deus cuida de nós? Que não precisamos apelar para caminhos de corrupção?

Uma semente armazenada, por menor que ela seja, se não for plantada, mais cedo ou mais tarde, irá apodrecer. Uma semente existe para ser plantada, para germinar e para produzir frutos. Assim também a fé existe para ser praticada, vivida e produzir frutos. Em Cristo Jesus Deus nos dá esta fé. Vamos colocá-la em prática? Amém.


Autor(a): P. Ms. Alexander R. Busch
Âmbito: IECLB / Sinodo: Rio Paraná / Paróquia: Maripá (PR)
Área: Confessionalidade / Nível: Confessionalidade - Prédicas e Meditações
Testamento: Novo / Livro: Lucas / Capitulo: 17 / Versículo Inicial: 5 / Versículo Final: 10
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 53576
REDE DE RECURSOS
+
Jamais a fé é mais forte e gloriosa do que ao tempo da maior tribulação e tentação.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br