Façam isso todas as vezes que o beberem em memória de mim - Comunhão e fé ou em fé?

01/12/2014

“FAÇAM ISSO TODAS AS VEZES QUE O BEBEREM EM MEMÓRIA DE MIM!” – COMUNHÃO E FÉ OU EM FÉ? – A Santa Ceia é um sacramento, ou seja, um mistério, inacessível para a razão humana. Ele só pode ser aceito, ou melhor, apreendido pela fé.

A questão é: Como Jesus pode estar entre nós, se ele está sentado à direita de Deus Pai, no céu, como o confessamos no Credo Apostólico?

Vejamos: Jesus Cristo diz: Façam isso sempre que o beberem em memória de mim. Com o verbo no imperativo (façam!), Jesus torna a Santa Ceia um mandamento divino, e não opção. Nela, os filhos e filhas de Deus, através do batismo, têm comunhão com Ele e entre si.

Participar da Santa Ceia não é um mérito, um prêmio ou conquista humana, por meio de obras. A participação na Ceia não está condicionada a santidade de seres humanos, mas fundada na Palavra de Deus. Não é a dignidade humana que sustenta a comunhão, mas o amor e a misericórdia de Deus. Na Ceia chegamos de mãos vazias, sem nada a oferecer, apenas a receber: Perdão dos pecados, vida nova e salvação. Quem recebe o corpo e sangue de Cristo, participa da vida e da morte de Cristo e vive da esperança na ressurreição. Portanto, a Santa Ceia é graça de Deus, tesouro inigualável, que nos coloca na presença real de Jesus.

Através da comunhão na Santa Ceia somos fortalecidos na comunhão contra todo individualismo, discriminação, preconceito e racismo. Pois já não há mais homem ou mulher, escravo ou livre, branco ou negro, todos somos um em Cristo Jesus.

A vida moderna estimula a competição, ansiedade, individualismo, consumismo, que provoca solidão, isolamento, violência, sofrimento e morte. Contra esta realidade, a Santa Ceia é o poder amoroso e gracioso de Deus que dá novas forças diante das impotências e angústias da vida. 

A comunidade de Corinto (Confira 1 Coríntios 11.17-34 onde também lemos as palavras de Instituição) celebrava a Santa Ceia nas casas. Ela era antecedida por uma refeição fraterna, onde cada um trazia de casa algum alimento para ser partilhado. Paulo também ensina que a Santa Ceia é partilha de tudo o que temos e somos, à semelhança de Jesus, que se entregou totalmente para nossa salvação. Portanto, celebrar a Santa Ceia é dar continuidade e testemunho do projeto do Reino de Deus, onde o perdão dos pecados gera reconciliação, onde a vida nova promove partilha e solidariedade e onde a salvação em Cristo traz libertação e paz.

Santa Ceia é comunhão com Jesus e comunhão com as pessoas. Ela Só é possível nesta simultaneidade. Tanto é, que mesmo numa Ceia de Emergência com um doente em hospital, não comunga uma pessoa sozinha. Se não há outra pessoa, o/a celebrante é instado/a a comungar também. Não há comunhão com Jesus, sem comunhão com irmãos na fé. Por isso somos convidados a celebrar a Santa Ceia muitas vezes, motivados pela fé colocada nestas palavras. Toda a pessoa cristã é convidada a buscar a Comunhão no corpo e sangue de Cristo, não por coação ou medo, mas por amor, por fé e gratidão a Jesus Cristo e por amor ao próximo.

Pastor Roni Roberto Balz


Oração:

Ó Deus, fonte do amor e autor da fé! Acolhe-nos na comunhão dos santos, para que neste mesmo espírito fraterno e solidário, nos acolhamos uns aos outros e celebremos sempre de novo a tua Santa Ceia em alegria e compaixão, para a nossa salvação e para a tua glória. Amém.


Voltar para índice Anuário Evangélico 2015


Autor(a): Roni Roberto Balz
Âmbito: IECLB
Título da publicação: Anuário Evangélico - 2015 / Editora: Editora Otto Kuhr / Ano: 2014
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Meditação
ID: 35012
REDE DE RECURSOS
+
A Palavra de Deus é a relíquia das relíquias, a única, na verdade, que nós cristãos reconhecemos e temos.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br