Jeremias 33.14-16

Auxílio Homilético

03/12/2000

Prédica: Jeremias 33.14-16
Leituras: I Tessalonicenses 3.9-13 e Lucas 21.25-36
Autor: Werner Brunken
Data Litúrgica: 1º Domingo de Advento
Data da Pregação: 03/12/2000
Proclamar Libertação - Volume: XXVI
Tema: Advento

1. - Considerações gerais

O texto previsto para o presente Auxílio Homilético (Jr 33.14-16) não foi comentado em nenhum auxílio do Proclamar Libertação. Nem mesmo na série alemã há auxílios sobre o referido texto. Assim, tenho diante de mim mais um desafio a ser vencido.

2. - O texto em relação aos demais

O texto de Jeremias fala dos dias que virão e do renovo que brotará. O texto de Lucas fala dos sinais dos tempos que acompanharão a vinda do Filho do homem. Na Carta aos Tessalonicenses, por sua vez, Paulo expressa o desejo de ir até Tessalônica, que as pessoas cresçam no amor de uns para com os outros. Tudo tendo em mente a vinda de Jesus. Assim, existe o traço comum do futuro da vinda de Jesus nos três textos.

3. - O livro do profeta Jeremias

O livro do profeta Jeremias abrange dois períodos diferentes: antes da morte do rei Josias (609 a. C.) e depois. Os anos antes de 609 estavam marcados pelo otimismo: a independência política trazia prosperidade no sentido social e religioso (reforma do rei Josias). Os anos depois de 609 foram de declínio. Judá foi dominado pelo Egito e depois pela Babilônia. Houve tensões internas e corrupção religiosa. O povo caminhava para o desastre.

4. - O profeta Jeremias

Jeremias nasceu por volta de 650 a.C. em Anatote, aldeia a 6 km de Jerusalém, e pertencia à tribo de Benjamim. Jeremias era filho de Helquias (família de sacerdotes). Cedo recebeu a vocação profética (1.4-10), que aconteceu no ano 13 do reinado de Josias (626/627 a.C.). Jeremias não se sentia atraído para a missão. Considerou-se incapaz. Deus, porém, o enviou ao povo de Israel para transmitir a sua palavra nos anos de crise do povo.

Jeremias agiu em quatro períodos: os três primeiros nos reinados de Josias, Joaquim e Zedequias; o quarto período corresponde aos anos que se seguiram à queda de Jerusalém.

Jeremias teve a tarefa de denunciar as injustiças e o afastamento do povo de Deus. Chamou o povo à conversão. Anunciou o castigo no caso de o povo não se arrepender. No entanto, quando a catástrofe era iminente, Jeremias falava também da esperança. Deus não rompeu com o seu povo. A mensagem de Jeremias falava de arrancar e arrasar, edificar e plantar (1.10). Assim, Jeremias foi profeta da ameaça e do castigo, mas também da esperança e da consolação.

5. – Contexto

O texto de Jr 33.14-16 está cercado por outros que falam da libertação do povo da escravidão babilônica (30), do sofrimento que desabrochará em alegria e da nova aliança de Deus com o seu povo (31). No capítulo 33, temos na primeira parte (1-13) a salvação para Jerusalém e na segunda parte (14-26) a promessa de Deus ao reino de Davi e do sacerdócio levítico.

Encontramos o presente texto também em Jr 23.5-6.

6. - Reflexão sobre o texto

Eis que vêm dias aparece três vezes no texto. Refere-se a uma nova situação após o exílio babilônico. Se até o presente momento os pastores (23.1-4) não souberam guiar o povo pelos caminhos de Deus, este pessoalmente assumirá a liderança a partir de um renovo que brotará de Davi. O povo vivia na esperança de um novo reino davídico que trouxesse paz, segurança e prosperidade. O texto fala de um renovo de justiça. Em 22.3, lemos sobre esta justiça: Assim diz o Senhor: executai o direito e a justiça, e livrai o oprimido da mão do opressor; não oprimais ao estrangeiro, nem ao órfão, nem a viúva; não façais violência, nem derramais sangue inocente neste lugar.

Este renovo é a esperança para o povo desiludido. Ele brotará”, ainda virá, é futuro. Para o povo de Israel seria um rei político como Davi, pois ele salvará Judá e Jerusalém. Haverá segurança pura todos.

O último rei durante a atividade de Jeremias chamava-se Zedequias, que significa o Senhor a minha justiça. Zedequias não implantou justiça, nem manteve a paz. Não salvou o povo por opor resistência à mensagem de Jeremias (38.14 ss). No seu lugar aparecerá um legítimo sucessor de Davi, que chamar-se-á Senhor, Justiça Nossa. Deus o legitima, e sua missão será administrar a justiça de Deus. Este nome é dado também a Jerusalém conforme 33.16.

7. – Meditação

Estamos na época de Advento. É tempo de espera. É tempo no qual se renovam as esperanças por mais solidariedade, mais amor, mais aceitação mútua, mais justiça. Eis que vêm dias- assim inicia nosso texto. Dias nos quais se cumprirá a boa Palavra de Deus. Sim! Cada Advento é tempo de renovar essa esperança.

O profeta Jeremias viveu na época de vários reis em Israel. A eles expressou a Palavra de Deus, que pedia que o povo não buscasse orientação na política externa, mas nele. Jeremias teve muita rejeição; anunciou a derrota e a deportação para a Babilônia. Mas nomeio de todo o sofrimento anunciava palavras de esperança. Deus não abandonaria seu povo. Um renovo de justiça brotaria, descendente de Davi.

Tambem nós e o povo em geral experimentamos tempos amargos, difíceis, pesados, injustos. Entramos na época de Advento sem animo para festejar algo novo. Mas, quer queiramos ou não, soam em nossos ouvidos as palavras que nos enchem de esperança. Assim o texto de Paulo aos Tessalonicenses expressa o desejo de que as pessoas cresçam no amor de uns para com os outros, pois a vinda de Jesus está próxima. O Evangelho segundo Lucas fala dos sinais que acompanharão a vinda de Jesus. E em Jeremias este renovo de justiça é chamado Senhor, Justiça Nossa.

O Advento, portanto, quer abrir nossos olhos para ver além das dificuldades do dia-a-dia. Olhar para longe, para Deus na sua Palavra, que renova as suas promessas conosco de não nos abandonar, de não nos deixar à mercê das injustiças, mas de estar conosco e implantar através de nós o seu reino de justiça e paz.

Neste sentido, somos convidados para festejar o Advento.


8. – Celebração

8.1 - Intróito (órgão, piano, teclado, instrumentos, coral).

8.2 - Damos as boas-vindas a todos/as neste 1° Domingo de Advento. No meio de todas as preocupações com o sustento, segurança, doenças, incertezas e injustiças, encontramos tempo para conviver na família de Deus e celebrar este culto. Assim, estamos reunidos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

8.3 - Convido a comunidade para cantar o hino: Jesus Cristo, esperança do mundo... (O povo canta, p. 32-33).

8.4 - Ao celebrarmos a vinda de Jesus, renasce em nós a esperança de vida melhor para todos/as. É o que expressam as palavras da senha da nova semana: O seu Rei está chegando. Ele vem triunfante e vitorioso (Zc 9.9).

8.5 - Mas, ao mesmo tempo, reconhecemos diante deste Senhor que vêm as nossas fraquezas, imperfeições, falta de amor e solidariedade para com as pessoas. Pedimos-te: perdoa-nos e renova-nos para podermos servir a ti através das pessoas com alegria.
Cientes de que precisamos servir a ti, cantamos: Tem, Senhor, piedade!

8.6 - Comunidade canta: Tem, Senhor, piedade! (3 x).

8.7 - Oração: Eterno Deus! Obrigado por podermos viver esta nova época de Advento. Nela esperamos por tua vinda em Jesus Cristo, Justiça Nossa. Sim! Clamamos por mais justiça neste mundo. Ele nos faz sofrer com as situações calamitosas que vivemos. Desperta em nós a verdadeira esperança por justiça para que todos tenham vida em abundância. Amém.

8.8 - Ouçamos palavras da Sagrada Escritura, conforme encontramos na 1a Carta de Paulo aos Tessalonicenses 3.9-13. Leitor lê e convida para cantar após a leitura: Fonte da celeste vida... (Hinos do povo de Deus - HPD, 132.1).

8.9 - Comunidade canta: Fonte da celeste vida...

8.10 - Ouçamos a leitura do Evangelho, conforme registra Lucas no capítulo 21.25-36. Após a leitura, leitor convida para cantar a 2a estrofe do hino 132 (HPD).

8.11 - Comunidade canta: Vem abrir teu santo livro...

8.12 - Leitura de Jeremias 33.14-16. Segue reflexão e mensagem nos seguintes passos:

a - Advento: esperança por renovação da solidariedade entre as pessoas.

b - O profeta Jeremias chamou o povo ao arrependimento, a uma dependência de Deus. No entanto, o povo seguiu seus próprios caminhos, sendo advertido e levado ao exílio.

c - Mas nesta situação difícil sou a esperança: Deus fará brotar um Renovo - Senhor, Justiça Nossa.

d - Pois vêm dias por parte de Deus que trarão justiça ao nosso encontro.

e - Esta justiça já se tornou realidade em Jesus Cristo. Ele é a nossa esperança neste Advento.

f - A partir dele podemos semear sinais de solidariedade neste Advento.

Observação: Mais sugestões na meditação.8.13 - Comunidade canta o hino: Santo és Senhor... (O povo canta, p. 180-181).

8.14 - Como resposta à palavra recebida, convido para confessar a nossa fé cristã com as palavras do Credo Apostólico.

8.15 - Comunidade: Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso...

8.16 – Como sinal de gratidão a Deus por tudo o que temos recebido, vamos recolheras ofertas que destinamos para (dizer a finalidade). Durante o recolhimento das ofertas, cantamos o hino: Erguei os arcos triunfais... (HPD 5.1-3).

8. 17 - Oração de agradecimento pelas ofertas e intercessão pela entidade à qual são destinadas.

8. 18 - Avisos comunitários e boas-vindas aos visitantes (pedir para levantar, dizer seu nome e de onde vem. Em algumas comunidades distribuem-se lembranças aos visitantes).

8.19- Oração: Eterno Deus! Somos-te gratos por esta nova época de Advento, que tu nos concedes. Obrigado pela nova esperança que fazes brotar em nós no sentido de sermos encorajados para viver a tua justiça neste mundo. (Incluir agradecimentos, pedidos e intercessões dos presentes). Tudo te pedimos e agradecemos por .Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, que nos ensinou a orar:

8.20 - Comunidade: Pai nosso, que estás nos céus...

8.21 - Comunidade canta o hino: Rejubila, filha de Sião... (HPDII).

8.22 - Bênção: O Senhor vos abençoe e vos guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre vós e tenha misericórdia de vós. O Senhor sobre vós levante a sua face e vos dê a sua paz. Amém.

8.23 - Encerramento: Sinos, instrumentos, coral.


Bibliografia

SCHÖKEL, Alonso. Profetas I: Isaías, Jeremias. São Paulo : Paulinas, 1988. (Grande Comentário Bíblico).
WEISER, Artur. Der Prophet Jeremia. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1955. (Das Alte Testament Deutsch, 21).

Proclamar Libertação 26
Editora Sinodal e Escola Superior de Teologia

  


Autor(a): Werner Brunken
Âmbito: IECLB
Natureza do Domingo: Advento
Perfil do Domingo: 1º Domingo de Advento
Testamento: Antigo / Livro: Jeremias / Capitulo: 33 / Versículo Inicial: 14 / Versículo Final: 16
Título da publicação: Proclamar Libertação / Editora: Editora Sinodal / Ano: 2000 / Volume: 26
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Auxílio homilético
ID: 17461
REDE DE RECURSOS
+
Quem quiser ser importante, que sirva aos outros.
Mateus 20.26
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br