Jornal Evangélico Luterano

Ano 2016 | número 793

Segunda-feira, 27 de Setembro de 2021

Porto Alegre / RS - 10:23

Comportamento

O culto na missão da Igreja

  Em obediência ao mandamento do Senhor, a IECLB assume como sua missão: propagar o Evangelho de Jesus Cristo; estimular a vivência evangélica pessoal, familiar e comunitária; promover a paz, a justiça e o amor na sociedade; participar do testemunho do Evangelho no País e no mundo (Constituição da IECLB).

   De que maneira esta missão se relaciona com o culto da Comunidade? 

   Por intermédio do Evangelho de Jesus Cristo, no poder do Espírito Santo, Deus se aproxima e chama as pessoas à vida e à salvação, transformando-as, por meio do Batismo, em Comunidade. Diante desse Deus, que chama e congrega, a Comunidade se apresenta para o culto, aceitando a sua vocação de ‘povo eleito’, ‘corpo de Cristo’ que vive sob a Palavra e a orientação do Evangelho.

   A reunião da Comunidade em culto é obra do Espírito Santo, como aprendemos de Lutero na explicação do 3º Artigo: O Espírito Santo cria, chama e congrega a Igreja cristã. Ao reunir as pessoas, ao formar Comunidade, o Espírito Santo coloca a Igreja no caminho da contracultura, especialmente porque vivemos em um contexto de cultura pós-moderna caracterizada não pela reunião, não pela congregação, não pelo comunitário, mas pela fragmentação e pela individualização. 

   Esse sistema de fragmentação, ao mesmo tempo em que leva as pessoas a se acomodarem no seu próprio mundo, em busca da satisfação dos próprios desejos, gera inquietação, medo, angústia, fragilidade, insegurança, depressão, relações superficiais e sentimento de não pertencimento.

   Nesta situação, a Igreja é chamada a assumir a sua missão de propagar o Evangelho de Jesus Cristo, estimulando a vivência evangélica pessoal, familiar e comunitária, promovendo a paz, a justiça e o amor na sociedade e participando do testemunho do Evangelho no País e no mundo. 

   Sendo o culto um espaço de resistência ao que impera no mundo, onde cada qual vive, como indivíduo, em busca daquilo que lhe interessa, a missão da Igreja, por incumbência de Deus, é zelar pelo culto, evento a partir do qual se edifi ca Comunidade, o corpo comunitário.

Como pessoas batizadas que formam a Igreja, somos vigias de Deus, seus sacerdotes e suas sacerdotisas, que cuidam para que a visão de corpo, que é a marca registrada da Igreja de Cristo (cf 1Co 12), seja fortalecida no culto.

   A função da liturgia no culto

   A liturgia do culto, herdada desde o nascimento da Igreja cristã, possui uma admirável estrutura que ajuda a Igreja a preservar aquilo que é central para a sua vida e missão. Para manter os princípios do culto evangélico, a estrutura litúrgica se baseia na pregação da Palavra e na administração dos Sacramentos, meios da graça divina. Além disso, ela preserva aqueles elementos que ajudam a Comunidade a responder à ação de Deus e a apresentar os seus anseios, como, por exemplo:

   O badalar dos sinos, no início do culto, é um sinal do chamado de Deus para que as pessoas se congreguem, saiam de si mesmas, superem a fragmentação, o isolamento e busquem a comunhão.  

   A acolhida inicial é um abraço de Deus, que aceita as pessoas sem impor condições.

   A confissão de pecados como parte do culto cristão tem grande valor no contexto de mundo fragmentado a que já nos referimos. Ainda que crentes, somos parte do mundo caído, mas, como pessoas batizadas, damos um testemunho de fé, quando reconhecemos que o afogar e o ressurgir do velho ser humano é um processo diário, é vivência do nosso Batismo, é busca por uma convivência solidária. 

   Na sua Palavra, seja na forma da pregação, seja na comunhão de mesa da Ceia do Senhor, Deus mostra-nos todo o seu amor, oferecendo, na graça, vida e salvação para todas as pessoas, contrariando, desta forma, as relações humanas baseadas na meritocracia.

   Nas orações de graças e intercessão, lembramos não só das nossas próprias necessidades, mas oramos pelo mundo, intercedemos pelas autoridades civis e religiosas e incluímos as necessidades de quem sofre, de longe e de perto. Pela oração, unimos forças em um mundo dividido e de exclusão.

   A Bênção, na despedida, é o grande sinal de que não vivemos no dia a dia, a sós, na fragmentaridade. Com ela, Deus diz que nos acompanha e nos enche de poder e força para enfrentar a vida diária. O Envio, no final do culto, é dirigido à Comunidade. Saímos do culto como Comunidade comprometida com o testemunho da missão de Deus no mundo: vão e sirvam!

Livros litúrgicos: instrumentos de missão

   A Igreja cristã tem na liturgia não só as marcas da sua identidade, como também possui nela um rico instrumento de unidade. Nenhuma Igreja cristã forja a sua liturgia. Liturgia é herança e confessionalidade, mas as suas raízes são bíblicas, a sua centralidade vem do Evangelho e os seus sinais são promessa e mandatos do Senhor da Igreja: Ide,... batizai,... ensinai... (Mt 28.18s); ...Isto é o meu corpo ...; fazei isto em memória de mim ...(1Co11.24); ...porque onde dois ou três estiverem reunidos..., ali estou... (Mt 18.20).

Nenhuma Igreja cristã forja a sua liturgia

   Pessoas unidas pela mesma fé sabem expressar, em conjunto, a adoração e o louvor a Deus, sabem orar em conjunto, cantar em conjunto, fazer gestos articulados em conjunto e fazem uso dos símbolos que representam essa mesma fé. Conhecer bem a liturgia da Igreja e saber usá-la com responsabilidade e conhecimento teológico são sinais do compromisso eclesial que visa à unidade e à paixão pela Missão de Deus.

   Como compromisso com esta tarefa missionária, a IECLB se empenha pela formação litúrgica. Esta é importante não só nos Centros de Formação Teológica como também em nível comunitário. Neste contexto, livros e manuais litúrgicos são instrumentos imprescindíveis para a edificação comunitária e eclesial.

   Em atendimento a este compromisso, a IECLB tem dedicado atenção ao suprimento de materiais litúrgicos. Desde a década de 1980, o assunto é trabalhado pela Comissão de Liturgia (COLI), criada em 1982, chegando às pautas dos Concílios. Como resultado, chegamos às seguintes publicações: Livro de Culto (2003), Lecionário comum Revisado (2007), Livro de Batismo (2008), Manual de Bênção Matrimonial (2009), Manual para o Funeral Cristão (2010), Manual de Ordenação e Instalação (2011) Manual de Dedicação (2011).

   Ao lado dos hinários e dos catecismos e tendo como centralidade a Bíblia como livro da fé, os livros litúrgicos são ferramentas da Igreja na vivência e no testemunho da sua missão.  

   Cat. Dra. Erli Mansk, graduada em Teologia, com ênfase no Pastorado e em Educação Cristã, com Mestrado Profissionalizante em Liturgia e Doutorado em Teologia Prática (A ritualização das passagens da vida: desafi os para a prática litúrgica da Igreja), todos pela Faculdades EST, em São Leopoldo/RS, é Coordenadora de Liturgia da IECLB

 

 

 

 

 

 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Continuem a crescer na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
2 Pedro 3.18
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br