Isaías 61.1-3,10-11

Prédica

18/01/1970

Isaías 61.1-3,10-11 - 2º. DOMINGO APÓS EPIFANIA

Prezada comunidade!

O ano de 587 a.C, foi um marco trágico na histeria do povo de Israel. Foi o ano da vergonha: derrota definitiva contra o reino da Babilônia; deportação das camadas liderantes para fora do pais, até a Mesopotâmia; o fim de Israel como grandeza política; a maior humilhação em toda sua existência. Cerca de meio século mais tarde, dá-se um câmbio na política internacional, e aos poucos os israelitas começam a retornar. Encaminham-se à reconstrução de Jerusalém. - Naquela época viveu, provavelmente em Jerusalém, um profeta que teve muita coisa importante a dizer, justamente naquela situação. Suas palavras encontram-se anexadas ao livro de Isaías. O texto de hoje é parte daquela sua mensagem àquela gente, naquela situação: 

O Espírito do Senhor Deus (está) sobre mim, porque o Senhor me ungiu, me enviou: para sarar Os de coração quebrantado, para anunciar boas-novas aos oprimidos, para proclamar aos cativos a libertação e aos algemados, liberdade. Para anunciar o ano da boa-vontade dó Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; para consolar os que choram, para colocar-lhes na cabeça um turbante bonito em vez de cinzas, para dar-lhes óleo de alegria em vez de traje de luto, cântico de louvor em vez de espírito angustiado para que sejam chamados carvalhos de justiça, “plantação do Senhor, para a sua glória. Quero explodir de alegria por causa do Senhor; regozije-se a minha alma no meu Deus; pois ele me veste com roupas de salvação, me envolve com o manto da justiça, como o noivo que se adorna de turbante e como a noiva que se enfeita com as suas joias. Pois, com a terra produz suas plantas, e como o jardim fez brotar o que nele foi semeado, assim o Senhor Deus fara brotar justiça e louvor diante de todos os povos. 

Um texto, que soa estranho aos nossos ouvidos, sua linguagem poética é um tanto figurada. Afinal de contas, são 2.500 anos que nos separam dele. Mas vejamos o que ele diz: O Profeta olha ao seu redor; e ao seu redor ele se vê misérias: oprimidos, cativos, algemados, os de coração quebrantado, os que choram, os enlutados. Ele olha para tudo aquilo e diz: Pessoal, isso vai terminar! Eu vim para anunciar a vocês o fim de toda essa miséria! Isto são boas novas para todos os que apanham na vida: os cativos serão postos em liberdade, os presos serão soltos, os que se cobrem de cinzas, em sinal de luto, largarão as cinzas e se vestirão como o noivo e a noiva em dia de núpcias. Ninguém mais chorará, ninguém mais sofrerá, ninguém mais será extorquido, humilhado, oprimido. Porquê? Porque ar vem o ano da boa vontade do Senhor. E aí mudará tudo. Aí acabará tudo o que há de ruim, de mau, de trágico neste mundo. O dia vi. 

Mas quando? Quando será este dia? O profeta no responde. Ele não sabe a data! 

II

Quem responde é Lucas, cerca de 600 anos mais tarde, no capitulo 4 do seu Evangelho. Lucas conta que num sábado Jesus entrou numa sinagoga, em Nazaré, abriu um livro das Escrituras e começou a ler. Era exatamente este nosso texto de hoje. Jesus devolveu-o ao assistente e sentou-se, e todos na sinagoga tinham os olhos fitos nele. Então passou Jesus a dizer-lhes: 

Hoje se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir! Hoje - mais ou menos no ano 30 da nossa era. Hoje, ano 30, é o dia que põe fim à miséria no mundo. Hoje, ano 30, cumpre-se o que tinha previsto o profeta. Hoje, ano 30, boas-novas aos oprimidos, libertação aos cativos, liberdade aos algemados, cura para os corações quebrantados, consolo para os que choram. Hoje, ano 30, acabou-se a miséria no mundo! 

Mas, é verdade? É verdade, eu pergunto? 

Nas ultimas semanas temos lido os mais diversos balanços da década de 60. Qual foi a tônica dos acontecimentos? A guerra, a violência. Vamos começar pelo evento que tem ocupado as primeiras páginas do jornal na última semana. Biafra! A província que se desprendeu da Nigéria para não sofrer mais matanças e perseguições. E a Nigéria venceu: com as armas oferecidas pela Rússia, que tinha interesses estrangeiros, a guerra se estendeu quase três anos, com uma crueldade sem tamanho, acompanhada de uma terrível onda de fome e enfermidades. Agora deu-se o desfecho. E o resultado são milhões de biafrenses embrenhados nas matas, morrendo pelos caminhos, perseguidos pelos vencedores sedentos de vingança.Está ar: 1970! 

Hoje, ano 30, cumpriu-se o ano da boa-vontade do Senhor. 

E o Vietnã, prezada comunidade? O que é que está acontecendo lá? É outro povo que no teria mais guerra se os estrangeiros de ambos os lados os deixassem finalmente em paz. Mas não o deixam em paz. E por causa dos interesses estrangeiros são aniquiladas plantações, vilas, são exterminados civis ás centenas, aos milhares. Não pensem que My Lay foi o único caso. Por que falo de tudo isso? Para perguntar: E agora? Cumpriu-se no ano 30 o ano da boa-vontade do Senhor? 

Mas nem precisamos ir tão longe. Olhemos para dentro de nossa própria casa. Os senhores, que Frequentam mais ou menos regularmente o culto dominical (na Senhor dos Passos, 202), os senhores em geral vivem regularmente bem. Mas já se deram ao trabalho de se informar e pensar como vivem os maloqueiros da Vila Teodora ou da Avenida Ipiranga? Ou como vivem os operários de salário mínimo? 140 cruzeiros para uma família de seis cabeças ou mais? E aqueles que não conseguem emprego? Como vivem eles, e suas famílias? Aparentemente ninguém pensa neles, pois do contrario essa situação não poderia perdurar. E os presos políticos em tantos países do mundo, passando por humilhações animalescas e por torturas, em defesa de suas convicções. 

E os que vivem acorrentados, presos pelas algemas da sua ignorância, da doença que os devora. Estes acorrentados, prezada comunidade, representam pelo menos a metade dos brasileiros. E os de coração quebrantado: os que sofrem de neuroses, de angústias, de medo! E os que choram: pelas mágoas que a vida traz, pela perda de entes queridos, por desavenças em família, por outros tropeços mais!
Diante de tudo isso, prezada comunidade, tornemos a perguntar: É verdade? É verdade que hoje, ano 30, cumpriu-se o que o profeta previra: boas-novas, libertação, liberdade, consolo, etc.? 

É verdade que em Jesus Cristo cumpriu-se tudo isso? 

III

Vejamos bem: Quem era esse Jesus Cristo que disse: Comigo cumpre-se tudo? O que é que o NT diz dele? Uma série de coisas: que ele veio, chamou ao arrependimento e anunciou a chegada do reino de Deus; que ele mostrou, na sua maneira de viver, qual seria a regra áurea de conduta naquele Reino: o amor sem limites ao próximo: que ele morreu na cruz para conquistar junto a Deus o perdão pelos nossos pecados, isto é, para nos reconciliar, para por em ordem nossas relações com Deus; para vencer o mal que nos separa de Deus; diz mais o NT: que Cristo ressuscitou e com isso abriu a possibilidade de ressurreição e vida eterna para quem nele confia. E, finalmente: que Cristo viria uma segunda vez, para então instituir, de uma vez por todas, definitiva e irrevogavelmente o Reino de Deus. 

O que quer dizer isso, prezada comunidade? Quer dizer que o Reino de Deus ainda não está ar por completo, na sua forma última, definitiva. Mas já foi pago o sinal. Com a sua vida - um exemplo de amor ao semelhante - com sua morte e ressurreição, Cristo deu a entrada, o aval, a garantia de que tudo isso vira. Isto é: Com Cristo cumpriu-se o ano da boa-vontade do Senhor de que fala o profeta; mas no sentido de que ali temos garantia, a entrada; a realização definitiva acontecerá na sua segunda vinda. 

Assim, nós nos encontramos ainda em situação idêntica a daquele profeta: nós esperamos a realização do ano da boa-vontade do Senhor. Mas a nossa situação ë bem mais privilegiada. Por quê? Porque nós já temos o cheque na mão e sabemos que ele tem fundo. Nós sabemos e cremos que aquela realidade já esta encaminhada. S6 falta que chegue o dia para descontar o cheque. 

Mas este dia ainda não está aí! E enquanto ele não vier, prezada comunidade, tudo aquilo que o profeta previa, o Reino de Deus, só se realiza esporadicamente, aqui e ali. Ele se realiza, note bem, em todo lugar onde alguém, por amor a Cristo, ama o seu próximo. Em todo lugar onde algum, por amor a Cristo, leva solidariedade, rompe algemas, abre prisões, leva paz, leva saber, leva saúde, leva companhia, leva consolo. Por enquanto, o Reino de Deus se realiza aos pingos. E nós, cristãos que cremos na sua realização definitiva, que cremos no dia em que será descontado o cheque, nós, como discípulos de Cristo, somos responsáveis para que esses pingos aconteçam, para que eles se multipliquem. Isto é: Nós temos que agir durante este tempo de espera: Nós sabemos agora: Deus não quer que exista miséria, seja qual for a sua forma: física, material ou espiritual. Então, vamos acabar com a miséria, onde podemos!

É só olharmos ao nosso redor: onde estão os oprimidos, os presos políticos, os exploradores, os operários de salário mínimo, os desempregados, os analfabetos, os que morrem de fome? Quem é que se importa com eles? Quem os defende? Quem é o seu porta-voz? Os políticos, que defendem grupos de interesses é que não! Meus amigos, se os cristãos já não se importam com eles, quem o fará, então? Se os cristãos não se empenharem para que haja condições e estruturas condizentes, quem se empenhará? Quem colocara pingos de Reino de Deus nesta terra? Quem levara paz, libertação de todas as algemas, quem levará companhia, solidariedade e consolo, se os cristãos não o fizerem? 

Vamos lá, vamos agir, vamos atuar de acordo com a nossa esperança no ano da boa-vontade do Senhor, no Reino de Deus. Vamos anunciar, vamos sarar corações, vamos consolar os que choram. Vamos semear pingos de Reino de Deus. Nós podemos e temos que fazê-lo. Porque já temos o cheque na mão. E só aguardamos o dia para desconta-lo. 

IV

E o meu desejo hoje é este: que nós, e sempre mais gente sobre a terra, possamos ter certeza da chegada desse dia, possa viver dessa esperança; e possamos, diante dessa esperança, clamar com alegria, como o profeta: 

Quero explodir de alegria por causa do Senhor; regozije-se a minha alma no meu Deus; pois ele me veste com roupas de salvação, me envolve com o manto da justiça, como o noivo que se adorna de turbante, e como a noiva que se enfeita com as suas joias. 

Pois, como a terra produz suas plantas, e como o jardim faz brotar o que nele foi semeado, assim o Senhor Deus fará brotar justiça e louvor diante de todos os povos. Amém. 

Oremos: Senhor, nosso Deus, apressa a realização definitiva do teu Reino, que teu Filho já encaminhou entre nós. Dá-nos a certeza da sua vinda, e ajuda-nos a semear pingos de Reino de Deus sobre a terra. Amém.

Veja:
Nelson Kirst
Vai e fala! - Prédicas
Editora Sinodal
São Leopoldo - RS


 


Autor(a): Nelson Kirst
Âmbito: IECLB
Natureza do Domingo: Epifania
Perfil do Domingo: 2º Domingo após Epifania
Testamento: Antigo / Livro: Isaías / Capitulo: 61 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 3
Título da publicação: Vai e fala! - Prédicas / Editora: Editora Sinodal / Ano: 1978
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 19927
REDE DE RECURSOS
+
A Palavra de Deus é a única luz na escuridão desta vida. É Palavra da vida, de consolo e da toda bem-aventurança.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br