Compartilhar de experiências: finita mostra do infinito amor

20/07/2006

A tarde da sexta-feira foi um grande impulso para os participantes do Fórum: experiências forma compartilhadas, demonstrando com iniciativas simples podem fazer a diferença.

Eloí Siegert Peter iniciou contando um pouco do surgimento e desenvolvimento do CEDEL - Centro Diaconal Evangélico Luterano que vem oferecendo um testemunho concreto de amor, promovendo a inclusão social e a melhoria da qualidade de vida. Ligado à Comunidade Evangélica de Porto Alegre, o CEDEL está exercitando, segundo Eloí, novas formas de relação e reflexão, através do amor e do perdão.

O trabalho do Centro de Recuperação Nova Esperança – CERENE, foi apresentado por Marcos Edwin Mey que contou o início do trabalho, quando o pastor Euler recebia em sua própria casa pessoas com problemas com bebidas ou drogas, assumindo todos os desafios que esta situação gerou. Hoje o CERENE trabalha com prevenção e tratamento do dependente e familiares, promovendo a reinserção social. Com quatro unidades – em Blumenau, Palhoça e São Bento do Sul em SC e Lapa, no PR; o CERENE recolhe testemunhos importantes com o de que para muitos a Palavra de Deus tem sido o motivo maior da abstinência, ajudando a superar a discriminação, que ainda é muito grande e sentida mesmo – e principalmente – entre familiares e amigos.

Hans Trein trouxe os desafios assumidos pelo Conselho de Missão entre Índios, que lida com o conflito de direitos – os índios e os colonos, ambos donos da terra, tentando promover a reconciliação, deixando claro quais os papéis do Estado e da Igreja nesta caminhada. Trein destacou que o COMIN tem se tornado uma importante ponte de diálogo, auxiliando na reconciliação.

Já a experiência do Curso Alpha foi trazida pelo pastor Douglas Wehmuth, que destacou que nem todas as ferramentas são perfeitas, mas isso não significa que não sejam eficazes. Utilizado por diversas igrejas, o Curso Alpha, segundo Douglas tem como princípio a evangelização como um processo, a partir das comunidades, envolvendo as pessoas como um todo, apoiando a razão, a emoção e a consciência de cada um e cada uma, de modo que possam oferecer seu testemunho. Ele destacou os grandes resultados que a metodologia vem apresentando, mobilizando e sensibilizando comunidades.

O pastor Odair Braum contou aos participantes do Fórum a caminhada missionária em Curitiba, na qual, a partir da capelania hospitalar e acompanhamento à famílias enlutadas e que buscavam o cemitério evangélico apenas para sepultar os seus, acabou sendo criada uma nova comunidade, que leva o mesmo nome da pastoral: Consolação. Criada em março e hoje com 27 famílias, das quais 18 nunca foram luteranas, a Comunidade da Consolação realiza cultos regulares e já possui inclusive grupo de canto e de apoio a enlutados.

Outra experiência que animou os presentes foi o relato do pastor Ernani Röpke, que compartilhou o seu ministério em São José dos Campos e Cantareira, em SP, quando preocupou-se em identificar o que motiva as pessoas para a vivência da fé e a partir das respostas – construídas em conjunto com a comunidade, conseguiu grandes mobilização em prol da missão divina que nos é confiada.

Na parte da noite, o partilhar das experiências teve continuidade, com a apresentação de mais quatro vivências.

Nataniel Pereira da Silva, presidente da Comunidade de São Luis do Maranhão também compartilhou sua busca que resultou no surgimento da comunidade. Surpreendedo os presentes ao enumerar uma série de qualidades de nossa igreja, entre elas a busca pela inclusividade, a horizontalidade das relações, a abertura pra o ecumenismo e a liturgia.

O pastor Rui Petry falou da Pastoral Universitária desenvolvida em Forianópolis, desde o final dos anos 70, ampliando sua atuação:além de estar ao lado de jovens universitários, realiza também ações diaconais, oportunizando o acolhimento e a retauração, criando uma grande família.

Aírton Palm também falou à plenária, contando os desafios de ser igreja no sertão nordestino, com tantas diferenças culturais. Através da Missão Zero, tem sido alcançados municípiosonde a um percentual muito pequeno de evangélicos - menos de 2% da popuplação, levando o Evangelho como forma de libertação.

Os Conselhos de Amigos da Missão - CAM`s, foi outro trabalho apresentado no Fórum, por Marco Robinson. Através dele são criados grups de apoio aos trabalhos missionários, provendo não apenas financeiramente, mas também mantendo vínulos com os missionários e missionárias, mantendo corações apaixonadoe e despertos para a missão, dentro e fora da igreja.

Leia também:

 

Documento de Campeche: o rosto da IECLB esta mudando
Um olhar sobre o Fórum Nacional de Missão
Ser sal da terra e luz do mundo: o compromisso do Fórum Nacional de Missão
Eixos temáticos dão pistas para a caminhada missionária
Fórum: abordagem bíblica da missão
Compartilhar de experiências: finita mostra do infinito amor
Fórum: grupos refletem carne e cultura
Contexto sociocultural e religioso: paixão e carne
Fórum Nacional de Missão: entusiasmo para ouvir e participar marca o primeiro dia
Missão a partir da IECLB: um olhar para a história recente
Fórum: Ingrit Vogt desenha contexto atual da missão na IECLB
Fórum Nacional de Missão: Missão é essência, não acessório
 

COMUNICAÇÃO
+
É isto que significa reconhecer Deus de forma apropriada: apreendê-lo não pelo seu poder ou por sua sabedoria, mas pela bondade e pelo amor. Então, a fé e a confiança podem subsistir e, então, a pessoa é verdadeiramente renascida em Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br