A Oferta de Caim e Abel

Rede de Recursos Fé, Gratidão e Compromisso - crianças

O texto de Gênesis 4.1-7 relata a oferta que Caim e Abel apresentaram a Deus. Caim era agricultor e, Abel, pastor de ovelhas. Os dois ofereceram a Deus uma parte do fruto do seu trabalho.

Chamamos a atenção para alguns detalhes do texto bíblico. Como lemos no versículo 3, Caim “pegou alguns produtos da terra e os ofereceu ao Deus Eterno”. No versículo 4 vemos que “Abel, por sua vez, pegou o primeiro carneirinho nascido no seu rebanho, matou-o e ofereceu as melhores partes ao Deus Eterno”.

Deus aceitou a oferta de Abel e rejeitou a de seu irmão. Logo temos a reação de Caim. Ele demonstra abertamente seu descontentamento com Deus. Caim deixou a inveja tomar conta de seus pensamentos. Transformou-se em um homem revoltado. Não aceitou a decisão de Deus.

Uma forma de interpretar esse texto poderia ser esta: Sendo Caim um agricultor, sua oferta representava o desejo de domínio sobre a terra. Abel, ao oferecer a ovelha, estava sinalizando o plano de redenção de Deus: a ovelha representaria Jesus Cristo.

Porém, essa interpretação não explica plenamente por que uma oferta foi aceita, e outra não. Mas então, qual o motivo para Deus aceitar uma oferta e rejeitar outra?

Caim não foi julgado pela oferta em si, mas pelo modo como andava a sua vida. Como estava seu coração? Qual era o seu real objetivo? Deus vê o coração e sabe das nossas intenções. Sabe quando a oferta é dada com alegria ou por obrigação. Uma oferta pode vir com a intenção de manipular.

Podemos dar presentes e trocar favores para conquistar outras pessoas, para nos promover, para sermos considerados pessoas mais especiais que outras.

Lembremos das palavras de Lutero: A fé produz frutos, mas não para si. No caso de Caim e Abel, sua fé animou-os a fazer uma oferta para Deus. Podemos arriscar a dizer que Abel ofereceu sem querer nada em troca; ofereceu o melhor de si. Caim ofertou, mas esperava ser recompensado.

Para pensar: Será que isso acontece ainda hoje?
Caim mostrou-se cheio de ira e desconfiança. A oferta de Abel foi aceita por Deus em virtude de sua fé (Hebreus 11.4). Ter fé é como andar de noite, no escuro, onde cada barulho pode virar um tormento. Se continuarmos a caminhar na escuridão, enfrentamos as dificuldades e vencemos o medo.
Caim se abateu, deixando que seus sentimentos o dominassem. Lutero diz que o pecado no ser humano é a sua falta de fé, falta de confiança. Portanto, quando vamos ofertar a Deus, é importante dedicar as dádivas ao Senhor com fé e confiança. Somos acolhidos por nossa intenção de contribuir e não por nossa contribuição em si, pois Deus conhece nosso coração (Lucas 16.15).

Certa vez, Jesus estava no templo e viu quando uma viúva ofertou suas duas únicas moedas (Marcos 12.42). A pobre mulher havia ofertado toda a sua vida, seu sustento, mostrando assim sua confiança total em Deus. O que diria Jesus em relação às nossas ofertas hoje?
A oferta é uma resposta ao amor que não impõe condições de Deus, que ofertou seu filho para nossa salvação. Deus, por seu grande amor, ofertou o melhor que tinha. Deu o seu único filho por cada um e cada uma de nós.

Ofertando de coração, participamos do Reino de Deus. Esse Reino é refletido no cotidiano, quando gestos de solidariedade e amor são realizados em favor das pessoas que sofrem. Todo sinal de esperança e resgate da dignidade humana é reflexo do Reino de Deus.
Um sábio disse uma vez que há uma grande diferença entre as pessoas que ajudam por obrigação e as que ajudam por vontade. Quem ajuda ou faz algo por obrigação, geralmente está com o rosto fechado e, muitas vezes, o trabalho que faz precisa ser refeito. Quando alguém ajuda com vontade e alegria, faz um excelente trabalho porque o realiza com prazer, com gratidão e com amor.

Desenvolvimento do encontro

CRIANÇAS

Material necessário: panos coloridos, algumas almofadas, 2 fantoches, uma folha de papel sulfite A4 para cada criança, canetinhas ou lápis de cor.
Preparação do ambiente: As crianças são convidadas a formar um círculo, sentando-se no chão. No centro, deixar um espaço que será destinado ao ofertório.

1) Acolhida
Acolher as crianças com um canto de saudação.

2) Oração: Ó Deus, nós te agradecemos por podermos estar aqui reunidos. Pedimos que tu estejas conosco durante esse encontro. Ajuda-nos a percebermos o quanto tu és bondoso conosco. Em nome de Jesus. Amém.

3) Canto: Reunidos aqui (HPD 2, nº 337).

4) Conversa inicial
Quem gosta de receber presentes?
Quem gosta de dar presentes? Nós recebemos presentes de Deus? Quais são eles?
Como podemos agradecer a Deus pelos presentes que recebemos?

5) Narração da história
Hoje vamos ouvir a história de dois irmãos que receberam presentes de Deus. Eles se chamam Caim e Abel e vivem no campo. Um é agricultor e outro, pastor de ovelhas.
(Utilizar dois fantoches numa conversa dos dois irmãos com as crianças sobre a forma como cada um agradeceu pelo presente que recebeu de Deus. No palco, fica sempre um só fantoche conversando com as crianças, conforme segue.)
(Entra Caim, olhando para todos os lados, meio desconfiado.)
- Olá, crianças! Como vão vocês? Por acaso viram o meu irmão Abel por aí? Antes que ele chegue, vou contar um segredo para vocês. Sabem, eu sou um agricultor e estou muito feliz com a colheita deste ano. Vou até fazer uma oferta especial para agradecer a Deus por tudo o que ele me deu. Já reservei algumas espigas de milho e de trigo para fazer a oferta. Escolhi algumas que não estavam assim tão bonitas. Deixei as melhores para comer e para plantar novamente. Acho que Deus vai aceitar. O importante é que lembrei dele e estou agradecendo. Preciso pensar no futuro. Vou guardar as espigas que vão me garantir uma boa colheita no ano que vem. Vocês não acham que estou certo, crianças? Vejam, lá vem o meu irmão Abel. Vou sair bem depressa e fazer minha oferta a Deus. Até mais...
(Caim sai por um lado e Abel entra por outro. Abel vem todo feliz falar com as crianças.)
- Olá, crianças! Meu nome é Abel. Estou muito feliz. Eu sou pastor de ovelhas e, no momento, todo o meu rebanho está saudável. As ovelhas estão gordas. Tendo as ovelhas, eu posso viver bem. Elas produzem a lã para me agasalhar no frio e, de vez em quando, escolho uma delas para me alimentar. Mas hoje vou escolher a mais bonita para oferecer a Deus. Estou muito feliz e sei que é graças à vontade e bondade de Deus que tenho o meu rebanho. Por isso, quero dar o melhor que tenho para Deus. Vou indo, crianças, depois eu conto como foi.
(Sai Abel e volta Caim, irritado.)
- Não sei o que fiz de errado, mas Deus não aceitou minha oferta. Só aceitou a oferta de meu irmão Abel. Estou muito aborrecido. Vocês podem me dizer por que Deus aceitou a oferta de meu irmão e não a minha?
(Caim sai resmungando e entra Abel).
- Oi, amigos e amigas. Estou muito feliz. Deus aceitou minha oferta. Fiz tudo com muito amor e dedicação. Agora, preciso ir para cuidar do meu rebanho. Tchau para vocês.

6) Atividade criativa
Conversar com as crianças e descobrir com elas por que uma oferta foi aceita e outra não.
Depois, cada criança recebe uma folha de papel sulfite A4. Nela desenha ou escreve como deseja agradecer a Deus pelos presentes que Deus dá.
Em círculo, todas as crianças depositam seu desenho no lugar reservado ao ofertório.

7) Oração: Querido Deus, nós te agradecemos pela família, pelos amigos, pelo alimento e pela casa onde moramos. Pedimos-te, ajuda-nos a repartir com alegria o que tu nos dás de graça. Fica conosco, ó Deus. Em nome de Jesus. Amém.

8) Canto: Sou criança (HPD 2, nº 489).
 


Âmbito: IECLB
Testamento: Antigo / Livro: Gênesis / Capitulo: 4 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 7
Natureza do Texto: Educação
Perfil do Texto: Estudo Bíblico
ID: 22440
REDE DE RECURSOS
+
Toda a vida dos crentes não é outra coisa senão louvor e gratidão a Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br