Celebração pelos 190 anos de presença luterana no Brasil

Liturgia

02/07/2014

Celebração pelos 190 anos de presença luterana no Brasil

 

LITURGIA DE ABERTURA

Prelúdio e Procissão de entrada
Equipe litúrgica

Preparação do espaço litúrgico

L. O altar está vazio, representando, desta forma, a vida inicial da Igreja que, aos poucos, foi sendo construída aqui, no Brasil. Com o altar vazio, lembramos a vida comunitária na viagem e os inícios no Brasil, sem permissão para construção de templos, sem direitos, mas mesmos assim com tesouros, trazidos na bagagem.

Em seguida, ao som de música instrumental, a comunidade prepara o altar com a toalha, crucifixo, flores, castiçais com velas, paramentos;

Acolhida

L. O tema da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil – IECLB, para 2014, ano em que celebramos 190 anos de presença luterana em nosso país, é “Vias em Comunhão – ViDas em Comunhão”.

Muitas famílias que emigraram da Europa ao Brasil, a partir de 1824, vindas, sobretudo, da região que hoje conhecemos como Alemanha, mas também da Suíça, da Holanda, de Luxemburgo, tinham muitas vias em comum.

Sua terra era uma Europa extremamente empobrecida. Sentiam os frutos amargos de revoluções e guerras. Vivia-se o fim do regime da servidão. Muitas pessoas foram expulsas da terra em que antes viviam. Ficaram, desta forma, sem possibilidade de trabalho, sem casa.

No horizonte surgiu a possibilidade de atravessar o oceano. Muitos colocaram esta perspectiva em seu horizonte. Destes, vários chegaram ao Brasil.

No continente sul-americano, naquela época, havia lutas pela independência. Países estabeleciam suas fronteiras. O império brasileiro necessitava de soldados. A economia se baseava na força de trabalho escravo. Necessitava-se com urgência de pessoas que trabalhassem a terra.

Pessoas e famílias deixaram sua pátria, romperam laços que mantinham, embarcaram em navios com condições precárias, cruzaram longos mares, percorreram enormes distâncias, chegando ao Brasil, no mês de maio de 1824 em Nova Friburgo, RJ, a 25 de julho do mesmo ano em São Leopoldo, RS.

As vias, os caminhos, que tinham em comum já eram vias, caminhos, em comunhão. As dificuldades comuns e os sonhos comuns uniam essas pessoas. E aqui, ao começarem a viver em comunidade, suas vias, seus caminhos, passaram a ter viDas em comunhão. A fé comum mantinha essas pessoas e famílias em união e as fortalecia na adaptação à nova vida. Tudo era novo: língua, clima, costumes, terra, plantas... Entre os bens mais preciosos que trouxeram como herança estava a sua fé, da qual somos herdeiros/as. Se hoje podemos estar em oração diante de Deus, se hoje o louvamos em agradecimento, devemos isso a nossos pais e nossas mães que nos ensinaram a glorificá-lo. Transmitiram-nos a Palavra de Deus, tirando-a de seus baús. Foram fiéis a Deus. Sabemos que a perseverança não deixou este povo na mão; não foram traídos em sua esperança, pois se sabiam nas mãos de Deus.

Saudação trinitária

L. A fé em Deus, o Criador, firmou raízes na vida do povo imigrante e o sustentou.

A fé em Jesus Cristo, filho de Deus, Salvador da humanidade, também seu Salvador, o auxiliou a estabelecer viDas em comunhão.

A presença do Espírito Santo em suas vidas o impulsionou a confessar corajosamente a sua fé, num país que não reconhecia este povo como cristão.

É em nome deste mesmo Deus que é Criador, que é Salvador em Jesus Cristo e que é força e consolação pelo Espírito Santo, que hoje nos reunimos – passados 190 anos da presença luterana em nosso país.

Canto de acolhida

Segurando um Hinário, L. diz: as pessoas e famílias luteranas que aqui chegaram, trouxeram consigo seus hinários. Muitos hinos eram conhecidos de cor, como este que cantaremos agora:

C. Até aqui nos trouxe Deus (HPD 233)

Confissão de pecados

Como preparação para a Confissão de pecados, duas pessoas preparam a Pia batismal, com uma toalha, água e, ao seu redor, no chão, colocar Ramo com espinhos e pedras;

L. Confessemos nossos pecados: Nós te louvamos e te damos graças, ó Deus, por estes 190 anos de caminho, bênção e cuidado, que fizeste conosco. Nós te pedimos por perdão porque sempre e de novo esquecemos, que esta não é somente nossa história, mas também ou antes, é tua história conosco. Nós te agradecemos por tua fidelidade e te pedimos por perdão por nossa infidelidade para contigo, nosso próximo e nós mesmos. Chama-nos de volta a ti, perdoa-nos nosso pecado, permite-nos refazer o caminho para conosco, para contigo e para com as outras pessoas. Amém.

Anúncio da graça

L. Da carta de São Paulo aos Romanos, ouvimos palavra de graça e perdão: “Mas, pela graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva. Deus ofereceu Cristo como sacrifício para que, pela sua morte na cruz, Cristo se tornasse o meio de as pessoas receberem o perdão dos seus pecados, pela fé nele” (Romanos 3.24-26).

Kyrie

Ter uma mesa auxiliar, em algum lugar do espaço litúrgico com os seguintes objetos: constituição brasileira, bandeira brasileira; mapa mundi (globo); constituição da IECLB; símbolo da IECLB; símbolos que representem o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, a Federação Luterana Mundial e o Conselho Mundial de Igrejas;

L. Somos igreja no Brasil. Aqui nascemos, aqui crescemos, aqui desenvolvemos a nossa missão, com paixão, a serviço do evangelho de Jesus Cristo. Ser igreja no contexto em que se vive, significa não fechar-se em si mesma, significa estar de olhos abertos e ouvidos atentos à realidade do mundo e das pessoas que sofrem. Neste sentido, para simbolizar que somos igreja no Brasil, trazemos a constituição do nosso país e da nossa igreja, assim como seus símbolos, (bandeira e símbolo da IECLB). E com esses símbolos, lembramos e trazemos a Deus as dores das pessoas e de toda a criação que sofrem quando nossas instituições, civis e eclesiásticas, negligenciam o propósito para o qual foram criadas. Trazemos ainda símbolos do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, da Federação Luterana Mundial e do Conselho Mundial de Igrejas, para afirmar que, somos igreja ecumênica e, como tal, temos compromisso evangélico com o mundo inteiro. Pedimos a Deus que sua igreja seja fortalecida na missão de testemunhar a fé diante das realidades que a cercam, exercitando a diaconia cristã.

Cantemos:

C. Tem, Senhor, piedade (ou outro)

Gloria in excelsis

L. Deus caminha com o seu povo em sua peregrinação pelo mundo. Deus nos deu Jesus Cristo que nos ensinou a viver o evangelho que gera ViDas em Comunhão. Deus mantém e anima a sua Igreja mediante o Espírito Santo, tornando-a criativa no desdobramento do evangelho no lugar em que ela se insere. Por tudo isto, cantemos glória e rendamos graças a Deus. E para representar o nosso louvor a este Deus que está sempre presente, vamos trazer alguns instrumentos musicais, instrumentos que fizeram parte da vida de fé e da espiritualidade da nossa gente.

Colocar alguns instrumentos musicais, de preferência, mais antigos, no altar;

C. Glória, glória, glória a Deus nas alturas, glória, glória, paz entre nós, paz entre nós.

Oração do dia

L. Deus de nossos pais e de nossas mães, tu que sempre acompanhas o teu povo na busca de pão, trabalho e uma terra para habitar, tu que sustentas o teu povo nas dores e na esperança, nós te agradecemos por seres um Deus que te revelas na história, que, pelo poder do Espírito Santo, nos ajudas a interpretar o teu evangelho no contexto em que vivemos - nós te pedimos: dá que nunca esqueçamos a nossa história, pois nossas memórias nos ajudam a preservar nossas raízes, nossa identidade e o sentimento comunitário que gera viDas em comunhão. Graças te damos por haveres feito de nós igreja pluriétnica, espelho da riqueza de tua criação. Senhor, ao olharmos para trás, dá-nos também a coragem de interpretar os silêncios que ainda existem na história dos nossos 190 anos. Como Palavra que ilumina a nossa vida e história, vem, ó Deus, neste dia, e sê a orientação e a força de que o teu povo e a tua Igreja necessitam. Por Jesus, teu Filho que na unidade do Espírito Santo vive e reina de eternidade a eternidade. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

Leituras bíblicas

C. Pela Palavra de Deus saberemos por onde andar (HPD 381)

Durante o canto, alguém leva a Bíblia até a estante de leitura;

Leitura da epístola de Paulo aos Romanos, capítulo 8, versículos 26 a 39.

C. A lei do Senhor é perfeita (HPD 383)

Aclamação do Evangelho

L. O santo evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo, segundo Mateus, no capítulo 13, versículos 31-33,44-52, Aleluia.

C. Aleluia de Milanez

Leitura do evangelho (...) Palavra do Senhor;
C. Demos graças a Deus;

Pregação
(A pregação pode ter como base o tema do ano de 2014 ou o subsídio anexo)

Confissão de fé

L. Como confissão de nossa fé, cantemos o hino “Deus é Castelo Forte e Bom”. Este hino identifica membros e comunidades de confissão luterana, em todos os tempos e lugares. Foi significativo na vida dos primeiros luteranos que deram início à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil.

C. Deus é Castelo Forte e Bom (HPD 97)

L. Entre o valioso material que os imigrantes trouxeram em sua bagagem, além da Bíblia e do hinário, encontrava-se o Catecismo Menor, escrito pelo reformador Martim Lutero.

Mostrar um Catecismo

L. Neste pequeno e precioso livro constavam sólidas bases para a sua fé: os Dez Mandamentos, a oração do Pai Nosso, o Credo Apostólico e informações básicas sobre o Batismo, a Confissão e Absolvição e sobre a Ceia do Senhor. Sempre, com explicações valiosas feitas por Martim Lutero.

É um livro valioso para a educação cristã. Desde sua chegada ao Brasil – como já o fora a partir do início da Reforma – nossos antepassados luteranos sabiam que a educação na fé é tarefa de cada família e de cada comunidade. É por este motivo que, antes de edificarem templos – o que não lhes era permitido – os primeiros imigrantes de confissão luterana construíram escolas.

Mostrar materiais escolares (livro, caderno) e, onde for possível, uma lousa;

Ofertas

C. Alma, bendize o Senhor (HPD 246)

Junto com as ofertas, colocar no altar e ao seu lado, numa mesa auxiliar: pão, enxada, roca, instrumentos de trabalho (martelo, tesoura, machado...), produtos colhidos ou elaborados;

Oração Geral da Igreja

L. Convidamos a comunidade para a oração geral da igreja, mas, antes, trazemos ao altar um livro de oração para lembrarmos que a oração sempre foi um esteio forte na vida de fé de nosso povo desde tempos antigos. Em cada lar sempre houve um livro de orações diárias.

(Colocar no altar, um Livro de oração);

L. Querido e amado Deus, como Igreja, aqui estamos para te louvar e agradecer por tudo que fizeste a nós na história dos nossos 190 anos em terra brasileira. Damos-te graças pelas bênçãos recebidas, pelas comunidades que encontraram força na união, pelas famílias que aqui encontraram chão e trabalho. Agradecemos-te por esta terra, o Brasil, pela cultura brasileira à qual pertencemos com nossos próprios costumes e pela cidadania que aqui, como cidadãos e cidadãs, alcançamos.

Agradecemos-te pela Igreja que aqui se formou, pela IECLB que, em tua graça, recebeu a nobre tarefa de testemunhar o teu evangelho nesta terra.

Deus de bondade, cuida bem dos ministros e das ministras e das diversas lideranças da tua igreja que atuam nos mais diferentes espaços. Que todos estejam cheios do Espírito Santo para que sejam fiéis servidores e servidoras da tua Palavra, consolem as pessoas que choram e estão angustiadas e encham de força e esperança as pessoas que lutam por um mundo melhor, de relações mais igualitárias, inclusivas e solidárias.

Olha, Senhor, para a Tua Igreja, sustenta-a na Palavra e na oração para que ela possa dar testemunho do teu amor e da tua paz, nesta terra, e possa animar o teu povo a viver e criar sempre mais viDas em comunhão no campo e na cidade.

Pedimos, ó Deus, olha para este país, para as pessoas que o dirigem em âmbito federal, estadual e municipal. Que o teu Espírito de justiça guie as lideranças políticas em suas ações e decisões, para que alcancemos mais justiça, mais igualdade entre as pessoas.

Desperta e anima cada pessoa batizada, para que seja fiel testemunha do teu amor, da tua Palavra junto àqueles e àquelas que sofrem, incluindo o meio ambiente em que vivemos e do qual dependemos.

E tudo o mais o que desejamos expressar, o fazemos nas palavras da oração do Pai nosso...

Pai Nosso

LITURGIA DE DESPEDIDA

Bênção aarônica

C. Abençoa, tu, Senhor (HPD 131)

(Convidar a comunidade a partilhar do pão e dos produtos que foram levados ao altar durante o recolhimento das ofertas e que, porventura, possam ser consumidos. Ao final do culto, estes poderão ser preparados por uma equipe que os distribuirá)


Equipe responsável:

Cat. Drª Erli Mansk, P. Walter Hoppe, P. Mauricio Roberto Haacke, P. em. Dr. Martin Norberto Dreher, Diác. Marli Clair Blos, P. Sin. Altemir Labes, P. Sin. Ms. Edson Edilio Streck.

REDE DE RECURSOS
+
Toda a vida dos crentes não é outra coisa senão louvor e gratidão a Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br