A paz nos queiras conceder

Comentário e Reflexão

30/08/1529

HPD 291 – A paz nos queiras conceder

Letra e melodia: Martin Luther (1529)

Tradução: supostamente Prof. Siegfried Dietschi

Textos bíblicos: Isaías 32.17+18; Filipenses 4.7

A oração e a melodia de “A paz nos queiras conceder” (no original: Verleih uns Frieden, gnädiglich), foram baseadas na antífona latina do século 9: “Da pacem Domine in diebus nostris, quia non est alius, qui pugnet pro nobis nisi tu, deus noster.” A nova versão de Martin Luther em língua alemã foi publicada no hinário de Kluge em 1529. Provavelmente foi feita pelo Reformador neste mesmo ano. Pois o hinário de Erfurt, do ano de 1527, ainda não continha estes versos de Luther, mas apresentou somente uma tradução da antífona latina para o alemão em forma de prosa.

No ano de 1529 Luther teve dois importantes motivos para orar por paz: um era a situação política/religiosa interna no país, e o outro a situação da Europa com a invasão dos turcos.

 O Imperador Carlos V havia convidado todos os Príncipes Eleitores e Líderes de cidades livres para uma Dieta a ser realizada na cidade de Speyer. Ele havia vencido uma guerra contra Francisco I da França. Agora pretendia resolver assuntos internos ligados à reforma religiosa. No entanto, ele pessoalmente não participou. Ele permaneceu na Espanha e encarregou o seu irmão Fernando para dirigir a Dieta. - Era costume iniciar a Dieta com uma declaração do Imperador. Na ausência do mesmo seria apresentado uma leitura da declaração imperial. Todos aguardavam com vivo interesse e com certo temor a carta do Soberano. Porém, ela não chegou em tempo. Fernando, então rei da Áustria, aproveitou a lacuna e elaborou uma declaração conforme suas próprias ideias, e apresentou-a como se fosse escrita pelo Imperador. Os ouvintes admiravam-se sobre o tom rude e rancoroso do documento. Pois na Dieta em Speyer no ano de 1526 foi resolvido que em assuntos de religião todas as autoridades devem agir do modo como conseguissem responder perante o rei e Deus. Isso deu aos evangélicos certa liberdade de seguir a confissão luterana. Porém, agora rei Fernando queria fazer valer novamente o decreto de Worms do ano 1521, o qual, entre outros, havia declarado que Luther era herege. A minoria evangélica protestou1  contra este intento. No dia 19 de abril de 1529 seis Príncipes Eleitores e 14 Cidades Livres votaram contra a proscrição de Martin Luther e a condenação de seus livros, e a favor da difusão da doutrina evangélica.

Na mesma época um mui grande exército de turcos, liderado pelo Sultão Suliman II, dirigiu-se contra a cidade de Viena, ameaçando invadir a Europa. Em abril de 1529 imprimiu-se o livro de Luther, intitulado “Da guerra contra os turcos”. Ali ele não cita o Imperador Carlos como comandante na luta contra os turcos, mas, sim, o “Senhor Cristianus”. Senhor Cristianus para Luther era o pequeno número de verdadeiros cristãos que vencem o Alá dos turcos com penitência, oração e confiança em Deus.

Cercado por tantas ameaças Martin Luther pessoalmente procurou força na oração. Lembrou-se da antiga Antífona latina “Da pacem domine” e transformou-a numa oração em língua alemã, a fim de que outros cristãos pudessem ajudar a orar.

Grande número de compositores, entre eles Heinrich Schütz (1585-1672), Johann Hermann Schein (1586-1630), Andreas Hammerschmidt (1610-1675), Johann Sebastian Bach BWV 126 (1685-1750), Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847), Hugo Distler (1908-1942), Alfred Koerppen (*1926) tomaram esta oração como base para composições musicais.

Hoje em dia, em nossas igrejas, raramente se canta esta oração, talvez porque a antiga melodia não seja mais tão atraente. Mas não deixamos de orar pela paz. No segundo volume dos “Hinos do Povo de Deus” temos outras sugestões: HPD nº 368 “Paz, paz de Cristo” e HPD nº 377 “A paz do Senhor”.

Nota:

1. A partir desta data os evangélicos de confissão luterana costumam ser chamados de “Protestantes”

Fontes: http://www.dekanat-kempten.de/node/84 Otto Schlisske, Handbuch der Lutherlieder, Göttingen, 1948


Autor(a): Leonhard Creutzberg
Âmbito: IECLB
Hino: 291. A paz nos queiras conceder
Natureza do Texto: Música
Perfil do Texto: Comentário ou reflexão sobre hino
ID: 25514
REDE DE RECURSOS
+
Quando eu sofro, eu não sofro sozinho. Comigo sofrem Cristo e todos os cristãos. Assim, outros carregam a minha carga e a sua força é também a minha força.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br