Uma vida, uma paixão - Irmã Anita Guenther

15/10/2015

Com a vida dedicada a fazer o bem, Schwester Anita é uma mulher que fez história na cidade / Foto: Tatiane Hansen/JP
Schwester Anita, atualmente, com 92 anos / Foto: Tatiane Hansen/JP
Momento de ternura da Irmã Anita Guenther, primeira ponderodense a formar-se diaconisa. Assumiu direção do Hospital em 30 de outubro de 1967 / Foto: Tatiane Hansen/JP
1 | 1
Ampliar

Duas histórias se confundem quando citamos o nome de Anita Guenther e do Hospital e Maternidade Rio do Testo. Afinal, uma vida iniciou a outra.

Foi há 92 anos, mais especificamente, no dia 08 de julho de 1920, que tudo começou. Anita Guenther, hoje conhecida como Schwester Anita, nasceu das mãos de Rosa Borck. Local onde, atualmente, encontra-se a estrutura do HMRT. Com seu nascimento, deu-se início ao hospital através da carreira de Rosa, que durou por muitos anos.

Ao longo dos anos, a parteira continuou seus trabalhos, auxiliando várias crianças que nasciam na cidade, dando os primeiros passos para fundação oficial do Hospital. Já Anita, iniciou deus atividades como voluntaria no HSC, em Blumenau, quando tinha 22 anos.

A decisão não era a mesma que seus pais desejavam, mas ela viu que se sentia feliz e realizada ali.

Passou, em 1994, pela Casa Matriz de Irmandade da Diaconisas de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. No início éramos em quatro moças e recebemos nosso traje no mesmo mês em que começamos a ter aulas diversas desde o estudo bíblico, ética profissional e enfermagem. Adorávamos onde estávamos

Após esse período, por ter noções de enfermagem, foi transferida diversas vezes para auxiliar comunidades gaúchas. Em todos os locais que trabalhou Anita não conseguia separa o lado profissional do sentimental. Ela conta que em cada despedida seu coração sofria como se fosse a primeira vez.

Voltar para a cidade de Pomerode foi, primeiramente, inesperado, depois, incentivado pelo Pastor Liesenberg enviou uma carta solicitando que ela retornasse urgentemente para o município para assumir a diretoria do Hospital.

Nesta época, a instituição enfrentava problemas administrativos que resultaram em divergências entre diretoria, Pastor e Irmãs.

Nesta ocasião, as irmãs Frieda Klaus e Ilse Krieck abandonaram o lugar e, Anita pensou bem antes de voltar. Fiquei na dúvida, pois sabia que a Casa Matriz jamais permitiria que outra irmã fosse enviada para o lugar onde outras duas tiveram problemas. Eu me senti chamada a ajudar o hospital da minha terra natal. Pedi a direção da Casa Matriz para me liberar e recebi um ‘não como resposta.

Mas a resposta contrária dada pela direção da Casa, não foi suficiente para que Schwester Anita não ouvisse seu coração. No entanto, segundo ela, tirar o hábito e sair da Casa foram grandes obstáculos que teve que superar. Pedi a Deus que me desse um sinal de que estava no caminho certo.

Nesse momento, a enfermeira Sélia Gruhle disse que se ela voltasse a Pomerode, a mesma iria junto. Foi a resposta que Deus me deu. Foi uma decisão difícil mas as vezes nos deparamos com situações em nossa vida que temos que fazer escolhas.

O retorno à cidade natal aconteceu em 30 de outubro de 1967, 47 anos após seu nascimento no mesmo local. Na época, o hospital era pequeno e contava com poucos recursos. A luta era diária, mas Anita e Sélia a enfrentaram a fim de melhor atender os pacientes.

Uma grande conquista foi a construção do Centro Cirúrgico, da Pediatria, do prédio onde se encontra o aparelho de Raio X e de um Salão Comunitário. Além de ser administradora do Hospital, Schwester Anita tinha várias outras atribuições, era presidente do grupo da OASE, orientadora paroquial de seis grupos, conselheira da Fundação Cultural, conselheira da diretoria da Comunidade Evangélica, fundadora e orientadora do Grupo Folclórico Pomerano, entre outras tarefas.

No dia 08 de julho, Anita Guenther completa 93 anos e, com eles, carrega toda a história de uma instituição que iniciou como ela, pequena, mas fundamental. Atualmente, já desligada de suas funções administrativas de enfermagem, ela reside no próprio hospital. No entanto, não estar mais praticando suas funções não significa que ela esteja parada. Eu ainda participo do Grupo da OASE, cultos, comunidade e também dou assistência para os doentes, revela.

Sendo uma de suas paixões, o último parto em que esteve presente ocorreu no ano passado, quando acompanhou o parto da sobrinha. Anita foi uma das grandes incentivadoras do crescimento da instituição, assim como do nascimento de diversos bebês no município.

Fonte: Jornal Pomerode (12/03/2013)
 

COMUNICAÇÃO
+
ECUMENE
+
Devemos orar com tanto vigor como se tudo dependesse de Deus e trabalhar com tanta dedicação como se tudo dependesse de nosso esforço.
Martim Lutero
© Copyright 2022 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br