Lucas 14.16-24

Prédica

Lucas 14.16-24 – 2º. DOMINGO APÓS TRINDADE

CONFIRMAÇÃO

Meus caros confirmandos: 

Finalmente chegou este dia. E agora, finalmente, vocês estão aí, sentados à frente de seus pais, padrinhos, parentes mais próximos, à frente desta comunidade, para serem confirmados. Todos estes que acompanham vocês neste momento estão sentindo algo de estranho lá por dentro. Deixem-me explicar com um exemplo: Um rapaz vai empreender uma grande viagem de ônibus até o Rio, para visitar parentes. Os seus pais o trazem à estação rodoviária, ele entra no ônibus, e o ônibus parte. Pensem uma vez no que devem sentir os pais, que ficam lá na calçada, parados, acompanhando o ônibus com o olhar, até desaparecer. É o que nós sentimos agora: seus pais, a comunidade e, provavelmente de modo todo especial, eu mesmo, que acompanhei vocês durante este ano. 

Pelo menos é assim que eu me sinto: como alguém que ajudou a empacotar a mala, que comprou a passagem, que trouxe vocês à rodoviária, que dá a mão para a despedida e os vê partir. E então começa: A gente fica ar parado, pensando: Ser a que empacotei tudo? Será que ele tem tudo para a viagem? Será que não esqueci a escova de dentes ou as meias, ou o pulôver? Será que ele tem tudo para passar esse tempo lá? E a gente fica depois à espreita, aguardando a primeira carta, a segunda e a terceira, para ver como vai indo. 

Vocês compreendem o que eu quero dizer? É isso que eu sinto, ao ver vocês daqui por diante, em pensamentos. No entanto não vou ficar aqui morrendo de preocupação. Muito maior do que a preocupação é a confiança que eu sinto: E já vou lhes dizer por quê: Porque eu tenho certeza absoluta de que Deus vai abençoar o que nós fizemos juntos durante esse ano. Afinal, ele nos quer bem, não é? Ele nos quer tanto, a ponto de entregar por nós seu Filho Jesus Cristo. Vocês sabem disso. 

II

No entanto, hoje eu tenho a obrigação de dar a vocês um brado de alerta. Para tanto vou ler para vocês a seguinte parábola: 

Ele (Jesus), porém, lhes falou: Um homem deu um grande banquete e convidou muitos. E, na hora do banquete, enviou seu criado para dizer aos convidados: Venham, pois já esta tudo preparado. Mas (a uma) todos começaram a se desculpar. O primeiro lhe disse: Comprei um campo e preciso ir vê-lo impreterivelmente. Peço-te que me encares como desculpado. E outro disse: Comprei cinco juntas de bois e vou lá para experimentá-las. Peço-te que me encares como desculpado. Ainda outro disse: Casei-me e por isso não posso ir. E o criado voltou e contou isso ao seu patrão. Então, enraivecido, o dono da casa disse ao seu criado: Saia depressa para os becos e ruas dessa cidade e traga para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. Disse-lhe (depois) o criado: Patrão, está feito o que o senhor mandou, e ainda tem lugar. Respondeu o patrão ao criado: Saia para as estradas e os atalhos e insista veementemente para que entrem, a fim de que se encha a minha casa! Porque vos declaro que nenhum daqueles homens, que foram convidados, provará o meu banquete. 

Minha gente, vocês são os convidados. Aliás, vocês vem sendo convidados há muito tempo. Desde aquele ano, no qual a maioria de vocês nasceu, até hoje. Desde o batismo, no qual os país e padrinhos de vocês prometeram fazer tudo para que esta criança seja educada e instruída nesta fé da Igreja Cristã, passando pela escola dominical, pelos cultos, pelo ensino religioso nas escolas - até este momento, vocês vêm sendo convidados. Desde lá, está sendo feito a vocês o convite: Ar, tome, ar esta o perdão para você; pegue, aceite, mude sua vida. Desde o batismo, esse convite foi chegando aos seus ouvidos.

E hoje, de repente, ele se formaliza como nunca. Hoje, de repente, vocês terão que se levantar de seus lugares, vocês ouvirão três perguntas bem concretas. – Você confessa a fé da Igreja Cristã; você promete viver em conformidade com essa fé; e você promete fazer tudo para ajudar a sua igreja a cumprir a tarefa que seu Senhor lhe confiou? - e responderão: Sim, com o auxilio de Deus! 

A partir de hoje, portanto, vocês terão nas suas mãos toda a responsabilidade. E vocês vão dizer sim, sim, aceitamos o que Cristo fez por nós, aceitamos o convite para o banquete, muito obrigado! Mas estejam certos de uma coisa: Aceitar o convite não é simplesmente dizer: Sim, com o auxilio de Deus! Não basta dizer ao criado daquele ricaço do banquete: Ti, eu venho! Aceitar o convite significa: ir lá de fato. Dizer eu vou, e ir mesmo. Dizer Sim, com o auxílio de Deus e viver de acordo com esse sim. 

III

E eu posso garantir a vocês - e vocês mesmos sabem - que isso não é brincadeira. Transformar a sua fé em ação, em atos concretos, não é brincadeira. A partir do momento em que vocês botarem os pés fora dessa sala, hoje de manhã, vão começar a surgir fatores que procurarão desviá-los da rota. Fatores que pretendem fazê-los cair, que pretendem fazer com que vocês não cumpram a sua promessa de hoje. 

E esses fatores estão muito bem camuflados. Dificilmente alguém lhes dirá: O cristianismo é besteira, como é que você pode ser tão burro de confessar uma coisa dessa! Assim no. A corrupção é bem mais sutil. É uma coisinha aqui, outra coisinha ali; ume negligência aqui, outra negligência ali. Coisinhas de nada se vão somando. E um belo dia, passados os anos, vocês aparecem aqui para marcar a data de casamento, e conversam com o pastor, e alguns de vocês dirão: Pois é, pastor, sabe que eu ando meio por fora. Olha que desde a minha confirmação eu acho que nunca mais botei os pés na igreja. A fé de uma pessoa no pode ser medida por sinais externos; como por sua ida ao culto. Mas vocês concordarão comigo que alguém que por negligência perde o contato com sua igreja não está em ordem com Deus. 

IV

Meus confirmandos, o negócio é sério. Reparem mais uma vez na última sentença da parábola que eu li há pouco: Porque vos declaro que nenhum daqueles homens que foram convidados, provará o meu banquete! O negócio é serio, não é brincadeira. Deus não atura que zombemos do seu convite. Vocês se recordam de um exemplo que lhes dei: É como se eu desse a um mendigo um cheque de Cr$... 100,00 e ele aceitasse o cheque e o rasgasse na minha frente. Deus é bom, ele quer o nosso bem, ele nos ama; mas ai daquele que desprezar o seu amor! Não quero meter medo em vocês, quero apenas alertá-los. 

Minha gente, não deixem cair, não percam o que vocês ganharam este ano. A fé no é uma coisa estática, parada. Ela é dinâmica e passa por altos e baixos. Vocês precisam cultivá-la, alimentá-la. Vocês sabem onde têm alimento. Muita coisa vocês ainda não entenderam, mas não cansem de procurar a solução. Podem ter certeza de que Deus dá a solução a quem procura. 

Para finalizar, permitam-me que eu lhes dê algumas dicas: 

1º. - A fé exige disciplina; disciplina para combater a negligência; disciplina para buscar alimento para a fé. 

2º. - A fé de vocês só subsistirá com o auxilio de Deus; peçam, pois, que ele os acompanhe com o Espirito Santo e lhes dê força para crer e para viver sua fé. 

3º. - Meus amigos, busquem Deus onde se fala de Deus; sobretudo na Bíblia, que ela seja sua companheira inseparável; aí está a igreja, com sua pregação, com seu trabalho; ela conta com você e ela quer ajudar; e, por que não dizer, ai está o pastor, de braços abertos, para qualquer coisa, com o desejo sincero de que o nosso contato - eu poderia talvez dizer - a nossa amizade não termine com o dia de hoje. Que Deus os abençoe! Amém. 

Oremos: Senhor Deus, tu, que pelo Espírito Santo ajudas a pregação da tua palavra e dás a fé aos que a ouvem, nós te pedimos: Ajuda esses jovens aceitar o teu convite em palavra e ação, a viver conforme a tua vontade, a ser teus fiéis discípulos, onde quer que vivam e atuem . Por Jesus Cristo. Amém.

Veja:
Nelson Kirst
Vai e fala! - Prédicas
Editora Sinodal
São Leopoldo - RS


Autor(a): Nelson Kirst
Âmbito: IECLB
Natureza do Domingo: Pentecostes
Perfil do Domingo: 3º Domingo após Pentecostes
Testamento: Novo / Livro: Lucas / Capitulo: 14 / Versículo Inicial: 16 / Versículo Final: 24
Título da publicação: Vai e fala! - Prédicas / Editora: Editora Sinodal / Ano: 1978
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 20316
REDE DE RECURSOS
+
Não há pecado maior do que não crermos no perdão dos pecados. Este é o pecado contra o Espírito Santo.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br