Lucas 4.21-30

Auxílio Homilético

28/01/2001

Prédica: Lucas 4.21-30
Leituras: Jeremias 1.4-10 e 1 Coríntios 12.27-13.13
Autora: Mayke M. Kegel Dutra
Data Litúrgica: 4º. Domingo após Epifania
Data da Pregação:28/01/2001
Proclamar Libertação – Volume: XXVI

 

1. Introdução

Baseio-me na versão de João Ferreira de Almeida. Sugiro como leitura introdutória PL 20, p. 50.

2. Análise de versículos

Os versículos anteriores: Jesus entra na sinagoga. Recebe o livro de Isaías e escolhe o texto que quer ler. Deixa todos os presentes em expectativa.

v. 21 - Jesus está sentado e com firmeza diz que a Escritura se cumpre naquele dia. Jesus se refere ao texto de Isaías, que acabara de proferir.

v. 22 - O cochicho na sinagoga foi grande. O texto diz que lhe davam testemunho e se maravilhavam das palavras de graça. Isto mostra uma reação positiva à presença de Jesus e, ao mesmo tempo, um certo orgulho misturado com espanto, pois o povo da terra era discriminado e não se esperava grande coisa. Hoje ainda é assim, quando consideramos o médico ou qualquer outro profissional que veio de outra cidade como melhor do que aquele que cresceu em nossa cidade.

v. 23 - Jesus lê os pensamentos e coloca perante todos as suas próprias falas. Jesus mostra a pequenez do pensamento humano. As pessoas estavam naquele do ver para crer, e Jesus deixa claro essa intenção deles mesmos.

v. 24 - Jesus prossegue nesta linha, dizendo que de fato nenhum profeta, nem mesmo ele, é bem recebido na sua própria casa.

O ser humano parece não acreditar no potencial de quem vive no sou redor.

v. 25 a 27 - Nestes versículos, ele traz um fato real para comprovar o que vem dizendo e se mostra conhecedor da história. Esta história coloca também que as pessoas queriam ver para crer, só o propósito de Deus não é este.

v. 28 - As pessoas que se encontravam na sinagoga ficaram enfurecidas, todas sem exceção, diz o texto. A constatação da realidade realmente irrita muitas pessoas. Aquele, do qual há pouco se maravilhavam, agora se torna alvo de ira. Isso acontece porque ele não se submeteu à vontade dos presentes.

v. 29 - Quando alguém nos desagrada, a reação é nos livrarmos dessa pessoa. Nossas atitudes são através de desculpas, de agressões explícitas, de indiferença. Não aceitamos que alguém venha para modificar nosso ambiente, ainda mais se essas mudanças tiverem que partir de uma atitude própria. As pessoas que ali se encontravam tiveram a reação de tirá-lo da sinagoga e expulsá-lo da cidade com a intenção de jogá-lo do cume. Para matá-lo, ou apenas para mostrar quem manda, não o sabemos. Em todos os casos, não su-portaram a atitude de Jesus e o seu conhecimento.

v. 30 - Jesus não permite tal ação e sai. Se foi pacífica a retirada dele, isso não é dito, mas ele sai e vai em direção a outra cidade.

3. O passado na realidade

O texto de Lucas 4.21-30 é bastante incisivo, e isto se nota na formulação verbal. É um chamado à realidade a partir de fatos con¬cretos do passado. Temos aí a história trazida ao povo, que parece querer ignorar alguns fatos. Os sentimentos humanos, que mudam conforme o que bate no coração e no agrado, também são mostrados aqui. Também podemos dizer que até tem a questão de mostrai na mão de quem está o poder. Como era e é complicado e difícil aceitar que o louvor, a adoração, o poder não são nossos, mas, sim, de Deus. Outro fato é a segurança de Jesus de poder dizer as coisas, pois ele conhece o povo ali reunido. Jesus era parte integrante deste povo, Jesus os leva para além do cotidiano.

Aqui se encaixa o texto de l Coríntios 12.27-13.13. Nós fazemos parte do corpo de Cristo, portanto não somos o corpo, e como tal precisamos encarar nossas diferenças e aceitar os diversos dons e até o nosso próprio.

O texto de Jeremias 1.4-10 traz uma mensagem bastante positiva e busca levantar o ser humano do chão, colocando valor e missão para ele mesmo.

Como temos as leituras bíblicas antes da pregação, sugiro que a sequência seja o texto de Jeremias antes do texto de l Coríntios. Esta sugestão é devido aos seus conteúdos, que podem ajudar no entendimento das atitudes de Jesus conforme Lucas.

Jeremias nos alegra com o conhecimento que Deus tem de nós desde o ventre, nos tira do menosprezo, colocando em nossas mãos uma atitude de encorajamento para a missão. Em l Coríntios, Deus mostra qual é o dom de cada um e que, para exercermos o mesmo, é imprescindível o amor. Em Lucas temos o amor concretizado na pessoa de Jesus, apresentado para nós numa dimensão de vida que vai além do nosso mundinho.

4. A realidade a partir do passado

A mensagem poderia seguir na linha do chamado à missão e à disposição para ela mesma. Jesus se apresenta e chama para sairmos de dentro de nós e nos colocarmos a caminho. Nada de se deixar jogar do alto para baixo, achando que você não é capaz de nada porque alguém algum dia disse que isso não era para você.

Os dons são diversos. Você foi escolhido/a para estar neste mundo entre milhões de células. Deus teve o cuidado de colocar em você força e essência suficientes para agir. Ele não nos fez do barro e assoprou em nossas narinas para ficarmos de braços cruzados, esperando alguém colocar a colher de sopa em nossa boca. Ele enviou Jesus cheio de amor e sabedoria para nos auxiliar a clarear qual é o nosso dom, como exercê-lo, e sempre exercê-lo com amor. Aproveite o início do ano, onde todas as pessoas estão ainda repensando suas atitudes e fazendo novos planos para a sua vida neste ano. Chame-as para colocar suas vidas na alegria de ver seus dons saindo do baú e indo em direção ao próximo. Dê a elas um motivo concreto de vida: amar a Deus e ao próximo como a si mesma de forma prática. Há tantas pessoas idosas precisando de uma visita. Pessoas necessitando de uma cesta básica. Crianças precisando de re¬forço escolar. Jovens precisando de abraços. O templo precisando de uma pintura e o jardim de flores. Que tal fazer a rampa para as pessoas portadoras de deficiência?

Vamos lá, senão você pode cair do alto.

5. Subsídios litúrgicos

Hinos: Hinos do Povo de Deus, 42 e 130; O povo canta, 24, 60, 98.

Intróito: Tu perguntas: que caminho devo seguir? Então presta atenção em quatro indicadores: a Palavra de Deus; o Espírito de Deus, que age em teu coração; as circunstâncias em que Deus te colocou; e o conselho de cristãos experientes. Gênesis 24.7-8, 12-14.

Confissão de pecados: Senhor Deus, chegamos à tua presença como pessoas humildes e pecadoras para confessar-te que, em muitos momentos, somos iguais àquelas pessoas que estavam com Jesus na sinagoga. Temos dificuldade de acreditar em nosso semelhante, ainda mais quando é de nossa própria cidade. Muitas vezes, esquecemos nossa história como povo de Deus e acabamos cometendo injustiças com nosso próximo. Perdoa-nos pelos momentos em que colocamos nossas irmãs e irmãos de lado, movidos pelas nossas indiferenças. Mostra-nos o teu caminho e direciona as nossas atitudes. Isto é o que te pedimos.

Proclamação da graça: Ele é o Salvador dos perdidos. E, já que sem ele eu seria perdido, Ele também é o meu Salvador. Ezequiel 34.12,16.

Oração de coleta: Senhor Deus, unifica-nos neste momento com teu Santo Espírito, clareando-nos nossa história como povo de Deus, e fortalece nossa confiança em Cristo Jesus. Amém.

Intercessão: Pelos indiferentes à causa da justiça de Jesus. Pelos que sofrem com a nossa indiferença e injustiça.
Pelo governo, no sentido de olhar as dificuldades que o povo sofre a partir de suas decisões políticas.
Pela Igreja, que se abre aos pequeninos e em necessidade espiritual e material.
Por nossos obreiros na tarefa de levarem o Evangelho e serem aceitos em seus campos de trabalho.

Bibliografia

CHRISTMANN, L. Lc 4.14-21(22). Auxilio Homilético para o 3° Domingo após Epifania. In: Proclamar Libertação. São Leopoldo : Sinodal, 1994. v. 20, p. 50ss.


Autor(a): Mayke M. Kegel Dutra
Âmbito: IECLB
Natureza do Domingo: Epifania
Perfil do Domingo: 4º Domingo após Epifania
Testamento: Novo / Livro: Lucas / Capitulo: 4 / Versículo Inicial: 21 / Versículo Final: 30
Título da publicação: Proclamar Libertação / Editora: Editora Sinodal / Ano: 2000 / Volume: 26
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Auxílio homilético
ID: 17628
REDE DE RECURSOS
+
A fé é um contínuo e persistente olhar para Cristo.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br