IECLB e Dia Mundial de Oração - DMO



ID: 2706

Mateus 20.1-16

Dia Mundial de Oração 2017

12/05/2016

 

DIA MUNDIAL DE ORAÇÃO


Preparado pelo DMO das Filipinas


03 de março de 2017

 

Estou eu sendo injusto com você?

Estudo Bíblico 1

Mateus 20.1-16

O contexto social da história bíblica:

Os versículos foram escritos no contexto de uma economia baseada na agricultura. As terras são preparadas, as culturas são plantadas e cuidadas, e a comunidade vai esperar pelo tempo da colheita. Se chover o suficiente, as plantas vão crescer, prosperar e dar frutos. Por outro lado, a falta de cuidado, a presença de pragas e insetos, o mau tempo ou outros acidentes quer naturais, quer provocados pelo homem, irão expor as culturas e diminuir sua produção, ou, possivelmente, eliminar o cultivo.

Como o local é pedregoso e acidentado, o preparo do terreno e o cuidado das plantas pode ser um trabalho exaustivo. Além disso, as condições climáticas (calor, umidade ou frio) irão aumentar o desconforto dos trabalhadores (Mt 20:12).

O trabalho também depende das estações e é intenso. A colheita das culturas, tais como uvas, tem um cronograma rigoroso a fim de colher os frutos em sua plenitude e então estarão suculentos e doces. Quando chega a época da colheita, o dono da vinha começa a recrutar pessoas. Na verdade, os trabalhadores estão vagando no mercado à espera de uma oportunidade para trabalhar nas vinhas. Alguns deles já são antigos trabalhadores da vinha, no entanto, quando há uma boa colheita, são necessários mais trabalhadores. Assim, as pessoas aguardam no mercado, na esperança de que, naquele dia terão algum trabalho e ganharão alguma coisa para alimentar sua família. Os trabalhadores convocados para esse fim são contratados por um determinado período de tempo. Eles não são trabalhadores permanentes.

O lugar de recrutamento é, provavelmente, um local público, um mercado, ou um armazém. Aqueles que são conhecidos do dono da vinha provavelmente são chamados em suas casas ou através do boca a boca.

Similaridade com o contexto das Filipinas:

Em Negros Ocidental, nas Filipinas, onde a economia é impulsionada pela produção de açúcar, há trabalhadores que residem nas plantações. Eles recebem um lugar modesto para morarem com suas famílias. Nas estações em que não há colheita, eles capinam as ervas daninhas e fazem outros trabalhos para cuidar das plantações. Deste modo, eles são os primeiros a ser contratados durante a época da colheita. Uma característica muito marcante da contratação é a inclusão de mulheres e crianças. Às vezes, o bebê também é trazido para o campo, com um mínimo de sombra e de alimento.

Para o trabalho mais intenso de colheita, no entanto, onde há um limite de tempo para uma determinada produção, como a cana de açúcar ou o arroz, os trabalhadores são recrutados ou contratados por agentes que trazem um grande número de homens de outros lugares para fazer a colheita. Os trabalhadores têm de deixar suas famílias por alguns meses, desta forma eles geralmente pedem alguma parte do salário com antecedência, para cuidar das necessidades básicas da família. Esses valores são considerados empréstimos com juros. Pode-se imaginar que, após a época de colheita, os juros vão comer os seus salários restando muito pouco para levar para casa. Pode-se também inferir que o salário está muito abaixo dos padrões de uma vida decente. Só dá para alimentar uma ou duas pessoas no máximo. Levando em conta que o tamanho médio da família filipina é de seis pessoas, a renda de um trabalhador típico não é suficiente para a sua família. A injustiça econômica é evidente - o proprietário tem uma casa grande e comida suficiente na mesa, enquanto que as famílias dos trabalhadores vivem abaixo do padrão de uma vida digna.

A economia agrícola em ambos os contextos:

1. Alto desemprego em ambas as áreas urbana e rural - no momento atual, 12 milhões de filipinos estão desempregados, a maioria deles no setor agrícola;
2. Trabalho sazonal - em uma economia agrícola, há trabalho durante o plantio e no tempo de colheita. Em uma economia industrial, há trabalho quando há um aumento na demanda por bens e serviços, como a alta demanda por bens antes e durante a época Natal;
3. Trabalho contratual - diário, pakyaw, ou trabalho em um projeto por um período específico de tempo com um pagamento combinado, geralmente 5 meses para cada contrato, evitando a contratação permanente da pessoa.
4. Sem trabalho, sem pagamento – se não há trabalho nos fins de semana, consequentemente não há salários também. Não há pagamento em feriados/férias, dias de doença, ou ausências, e não há acesso a planos de saúde.
5. Em uma economia agrícola, um hectare de terra de arroz só pode produzir 24.000 pesos filipinos por ano.(aproximadamente R$150,00 por mês) A água é essencial para campos de arroz. O sistema de irrigação, chuva para a colheita, e os poços são essenciais para uma boa produção.

Dramatização do texto bíblico: Mateus 20: 1-16 (Nova Versão International)

Nota: Ao planejar a dramatização, peça aos participantes para internalizar o papel do proprietário e dos trabalhadores, aprofundando assim a compreensão das pessoas na narrativa;

Narrador: Porque o reino dos céus é semelhante a um proprietário de terras que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. Ele concordou em pagar-lhes um denário por dia e enviou-os para a sua vinha. Pelas nove horas da manhã ele saiu e viu outros que estavam no mercado sem fazer nada. Ele lhes disse:

Proprietário - Vão vocês também trabalhar na minha vinha, e eu pagarei o que for justo.

Narrador: E eles foram. O proprietário saiu de novo ao meio-dia e também cerca de três horas da tarde, e fez a mesma coisa. Por volta das cinco horas da tarde ele saiu e ainda encontrou outros que estavam ali no mercado, e lhes perguntou:

Proprietário: Por que vocês estão o dia todo aqui sem fazer nada?

Trabalhadores: Ninguém nos contratou.

Proprietário - Vão vocês também trabalhar na minha vinha.

Narrador - Quando a noite chegou, o dono da vinha disse ao seu capataz:

Proprietário - Chame os trabalhadores e pague-lhes o salário, começando com os últimos contratados e indo para os primeiros.

Narrador - Os trabalhadores que foram contratados por último, às cinco da tarde, vieram e cada um recebeu um denário. Então, aqueles que foram contratados primeiro pensaram que iam receber mais. Mas cada um deles também recebeu um denário.
Quando eles receberam o denário, começaram a resmungar contra o proprietário.

Trabalhadores (aqueles primeiros contratados) - Estes que foram contratados por último trabalharam apenas uma hora, e você lhes pagou o mesmo que a nós, que suportamos o peso do trabalho e o calor do dia.

Proprietário - Não estou sendo injusto com você, amigo. Você não concordou em trabalhar por um denário? Pegue o seu pagamento e vá embora. Eu quero dar ao que foi contratado por último o mesmo que eu dei a você. Não tenho o direito de fazer o que quero com o meu próprio dinheiro? Ou você está com inveja porque sou generoso?

Narrador - Assim os últimos serão primeiros, e os primeiros serão os últimos. Tempo de colheita é um tempo de abundância. É um momento de comemorar. É por isso que em muitas das nossas igrejas, nós celebramos ação de graças e trazemos ao altar os primeiros frutos do campo como uma oferenda.
Um trabalhador fica animado diante da perspectiva de trabalho. O trabalho não é apenas um meio para suprir as necessidades básicas da família, mas também uma contribuição para uma economia justa. Trabalho dignifica a pessoa e a comunidade, e deve ser uma fonte de igualdade social e de uma vida decente onde os direitos básicos são acessíveis. No entanto, na história da Bíblia, Jesus usou a generosidade do proprietário de pagar os trabalhadores da mesma forma, embora eles tenham trabalhado horas diferentes, como um gesto para entender como é reino dos céus. Por que os que não trabalharam a maior parte do dia, receberam a mesma quantia que os que trabalharam o dia todo? No texto, qual foi a necessidade da comunidade judaica, para Jesus contar uma história como essa? O que ela diz a nós hoje?

Exercício para conversa em grupos:

1. Jogo de Estátua para verificação da realidade:

• Divida os participantes em pequenos grupos para facilitar a conversa.

• Peça a cada grupo para criar um cenário baseado em uma situação de trabalho:
- um filho que trabalha no campo com os pais,
- trabalhadores que recebem pouco dinheiro por trabalho duro,
- mulheres que trabalham enquanto cuidam de uma criança ao seu lado ou as carregam nas suas costas.

• Dê cinco minutos para preparar e dramatizar a situação, então os líderes gritam:
- Estátua! (Todo mundo interrompe o que estava fazendo e mantém a posição.)

• Dê algum tempo para que os participantes observem cada cenário, e então incentive a troca de opiniões.

2 - Sugestão de perguntas para os grupos:

• Se você estivesse nessa situação, o que você faria?

Reflexões para conversa

Onde tudo começou: justiça econômica de Deus.

Deus, o Criador abasteceu a criação com os materiais (terra, mar, céu, chuva, sol, lua, ar) para viver uma vida produtiva. As provisões são para todos usufruírem. Ninguém é excluído. Deus deu para a humanidade vida, força, inteligência, emoções e discernimento para dar sentido e usar o presente de Deus ao máximo.
Na Bíblia, somos informados de que para cada tribo de Israel foi dado um pedaço de terra para a sua casa e sustento. A terra foi dada a todos. Ela não podia ser vendida. É por isso que havia um ano de jubileu, onde todas as terras deviam retornar ao destinatário original ou para a tribo de onde ela foi loteada. Ninguém possuía a terra.

Onde estamos agora: pakyaw? Em algum lugar ao longo do caminho, a situação mudou. Há aqueles que possuem grandes extensões de terra ou vinhas, enquanto outros se tornam trabalhadores efetivos ou contratados. Com efeito, o texto da Bíblia mostrou essa situação em uma sociedade agrícola. Nas Filipinas, situações como estas são muitas. Olhe para os grandes canaviais e bananais. Há muito trabalho durante o plantio e no tempo da colheita, mas depois, não. Anteriormente, o acordo de trabalho era que eles deveriam ser pagos sob uma base diária. Agora, os proprietários de terras engajaram os trabalhadores em pakyaw.

Pakyaw é um contrato entre o trabalhador e o proprietário para terminar um determinado trabalho dentro do tempo exigido, e os trabalhadores recebem como pagamento uma quantia fixa. O proprietário prefere este método porque o trabalhador é motivado a terminar o trabalho rapidamente e com um mínimo de supervisão. O trabalhador também prefere esse arranjo, porque ele pode programar suas horas de trabalho. No entanto, o trabalhador não tem o direito de posse permanente. O pagamento justo é um desafio.

A prática cultural filipina: dagyaw

Em uma comunidade onde muitas pessoas cultivam fazendas de arroz, os vizinhos são chamados para ajudar no plantio. O processo é chamado dagyaw, e é um trabalho intenso porque a plantação deve ficar pronta em um dia. Os vizinhos são só alimentados, e não pagos pelo plantio; no entanto, o arroz colhido é dividido entre aqueles que plantaram juntos. Esta prática continua até que todas as fazendas agrícolas são plantadas ou colhidas. Dagyaw é uma boa maneira de estruturar e manter uma comunidade, um ato efetivo de compaixão e cuidado de uns para com os outros.

Estou eu sendo injusto com você? O chamado de Deus para a justiça!

Um relatório recente da OXFAM em 2015 afirmou que 1% da população mundial detém 99% da riqueza do mundo. Nas Filipinas, 20% da população detém 80% da riqueza da nação. A fim de superar e gradualmente reduzir o fosso entre os que têm e os que não têm, devemos plantar as sementes da justiça, para que possamos todos compartilhar a colheita.
A Oxfam International é uma confederação de 17 organizações e mais de 3000 parceiros, que atua em mais de 100 países na busca de soluções para o problema da pobreza e da injustiça, através de campanhas, programas de desenvolvimento e ações emergenciais (Wikipédia).

1 - para conversa em grupo

Divida os participantes em pequenos grupos para facilitar a conversa.

• O tema da conversa é, como as igrejas e, especialmente as mulheres, podem plantar e cultivar a semente da justiça econômica, que inclui alimentos, educação e melhores condições de vida para todos.

• Cada grupo é convidado a apresentar uma nova ideia de plantar e cultivar a justiça econômica. Cada ideia deve ser escrita em um cartão.

• Convide alguns dos participantes para formar um painel de especialistas. Eles irão avaliar as ideias dos grupos de 1 a 10. As ideias com notas mais altas serão escolhidas e discutidas mais longamente para serem aplicadas.

2 – Informar-se, Orar e Atuar

• Aproveite as ideias discutidas para incentivar a comunidade local do DMO e as igrejas, para que apoiem e se envolvam na luta contínua por justiça para toda a criação de Deus.

Este material faz parte do culto de adoração e recurso educacional para a celebração. Para mais informações, por favor, contate:

World Day of Prayer International Committee (Comitê Internacional do Dia Mundial de Oração)
475 Riverside Drive Room 729.
New York, NY. 10115. EUA
admin@worlddayofprayer.net - http://worlddayofprayer.net
 


Âmbito: IECLB
Área: Ecumene / Organismo: Dia Mundial de Oração - DMO
Natureza do Texto: Educação
Perfil do Texto: Estudo Bíblico
ID: 37905
Fé e amor perfazem a natureza do cristão. A fé recebe, o amor dá. A fé leva a pessoa a Deus e o amor a aproxima das demais. Por meio da fé, ela aceita os benefícios de Deus. Por meio do amor, ela beneficia os seus semelhantes
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br