Paróquia da Paz

Sínodo Norte Catarinense



Rua Princesa Isabel , 438 - Centro
CEP 89201-270 - Joinville /SC - Brasil
Telefone(s): (47) 3903-1804 | (47) 8412-0267
paroquiadapaz@paroquiadapaz.com.br
ID: 208

História Paróquia da Paz - Joinville/SC

A planta da Igreja foi aprovada pelo governo imperial, que também contribuiu com déz contos de reis para sua construção.

A direção da Colônia Dona Francisca doou o terreno para a Igreja, casa pastoral e escola. O material de construção, granito e quartzo foi tirado em mutirão de uma pedreira aberta especialmente para esse fim, na Estrada dos Franceses.

A 20 de abril de 1857 foram iniciados os trabalhos sendo que em 18 de maio colocou-se a primeira pedra. No dia 1º de junho se realizou o ato solene da pedra fundamental. Entre os convidados estava o representante do presidente da Província (D. João José Coutinho), o engenheiro João de Souza Melo de Alvin, o qual se encontrava na Colônia para estudar a abertura de uma estrada militar até o planalto. Além deste estava presente o diretor da Colônia Leònce Aubé.

Eles fizeram discurso em português, mas o secretário da Colônia Ottokar Döerffel traduziu para o alemão. O Pastor Georg Hölzel fez a prédica do ato festivo. Um coral abrilhantou a festa. Depois do culto, o arquiteto Kröhne ( que pela direção da Colônia foi encarregado da construção da obra), apresentou martelo e pá de pedreiro sobre uma almofada e ofereceu ao Pastor pedindo benção, depois o Sr. Kröhne entregou essas ferramentos ao diretor da Colônia, o mesmo entregou ao Major Alvin, o qual novamente discursou em português e o secretário traduziu parao alemão. Ottokar Döerffel fez um documento sobre o evento o qual foi colocado dentro de uma cápsula de estanho, que depois de lacrada foi colocada na pedra fundamental (a cápsula foi aberta por um antigo membro da comunidade, Sr. Rudolf Neumann, ela continha doze documentos. No dia da inauguração da ampliação da igreja foram depositadas duas urnas, contendo os documentos antigos e atuais referentes ao evento do dia 12 de março de 1961).

A construção iniciou sem a torre, com a cobertura de telha, a qual para época era incomum, pois as construções eram cobertas com palha ou cobertura de madeira. O comprimento da igreja era de oitenta e oito pés de largura e quarenta e três pés de altura. O interior da igreja com um mezanino, altar e púlpito (local onde o(a) pastor (a) faz a prédica).

O forro seria sustentado por doze colunas, teria cinco janelas góticas e três portas. A igreja nem tinha sido inaugurada e já se pensava em ampliá-la;

Em 19 de dezembro de 1863, o pastor evangélico pediu ao presidente da Província mais verbas para a conclusão da obra. Cerca de setencentos mil réis foram arrecadados entre os membros da comunidade. A obra foi dirigida pelo mestre pedreiro Müller. As colunas, feitas da melhor madeira (canela), são uma obra do mestre artesão Sturm. Um harmônio (instrumento musical) foi doado pelo Sr. Mohrmann.

A inauguração foi em 7 de agosto de 1864, para a festa reuniram-se cerca de quinhentas pessoas. A sociedade suíça de cantores colaborou no culto festivo. Por essa época, a população da Colônia Dona Francisca era de quatro mil cento e vinte habitantes, destes, três mil trezentos e setenta e quatro eram evangélicos.

Em 1868 o pastor Hözel dirigiu um ofício a Associação Gustavo Adolfo na Alemanha, pedindo verbas para a compra de sinos, repetiu o pedido mais duas vezes, mas não foi atendido.

A proclamação da República em 1889, deu liberdade religiosa aos evangélicos, pois na época do império o Brasil tinha o catolicismo como religião oficial, assim, templos de outras religiões não deveriam ter aparência de igreja (torres ou sinos).

Surgiu entre os membros da comunidade o desejo de acrescentar à casa de oração uma torre com sinos. Foi formada em 1890 uma comissão pelos srs. Ottokar Döerffel, Arnald Grossembacher, Otto Pfützenreuter, Karl Grünsch, Theodor Lauer e Louis Wetzel. O interior da igreja foi enriquecido por um batistério (pia batismal), que foi doado por Hugo Delitsch. Um crucifixo para o altar foi doado pela família Fissmer. Uma bíblia grande e um cálice de prata foram doados pelos herdeiros do professor Burklardt Jezler.

Um raio atingiu duas vezes a igreja, surgiu então a ideia de se colocar um pára-raios. Em 19 de setembro de 1892 a torre estava quase pronta, faltando somente o telhado, foi feita uma confraternização pela comissão da construção, ocasião em que Ottokar Döerffel fez poesias sobre a torre. A altura da torre era de vinte e sete metros. a comissão que cuidou do sino também foi responsável pela torre. Em 18 de dezembro de 1892 foi inaugurada a torre com os sinos. Foi uma festa, onde o coral (sobre direção da Sra. Pauline Parucker), fez sua primeira apresentação oficial.

Em 1901 surgiu a ideia de colocar um relógio na torre, para isso, o telhado da torre precisava de uma nova estrutura. O relógio foi adquirido na fábrica Weule Bockeneme Ag Harz da Alemanha. Em 1959 foi discutida mais uma ampliação da igreja e a colocação dos vitrais. A reinaguração da ampliação e dos vitrais deu-se no dia 12 de março de 1961.


(Pesquisa elaborada com o auxílio do Pastor Leonhard Friedrich Creutzberg que traduziu para o português, vários documentos do Arquivo Histórico da Comunidade Evangélica de Joinville – a primeira tradução foi feita por Dorothea Bübler)
 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Ninguém pode louvar a Deus a não ser que o ame.
Martim Lutero
EDUCAÇÃO CRISTÃ CONTÍNUA
+

REDE DE RECURSOS
+
Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.
Mateus 5.9
© Copyright 2022 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br