João 12.20-33 - 5º Domingo na Quaresma - 22.03.2015

Caderno de Cultos 2015

22/03/2015

22/03/2015 - 5º Domingo na Quaresma)
Pregação: Jo 12.20-33; Leituras: Jr 31.31-34; Hb 5.5-10.
P. Deolindo Feltz – Cuiabá - MT

LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
Obs.: Antes de iniciar a celebração com a acolhida é sempre importante haver um prelúdio para sintonizar as pessoas com a celebração/culto. O hino 423 do HPD II “Ao orarmos Senhor”, por exemplo, é uma excelente alternativa. Alguém da comunidade cumprimenta/saúda/acolhe os presentes e anuncia o hino/prelúdio.

Bom dia/Boa Noite!
Sejam todos e todas bem vindos e bem vindas a esse culto. Que bom que vocês vieram. Estar na presença de Deus e dos irmãos e irmãs na fé é uma grande oportunidade de comunhão, de orientação, de confissão, de conforto, de esperança e de fé. Naturalmente, cada um e cada uma de vocês estão aqui para trazer e deixar algo, bem como para encontrar e levar algo. Que isso de fato aconteça, na perspectiva de podermos de novo recomeçar.

Acolher os/as visitantes

CANTO DE ENTRADA
Nº 46 – HPD I – Agradecemos-te, Jesus

SAUDAÇÃO
Neste 5º Domingo na Quaresma quero saudá-los com a palavra bíblica de João 12. 25, que diz: “Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna”.
É uma palavra oportuna para este tempo da Paixão, da Quaresma, cuja proposta é nos fazer direcionar nosso olhar para dentro de nós mesmos, na perspectiva de enxergar o quanto de amor nós acabamos dedicando à nossa vida terrena, pra não dizer mundana, em detrimento de nossa vida junto a Deus. Que possamos aprender não a odiar a vida deste e neste mundo, mas a amar mais uma vida com Deus.

CANTOS DE INVOCAÇÃO
Nº 320 – HPD II – Espírito Santo de Deus

CONFISSÃO DE PECADOS
Em provérbios 28. 13 está escrito: “Quem tenta esconder os seus pecados não terá sucesso na vida, mas Deus tem misericórdia de quem confessa os seus pecados e os abandona”.

Assim, convido para confessarmos os nossos pecados a Deus, buscando sua misericórdia e seu perdão. As palavras do Salmo 51. 1-11 foram importantes na vida do Rei Davi. São palavras de uma confissão que ele mesmo fez há muito tempo atrás por causa de um grande erro. Elas causaram efeito na vida de Davi; trouxeram mudanças e houve compromisso com Deus. Com esse mesmo intuito, o de receber perdão, de se arrepender e de se comprometer, queremos nós também proferir (em conjunto) estas palavras do Salmo 51. 1-11 como sendo a nossa confissão de pecados.

ANÚNCIO DO PERDÃO
Para quem confessa os seus pecados, se arrepende deles e está disposto a não mais cometê-los, ouve de Deus uma boa notícia. No livro dos Salmos, capítulo 32, está escrito: “Feliz é aquele cujas maldades Deus perdoa, e cujos pecados ele apaga! Enquanto não confessei o meu pecado, eu me cansava, chorando o dia inteiro. Então eu te confessei o meu pecado e não escondi a minha maldade. Resolvi confessar tudo a ti, e tu perdoaste todos os meus pecados”.

KYRIE
Canção: Pelas dores deste mundo, ó Senhor!

GLÓRIA IN EXCELSIS
Canção: Bendirei ao Senhor em todo tempo!

ORAÇÃO DO DIA
Deus do amor e da compaixão! Reunimos-nos na tua presença porque cremos que só tu podes dar um rumo à nossa vida, nos permitindo sempre de novo um recomeço. Somente tu és a nossa verdadeira luz que brilha e nos mostra o caminho certo. Reunimo-nos diante da tua face porque cremos que nos enxergas, nos carregas, nos perdoa, nos ilumina e enxuga as nossas lágrimas. Dá-nos o Espírito Santo, para acolhermos com fé e devoção a tua Palavra neste culto. Por nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: Jeremias 31. 31-34

2ª Leitura Bíblica: Hebreus 5.5-10

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº 50 – HPD I – Nossos corações

PREGAÇÃO
Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós. Amém!
Estimados irmãos e irmãs!
Estamos no tempo da quaresma. Na verdade, quase no final deste tempo litúrgico. Próximo domingo é Domingo de Ramos, quando inicia a Semana Santa. Quaresma, conhecida também como tempo da Paixão de Cristo, não quer ser erroneamente compreendida como um tempo de sacrifícios, onde se faz necessário abrir mão de algumas coisas, mas quer ser compreendida como uma oportunidade. A quaresma quer ser um tempo oportuno onde, através do silêncio, do recuo e da reflexão, as pessoas possam observar sua própria vida, fazer uma avaliação, traçar um novo rumo e recomeçar de um jeito diferente e muito melhor, sendo a motivação maior para este recomeço o acontecimento do Domingo de Páscoa.
Há alguns minutos atrás nós lemos e ouvimos duas leituras bíblicas previstas para este final de semana: Jeremias e Hebreus. Se observarmos bem, elas também apontam para a importância de um recomeço, de algo novo, que é a proposta deste tempo litúrgico. Em Jeremias ouvimos Deus dizer que haverá uma nova aliança; não mais como aquela antiga, que foi quebrada, mas uma aliança onde todos conhecerão Deus sem que alguém precise ensinar isso; sem falar nos pecados que serão perdoados e nunca mais serão lembrados. Já em Hebreus, recomeço é experimentado pelo próprio Jesus. Mesmo suplicando a Deus para que o livrasse do sofrimento, daquele processo doloroso da Semana Santa, foi obediente e, uma vez obediente, foi aperfeiçoado, vindo a se tornar fonte de salvação eterna para todas as pessoas.
Por fim, podemos perceber que também o texto do Evangelho previsto para este momento de pregação aponta nesta direção: silenciar, recuar, observar, avaliar, morrer para algumas coisas e recomeçar!
Ler o texto de João 12. 20-33 (de preferência não ler na versão linguagem de hoje)
O texto inicia contando que estavam em Jerusalém, para a grande Festa da Páscoa, alguns gregos, chamados também de não judeus. E estes gregos se aproximaram de Felipe, que é um nome de origem grega, e quem sabe até mesmo falava grego, e disseram que queriam ver Jesus. Felipe falou com André, que também é um nome de origem grega, e os dois foram falar com Jesus sobre a intenção dos gregos.
Mas a pergunta é: Por que gregos queriam ver Jesus? Gregos não faziam parte da “turma” de Jesus e nem era para eles que Jesus tinha vindo. Porém, segundo alguns estudiosos, estes gregos eram um tanto diferentes. Tratava-se de gregos que não tinham se convertido ao judaísmo, mas pelo convívio com judeus, frequentavam, de vez em quando, a Sinagoga, e participavam das festas anuais.
O que pode ter ocorrido para despertar esse interesse em ver Jesus foram seus feitos nos últimos três anos, mas especialmente o que ocorreu naqueles dias que antecederam a grande Festa da Páscoa, em Jerusalém. Primeiro ele ressuscita Lázaro depois de quatro dias sepultado; depois ele recebe da irmã de Lázaro um gesto que qualquer rei gostaria de receber que é ter os pés lavados com perfume caro e ter seus pés secados com cabelos; depois ele entra em Jerusalém montado num jumento, mas é aclamado e recebido como uma majestade. Na verdade, quem não gostaria de conhecer, ver, ouvir, ou mesmo estar perto deste homem? Até mesmo os gregos!
Olhando para o texto, pode se imaginar que esta busca por Jesus, até mesmo por parte de não judeus/gregos, ou de estrangeiros que seja, somado ao risco de transformá-lo apenas num show man, popular e famoso, é chegada a hora de ele revelar quem ele era de verdade. E a primeira verdade disso tudo é que aquilo que eles estavam vendo e admirando teria que morrer. Em outras palavras, o que Jesus tentava dizer é que a glorificação dele não era a fama, a popularidade, o poder de fazer milagres, mas, na condição de Filho de Deus, morrer para tudo aquilo e recomeçar três dias depois de um jeito totalmente diferente. E seria justamente esse jeito diferente é que traria sentido de vida para todas as pessoas: homens, mulheres, crianças, judeus, não judeus, /gregos, escravos, pobres, ricos, etc... E para que as pessoas compreendessem isso, Jesus usa o exemplo do grão de trigo que, para dar esses muitos frutos, é preciso morrer primeiro e ser enterrado.
E já que quaresma é tempo de oportunidade, Jesus não perdeu a oportunidade de, logo em seguida, apontar para a importância de também os seus atuais e futuros seguidores, incluindo nós hoje, ter que morrer para algumas coisas. Ou seja, experimentar recomeço em Jesus significa também ter que morrer para alguns interesses próprios e ver/viver a vida de um jeito diferente. Ele deixa isso claro quando afirma que “quem ama a sua vida não terá a vida verdadeira, mas quem não se apega à sua vida neste mundo, ganhará para sempre a vida verdadeira”.
É preciso reconhecer que este processo de morte para algo novo experimentado por Jesus e, ao mesmo tempo, proposto aos seus seguidores do passado, presente e futuro, não é algo tão simples. Jesus passou por aflição e questionou se não deveria pedir a Deus que o afastasse daquele sofrimento. Da mesma forma, aflição e sofrimento também irão nos acompanhar em qualquer processo que envolva silêncio, recuo, observação, avaliação e reflexão para a morte de algumas coisas e o ressurgir para algo novo.
Por outro lado, segundo Hebreus a obediência e a fidelidade de Jesus em meio a todo esse processo de mudança o aperfeiçoaram, vindo ele a se tornar fonte de salvação eterna de todas as pessoas. Nesta perspectiva, nossa obediência e fidelidade também farão de cada um de nós não pessoas perfeitas, mas diferentes e melhores do que somos e, consequentemente, muito mais pertos de Deus.
E que assim seja. Amém!

HINO
Nº 56 – HPD II – Ó Jesus, Senhor

CONFISSÃO DE FÉ
O Credo Apostólico resume o que nós acreditamos. Ele, na verdade, fala onde está depositada a nossa fé. Por isso que se chama confissão de fé. Não são palavras vazias. É a resposta a todo mundo sobre o que eu creio. Por isso confessemos a nossa fé com estas palavras:
Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO (proceder motivação e o recolhimento das ofertas)
Enquanto cantamos um hino, serão recolhidas as ofertas. Elas estão destinadas à/ao....... Que Deus abençoe as dádivas e também os doadores e doadoras, e que cada um e cada uma se sinta livre para ofertar.
Nº 286 – HPD I – Obrigado Pai Celeste

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Obs: Deixar as pessoas falarem de suas necessidades, de seus agradecimentos, enfim, dos motivos que elas querem mencionar na oração de intercessão. É importante isso ser feito em voz alta para que as pessoas saibam do que e de quem se trata. Entende-se que o fato de mencionarem isto em culto já é oração diante de Deus e uma forma de informar os demais membros sobre a situação que experimenta aquela pessoa ou família. Após falarem, disponha de 30 segundos de silêncio na perspectiva de que nesse tempo as pessoas coloquem diante de Deus aquilo que não foi mencionado. Depois deste tempo, segue com a oração:
Motivos de Oração:
1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________

Senhor nosso Deus! Em voz alta e também em silêncio ouviste de cada um/a de nós aqui presentes aquilo que está em nosso coração. Não temos dúvidas de que ouviste a cada um/a, pois Tu estás em tudo e em todos. Além disso, sabes da nossa vida, do que temos em nossa mente, em nosso coração, antes mesmo de falarmos. É isso que esperamos de ti ò Deus: olhe por cada situação que foi lembrada, falada, pensada, olhe para cada um de nós em nossa vida, olhe nossas famílias, nosso líderes, nossa Igreja, nosso país. Olhe não com olhar de julgo, mas de amor, de carinho, de atenção, de ajuda. Senhor! Toda a nossa vida está em suas mãos, aliás, tudo está em suas mãos. Use-nos para que nesta vida sejamos instrumentos de paz e amor. Que tu nos permitas sempre de novo recomeçar, nos ajudando sempre a amar mais a Ti do que ao mundo. Pai amado! Estamos chegando ao final deste encontro contigo. Da mesma forma que nos trouxe até aqui nos leve de volta para nossa casa. É o que está em nosso coração. Por fim, oremos como teu filho nos ensinou...

PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
______________ _________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________

BÊNÇÃO
Que o Senhor esteja à vossa frente para vos guiar;
Que Ele esteja atrás de vós para vos proteger;
Que Ele esteja ao vosso lado para caminhar convosco;
Que Ele esteja embaixo de vós para não vos deixar cair;
Que Ele esteja dentro de vós para vos consolar;
Que Ele esteja acima de vós para com tua poderosa mão vos abençoar.
Portanto, que o Senhor vos abençoe! Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

ENVIO
Que a paz de Deus que excede todo o nosso conhecimento e entendimento nos guarde para uma viva esperança. Ide na paz do Senhor.

CANTO FINAL
Nº 459 – HPD II – Oração da Igreja


Autor(a): Deolindo Feltz
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo da Páscoa
Natureza do Domingo: Quaresma
Perfil do Domingo: 5º Domingo na Quaresma
Testamento: Novo / Livro: João / Capitulo: 12 / Versículo Inicial: 20 / Versículo Final: 33
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2015
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 31267
REDE DE RECURSOS
+
A fé não pode aderir ou agarrar-se a qualquer coisa que tem valor nesta vida, mas rompe os seus limites e se agarra ao que se encontra acima e fora desta vida, ao próprio Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br