Nossa Fé - Nossa Vida - A disciplina fraterna

Buscar relacionamentos justos

19/12/2010

O que é a disciplina fraternal?

O convívio de irmãos e irmãs cria tradições, leva à formulação de confissões e requer o estabelecimento de normas. Essas são eficientes e úteis quando servem à proclamação do evangelho e nos auxiliam a vivê-lo. Também como pessoas cristãs vivemos ainda no campo de força do pecado e sofremos suas consequências.

Assim, pode acontecer que membros ou grupos na comunidade vivam sua liberdade de forma a ferir outras pessoas.

Essa situação de conflito, de posições e atitudes diferentes, que facilmente destroem o convívio, leva a comunidade a tomar medidas para restabelecer e manter a união.

Quando se torna necessária?

havemos de permitir a confrontação do nosso procedimento com as normas, confissões e tradições em vigor na comunidade.

Por isso a disciplina fraternal se torna necessária quando, por nossas palavras ou ações e omissões, reclamamos para nós um direito que fere o amor fraternal ou contraria o estabelecido ou nos distancia da comunidade.

Quem exerce a disciplina fraternal?

O próprio Evangelho de Cristo corrige nossas atitudes, visando à santificação da vida no convívio de irmãos e irmãs.

A responsabilidade pelo bem-estar e pela salvação do próximo nos pode levar a corrigi-lo em amor. Da mesma forma devemos aceitar a correção pelos irmãos e pelas irmãs.

Na prática da disciplina fraternal cabe uma responsabilidade especial ao presbitério da comunidade, ao pastor ou à pastora e aos que, além desses,
exercem uma tarefa específica.

Como é exercida a disciplina fraternal?

A correção mútua requer comunicação. Essa efetua-se das mais diversas formas de informação verbal e escrita. Nada mais eficiente, no entanto,
do que o contato pessoal e o diálogo entre as partes de opiniões divergentes.

Caso nossa conversação com a outra pessoa não resolver o conflito, solicitamos que o presbitério trate do assunto confidencialmente.

Caso também ali não se encontrar uma solução, devemos tratá-lo na assembleia da comunidade, a qual, em último caso, decide pela maioria, respeitada a ordem vigente.

Caso uma parte continuar na convicção de ter sido injustiçada em seu direito de membro ou na defesa de sua posição, pode recorrer à direção da Igreja.


Volte para índice de Nossa Fé - Nossa Vida
 


Âmbito: IECLB
Título da publicação: Nossa Fé - Nossa Vida Guia da vida comunitária na IECLB (8ª edição) / Editora: Editora Sinodal / Ano: 2011
Natureza do Texto: Documento consensuado
Perfil do Texto: Guia
ID: 12690
REDE DE RECURSOS
+
Muitos bens não nos consolam tanto quanto um coração alegre.
Martim Lutero
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br