Jeremias 28.5-9

Auxílio Homilético

29/06/2008

Prédica: Jeremias 28.5-9
Leituras: Mateus 10.40-42; Romanos 6.12-23
Autor: Odair Braun
Data Litúrgica: 7º Domingo após Pentecostes
Data da Pregação: 29/06/2008
Proclamar Libertação - Volume: XXXII
 

1 Contexto histórico de Israel
Israel enfrentou períodos específicos em sua história. Tornara-se um estado sob Saul. Antes, ao longo de mais de 200 anos, fora uma liga de doze tribos. O reinado de Davi e Salomão durou duas gerações. Os reinados de Israel e Judá foram independentes durante apenas um século. Bright afirma que os deportados para a Babilônia eram a nata política, eclesiástica e intelectual, não sendo um número muito grande de pessoas. Com esses exilados é que se forma o futuro Israel. A deportação foi uma humilhação, mesmo que tivessem certo grau de liberdade e organização, como se vê em Ezequiel 3.15.
Uma elite de deportados adaptou-se e se tornou rica por meio do comércio. Mas a maioria tinha saudade de sua terra, tal como testemunha o Salmo 137. Apesar da relativa liberdade, eles sentiam falta do local de culto, passando a destacar-se dois elementos: a observância ao sábado e a circuncisão. A catástrofe de 587 a.C. trouxe conseqüências políticas. O fim do reinado de Davi significou mais do que a perda da autonomia política. Significou uma crise de fé. Com a destruição e o exílio surgiram dúvidas quanto às promessas e à fidelidade de Deus. Nessa conjuntura abre-se espaço para todo tipo de pregação, como é o caso de Jeremias 28.1-9.

2 Contexto de Jeremias 28.1-9
Jeremias 28.1-9 expõe o confronto entre Jeremias e Hananias. Hananias anunciava o fim da Babilônia e o retorno do povo. Isso era um bálsamo para os ouvidos. Hananias prometia o restabelecimento da paz, do ambiente de culto, dos objetos sagrados. O povo, obviamente, gostava de ouvir isso, por que esse anúncio não apontava para a participação que tinham na situação em que se encontravam.
Para a pregação, proponho ampliar o texto para Jeremias 28.1-9, o que dá uma moldura mais compreensível, remetendo ao motivo do embate entre Jeremias e Hananias. Da mesma forma, seria salutar trazer para a pregação elementos abordados no capítulo 27, como, por exemplo, a ordem para usar a canga (Jr 27.2); o pedido para não dar atenção aos falsos profetas (Jr 27.9 e 15, 16b). Também seria importante incorporar a orientação do capítulo 28 para que o povo acredite em mentiras (Jr 28.16).
O centro do texto é: Quem é verdadeiro e quem é impostor nesse confronto entre Jeremias e Hananias? Jeremias teve capacidade de perceber que Judá caminhava para a ruína (Jr 7.1-11). Ele se preocupa em apontar um caminho alternativo. Esse caminho exigia participação do povo. Por outro lado, Hananias deu um prazo de dois anos para que a situação se modifique. Fez profecias em nome de Deus. A história mostra que nada do que profetizou se concretizou. Jeremias 28.17 informa que esse pseudoprofeta morreu dois meses depois.

3 Leituras
3.1 – Romanos 6.12-23
Essa passagem é uma advertência para não deixar o pecado dominar o corpo. Convida para entregar-se a Deus, que orienta por meio da bondade. Romanos 6.12-23 evidencia que o pecado gera morte, ao passo que se entregar a Deus gera vida. A vida eterna é alcançada na entrega a Jesus. Vida eterna é presente que Deus dá. Um presente deve ser desembrulhado e fazer parte da vida. O mesmo precisa ocorrer em relação à vida eterna que Deus oferta.
Paulo fala do passado e do presente. Nesse meio ocorre o nascimento de Jesus, que despertou fé, esperança e amor. Jesus apontou para o caminho do seguimento. Ele proporcionou mudança ao livrar do pecado. Mas o v. 19 deixa claro que os cristãos não estão livres de momentos de fraqueza e tentação. Romanos 6.12-23 ensina que viver com Deus é estar ligado a Deus. Viver no pecado é viver na escuridão. O esquema exposto é simples: escravo do pecado = vida para a morte; escravo de Deus = vida para a vida eterna.

3.2 – Mateus 10.40-42
O ponto central são as recompensas oriundas do seguimento a Deus. Mateus 10.40-42 encontra-se no contexto maior do evangelho, no qual se percebe o confronto da novidade cristã que vence a lei e revela o reino. Nesse grande contexto, Jesus é aquele que tem compaixão do povo. Mateus 10.40-42 aborda as recompensas que se alcançam por meio da fidelidade. Destaca-se de modo especial que nesses três versículos se enfatizam o acolhimento, o ato de receber, aceitar, abrir-se e cuidar. Ou seja, na ação é que vem a recompensa.

4 A caminho da pregação
A ligação entre os textos de leitura e pregação dá-se por meio da palavra pregada e da ação que ela desencadeia. Os textos buscam o restabelecimento da paz e harmonia entre o povo e Deus, o restabelecimento da confiança e justiça para todos e o restabelecimento da soberania de Deus. Esses textos convidam para a fé em Deus, tornando-nos mensageiros da boa-nova, sempre comprometidos com a vida e a verdade, longe do pecado.
Em Jeremias 28.1-9 ocorre um embate entre Jeremias e Hananias, que se arrogava o direito de falar em nome de Deus. Sempre há pessoas que não medem suas atitudes, o que foi o caso de Hananias, ao profetizar o fim da Babilônia. Esse discurso era bálsamo para os ouvidos do povo. Hananias não mediu as conseqüências de seu discurso, da mesma forma que muitos pregadores e pseudoprofetas ainda hoje não medem o significado daquilo que pregam. Provavelmente, o discurso de Hananias deu-lhe prestígio e admiração momentânea. Mas não gerou mudanças. Como terá ficado a esperança do povo? Como fica o povo que ouve promessas de cura, de riqueza etc. e, com o passar do tempo, nada se concretiza?
Fórmulas mirabolantes estão em todo lugar. Soluções rápidas e fáceis “todos” têm. Isso vale para a política, para a economia, para a educação, para a justiça etc. Igualmente, muitos são rápidos em apresentar soluções fáceis para os problemas de pessoas. Soluções milagrosas sempre chamam mais a atenção do que as propostas que exigem trabalho e compromisso. É difícil fazer o povo voltar-se para a busca de soluções e para o compromisso. Jeremias era a voz de Deus. Mesmo assim foi perseguido. O povo não queria saber da verdade. Ouvir a verdade dói. Jeremias apontava para o pecado do povo. Profetizava que isso geraria castigo, o que se concretiza com a invasão babilônica, que provocou a destruição de Jerusalém e do Templo. Nesse contexto, Jeremias pediu por arrependimento e submissão. Pregou a sujeição ao inimigo. Até mesmo passou a usar uma canga (Jr 27), o que significava sujeição, tal como os animais. Esse recado era duro para o povo.
Hananias prometeu restabelecer em dois anos os direitos e a dignidade do povo. Num gesto de marketing, arrancou e quebrou a canga usada por Jeremias perante o povo. Nos dias atuais, muitos pregadores fazem o mesmo durante seus shows televisivos. Isso gera reconhecimento e prestígio. Mas será que cura milagrosamente? Jeremias tinha um compromisso com a verdade que Deus havia mandado anunciar. Tinha que falar o que Deus ordenara. Hananias falava aquilo que o povo gostava de ouvir. Também hoje as pessoas preferem falsas promessas que não exigem muito compromisso.
As coisas fáceis chamam a atenção. Basta observar as casas lotéricas em dias nos quais o prêmio está acumulado e as longas filas que se formam. As igrejas da prosperidade, que vendem bênçãos como pão quente, estão cheias. Os políticos que fazem as propostas mais absurdas e mirabolantes ganham as eleições. Nesses o povo crê mais facilmente. Com quem nós nos identificamos? Com Jeremias ou com Hananias? Estamos comprometidoscom a verdade que liberta?
Romanos 6.11 convida para vivermos para Deus, afastando-nos do pecado. Já o v. 12 afirma que o pecado não mais nos domina. Obedecer aos desejos deste mundo é fácil. Mas, com certeza, não é o melhor caminho. Mateus 10.40-42, por sua vez, indica que seguir a Jesus gera recompensas.

Bibliografia
SCHWANTES, Milton. Sofrimento e Esperança no Exílio. História e teologia do povo de Deus no século VI a.C. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Paulinas, 1987.
BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo: Paulinas, 1978.
 


Autor(a): Odair Braun
Âmbito: IECLB
Natureza do Domingo: Pentecostes
Perfil do Domingo: 7º Domingo após Pentecostes
Testamento: Antigo / Livro: Jeremias / Capitulo: 28 / Versículo Inicial: 5 / Versículo Final: 9
Título da publicação: Proclamar Libertação / Editora: Editora Sinodal / Ano: 2007 / Volume: 32
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Auxílio homilético
ID: 24312
REDE DE RECURSOS
+
A intenção real de Deus é, portanto, que não permitamos venha qualquer pessoa sofrer dano e que, ao contrário, demonstremos todo o bem e o amor.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br