Pois teu é o Reino, e o Poder e a Glória para sempre. Amém.

01/12/2012

Pois teu é o Reino, e o Poder e a Glória para sempre. Amém.

No Catecismo Menor Lutero leem as palavras: “Pois teu é o reino, e o poder, e a glória para sempre. Amém” como sendo a conclu- são de toda a oração do Pai Nosso. Na explicação, entretanto, ele apenas pergunta: “Que significa Amém?” E sua resposta é: “Devo estar certo de que estas petições são agradáveis ao Pai celeste e ouvidas por ele; pois ele mesmo nos ordenou orar desta maneira e prometeu atender-nos. Amém, Amém, isto significa: Sim, assim seja!” O Amém significa a firme fé de que isto que oramos é verdade, e não duvidamos. Esse crer na bondade de Deus, expresso nesta palavrinha Amém encontramos formulado de modo fundamental em toda a Teologia da Reforma, na certa promessa da graça e do perdão de Deus. Deus já se decidiu pela graça e a questão agora é crer nesta promessa.

Na Idade Média existe uma espécie de instrumentalização da culpa e do sentimento de culpa contra as pessoas, não objetivando o perdão, mas sim a dependência. Era uma espécie de economização da culpa.

Aqui o firme crer e não duvidar da certeza da graça de Deus e do seu perdão não permite mais a instrumentalização da culpa contra as pessoas, dominando suas consciências com medo da ira de Deus. Assim, do ponto de vista da teologia luterana, podemos dizer que existem dois tipos de pecados: um deles é não reconhecer o pecado de forma sincera, passando uma camada de ilusão sobre a realidade, nos desculpando – enfim, não reconhecendo nossa real responsabilidade e omissão. O outro pecado é duvidar da graça de Deus, desconfiar de Deus. Lutero diz que onde não há fé não é atribuída a glória a Deus, isto é, não é atribuída a Deus a verdade, de que ele é justo e misericordioso. Sem a fé, Deus “manda embora” de nós sua glória, sapiência, justiça, verdade e misericórdia. Com a fé Deus quer criar toda a sua glória não somente em si mesmo, mas em nós! (WA 401,360,20ss).

Justificados e justificadas por graça mediante a fé nos voltaram para servir por gratidão. Como o mundo ainda não vive conforme o reino, confiantes em Deus, cristãs e cristãs se engajam no mundo, juntamente com todas as pessoas de boa vontade, para que haja justiça e direito. Deus age também através da política para que o mundo não sucumba por causa das consequências sociais e ecológicas do pecado. Oramos “nosso” (e não “meu”), oramos para que o reino e a graça de Deus sejam também das outras pessoas. Deus espera em nossa oração a confissão e a verdade, e ele responde na verdade do seu amor. Amém.

P. Dr. Silfredo B. Dahlfert - Liechtenstein


Oração:

Pai amado! O Reino o Poder e a Glória já são teus desde a eternidade, e o serão para sempre. Carece de nós, teus filhos e filhas, e o mundo reconhecer isto através de palavras e ações. Dá-nos, ó Pai, que o reconheçamos e vivamos. Amém.


Voltar para índice Anuário Evangélico 2013
 


Autor(a): Silfredo B. Dalferth
Âmbito: IECLB
Título da publicação: Anuário Evangélico - 2013 / Editora: Editora Otto Kuhr / Ano: 2012
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Meditação
ID: 32355
REDE DE RECURSOS
+
Quando Deus parece estar mais distante, mais perto de nós Ele se encontra.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br