Bíblia - palavra inicial

A Bíblia é um livro extraordinário. É Sagrada Escritura para duas religiões, a judaica e a cristã. Isto se refere, é verdade, apenas à primeira parte da Bíblica, escrita originalmente em hebraico, conhecida na cristandade como Antigo Testamento (AT). Ele é chamado “Tenak” na comunidade judaica. Mas o texto é basicamente o mesmo. Não assim o Novo Testamento (NT), que é um livro por excelência cristão, redigido em grego e acrescentado à Bíblia pela igreja cristã. Ele faz a diferença entre as duas religiões. Mesmo assim, vale lembrar que há um forte elo de união entre ambas. A fé cristã nasceu no seio do povo de Israel, do qual tanto Jesus como os primeiros cristãos eram membros. Na igreja cristã, a que o crucificado e ressuscitado deu origem, as antigas promessas não foram anuladas. Em Jesus, a comunidade cristã enxerga o cumprimento das profecias e, simultaneamente, a renovação e ampliação das mesmas. Por isso, o AT é parte inseparável da Sagrada Escritura cristã. O Deus que fala no AT é também o “Pai Nosso” a quem dirigimos nossas preces.

É claro que a perspectiva crista altera a compreensão da parte hebraica da Bíblia. O Novo Testamento passa a ser a chave interpretativa do Antigo. Mas o inverso também é verdade: sem a leitura do AT, a compreensão do NT fica prejudicada. Não se pode entender Jesus, a não ser no pano de fundo da história de seu povo. Sem esta estaria cortada a raiz da fé cristã. Cumpre-se em Jesus e por meio da igreja algo do prenúncio feito a Abraão, a saber, que nele seriam benditas todas as famílias da terra (Gênesis 12.3). Seja anotado também que a Bíblia cristã, mediante o lado-a-lado de AT e NT, une duas culturas, a hebraica e a helenística. A fé cristã não tem natureza “mono-cultural”. Já em seus inícios mostrou ser capaz de expressar-se em culturas distintas, algo de extrema importância para a história da igreja posterior. Também sob esse aspecto a Bíblia é um livro singular: foi escrita em duas línguas diferentes.

Entrementes ela se encontra traduzida em milhares de idiomas. Quase não há língua falada neste planeja para a qual não fossem traduzidas pelo menos algumas partes. Estão sendo impressos e vendidos anualmente milhões de exemplares. É verdade que a Bíblia perdeu influência em meio ao secularismo e à crescente religiosidade não-cristã do mundo globalizado. Todavia, a força da Bíblia continua surpreendente. Ela é seguramente o livro de maior efeito histórico em todos os tempos. Moldou culturas, inspirou os povos com a sua sabedoria, formou o espírito de gerações. A Bíblia é sinônimo não só de uma proposta de fé, mas também de um projeto social.

Isso se aplica com especial pertinência à igreja cristã. A Bíblia formula e assegura a identidade cristã. Ela a preserva no fluxo dos tempos e na variação dos lugares. Contém a tradição normativa da igreja, a própria palavra de Deus. Exerce a função de “cânon”, de regra. Não há igreja ou grupo cristão sem Bíblia. Já por esta razão vale a pena conhece-la. O que é cristianismo? As respostas podem ser muitas, dependendo dos enfoques. Mas a palavra final cabe à Bíblia.

Pastor Dr. Gottfried Brakemeier, em “Por que ser cristão?”, Editora Sinodal

Leia também:
Bíblia – um arquivo histórico
Bíblia como Sagrada Escritura
Bíblia – origem histórica
Bíblia – inspiração
Bíblia – autoridade em Lutero
Bíblia – e a dúvida moderna
Bíblia – princípios de interpretação
O uso da Bíblia em Jesus
Bíblia – e a ecumene
Palavra de Deus em testemunho humano

 

Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas.
2Coríntios 2.14
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br