Campanha Em comunhão com as viDas das mulheres


História de vida de Maria Cristina Bergmann Guilherme

22/01/2015

Nome: Maria Cristina Bergmann Guilherme

Tempo de participação na IECLB: Desde o Batismo

Comunidade: Rio Claro

Paróquia: Rio Claro

Sínodo: Sudeste

Maria Cristina Bergmann Guilherme tem 58 anos e faz parte da Igreja Evangélica de Confissão Luterana na comunidade de Rio Claro/SP, Paróquia de Rio Claro, no Sínodo Sudeste. Ela nasceu, foi batizada e passou toda a sua infância nesta comunidade. Participou do Culto Infantil, Ensino Confirmatório, fez a onfirmação e começou a participar da Juventude. Atuou também como orientadora de Culto Infantil e assessorou vários cursos para a formação de novos orientadores e  ovas orientadoras.

Conheceu seu marido no grupo de Juventude da comunidade. Maria Cristina é casada há 34 anos e afirma que o sucesso de seu casamento se deve ao fortalecimento e ao convívio que encontra na comunidade. Ela considera a comunidade muito importante e sente-se motivada a participar das diversas programações que a igreja oferece. Sendo mulher, considera seu papel ainda mais importante e motiva outras mulheres a sentirem-se empoderadas para assumir papéis de liderança na comunidade.

Atualmente Maria Cristina integra a coordenação do Fórum de Reflexão da Mulher Luterana, é presidente da Paróquia de Rio Claro e também da União Paroquial de Campinas. Segundo ela, sempre se sentiu capacitada a assumir as responsabilidades e amparada pela comunidade; nela encontra pessoas comprometidas e amigas, que a ajudam a suportar as cargas quando elas se tornam pesadas demais.

Maria Cristina diz: “A igreja proporcionou campos que me capacitaram para ser uma liderança, me deu oportunidade de estudar e aprender. Agora eu também quero ensinar.”

O que a deixa triste é perceber que o tempo de comunhão e convivência entre as pessoas da comunidade se reduz cada vez mais. As programações são cada vez mais curtas devido às agendas lotadas das pessoas. Ela diz que gostaria de resgatar o tempo de comunhão entre as pessoas. Gostaria que as pessoas priorizassem a igreja e a comunidade.

Maria Cristina acredita que sua maior contribuição é o cuidado e o carinho que tem com as pessoas e diz que suas atitudes são sempre pensadas para o bem de todos e todas. Às vezes ela se sente muito cobrada, mas se considera batalhadora quando se trata de defender as causas das pessoas, principalmente das mulheres. Seu desejo é que todas as pessoas conheçam Jesus Cristo e trabalhem igualmente pela sua Missão aqui na Terra, com direitos iguais e espaços igualmente reconhecidos, independentemente de raça ou gênero.

Às vezes se entristece por perceber que muitas mulheres se conformam em estar sempre nos “bastidores” e não têm coragem de assumir cargos de liderança por acharem que isso é coisa só de homem. Ela se considera protagonista e diz que sua luta é pela causa e não por reconhecimento próprio.

Maria Cristina reconhece que foi através de Fórum de Mulheres que ela clareou suas percepções sobre a desigualdade que existe entre homens e mulheres. Segundo ela, sempre recebeu apoio do marido e de toda a família e também da igreja para não desistir da luta. Ela diz saber que há muita coisa a ser feita e que vai continuar na luta para ajudar muitas mulheres a se libertarem também.

Ela relata como um momento muito marcante em sua caminhada de comunidade o seu primeiro mandato como presidente da comunidade, e também os eventos organizados com as mulheres da OASE e outras lideranças que ela assumiu. Lembra ainda com carinho da época em que participava da Juventude e diz que a pessoa responsável por ela ser a mulher que é hoje na comunidade foi sua prima Ingart Ana Winkel (Gate), já falecida. Gate, como era conhecida, sempre incentivou e animou a ela e todas as outras pessoas jovens de sua época a participar do grupo. Ela era referência para a Juventude da época e fez a diferença na comunidade. Sempre foi um exemplo de fé e testemunho e rendeu muitos frutos para a comunidade.

Maria Cristina sente-se muito grata a Deus por tudo que tem recebido em sua vida, também por poder contribuir com a comunidade. Ela gostaria que todas as pessoas sentissem a alegria que é fazer parte de uma comunidade. Segundo ela, sente orgulho de ser uma mulher luterana.


Leia mais histórias de Em comunhão com as viDas das mulheres

Veja mais no site da Campanha Em Comunhão com as viDas das mulheres

Materiais da campanha


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

O seu poder é eterno e o seu Reino não terá fim.
Daniel 7.14
REDE DE RECURSOS
+
Eu anunciarei a tua fidelidade e te louvarei o dia inteiro.
Salmo 35.28
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br