Jornal Evangélico Luterano

Ano 2020 | número 844

Domingo, 25 de Julho de 2021

Porto Alegre / RS - 00:31

Estudos Bíblicos

Preparação para o novo (Partilha, justiça, amor e transformação)

Dezembro nos lembra que Advento e fim de ano andam juntos e ambos se apresentam como tempo de preparação ao novo: Natal e Ano Novo. Seria o Lema desse Mês uma proposta sobre como nos prepararmos para o Natal? Seria um desafio de estilo de vida para o novo ano que se aproxima? Seria um convite sobre a forma de nos prepararmos para a segunda e derradeira vinda de Cristo (assunto também refletido neste período do ano)? As perguntas fazem pensar.

Esse mesmo texto é também sugerido como leitura da Quarta-feira de Cinzas, início da Quaresma, outro período de espera e preparação ao novo: a Páscoa. Então, é sempre nesse contexto de jejum e preparação para o novo que o nosso texto se faz presente. Interessante!

Tendo esse pano de fundo, convidamos a nos aprofundar nas entrelinhas deste texto, a partir de suas quatro Ordens de Misericórdia:

1) Repartam a comida com os famintos - A Torá (que são os cinco primeiros livros da Bíblia) não aborda diretamente a questão do jejum por simples jejum. Ela fala sobre o ‘Dia da Expiação’, Yom Kippur, que era um dia para ‘curvar a vida’, fazer penitência e arrepender-se dos pecados, pedir perdão por eles e, então, jejuar (Lv 16.29,31; 23.14,27,32; Nm 29.7). Se alguém quisesse curvar a sua vida/jejuar (vs.3,5), que o fizesse em direção aos que sofrem e não apenas em benefício próprio. De nada adiantaria jejuar sem partilhar a comida com quem tem fome, rasgar as vestes sem reparti-las com quem não as têm ou, ainda, pedir perdão sem ofertá-lo adiante. O jejum que agrada a Deus será aquele que promove partilha, justiça, amor e transformação.

2) Recebam em casa os pobres desabrigados - Por que faltam casa e terra a alguém se a terra é de Deus, Pai de todos nós, que não quer ver nenhum dos seus filhos e das suas filhas desabrigados? Muitas pessoas se encontram nessas condições por diversas desventuras da vida, pela má distribuição entre semelhantes, pela ganância de pessoas que esqueceram a vontade do Criador. O povo de Deus soube na própria pele o que é ficar sem terra, casa, pátria e ser escravizado. Mesmo assim, às vezes, era necessário que o profeta os relembrasse da tarefa do acolhimento.

3) Deem roupas aos que não têm - Aqui se trata de socorro, vestimenta e proteção. Quando um pobre, uma viúva, um órfão ou um estrangeiro se endividava, o último objeto de penhora era o seu manto. A lei ordenava que o manto penhorado lhe fosse devolvido antes do pôr do sol, para protegê-lo do frio (Ex 22.25-26). A crítica vai a quem não enxergava as pessoas desprotegidas e despidas à sua volta. O jejum que agrada a Deus faz olhar adiante e ver a realidade.

4) Nunca deixem de socorrer os seus parentes - A tradução mais adequada para a palavra ‘parentes’, seria ‘sua carne’. Carne pode significar o ser humano ou o povo em geral (Is 40.5; 49.26; 66.16). Todos os seres humanos, mesmo com as suas diferenças, são feitos da mesma matéria. No jejum que agrada a Deus, toda pessoa em necessidade deve ser reconhecida como um ‘parente’ da mesma matéria, feito pelas mãos do mesmo Criador.

Por não praticarem mais o que foi resumido nos quatro pontos acima, tal jejum apenas buscava compensar a prática da partilha que não mais acontecia, do amor que não mais ocorria, da justiça que fora esquecida e da misericórdia que não mais existia. Esse jejum até podia impressionar algumas pessoas, mas não agradava a Deus.

Daí vem o Lema do Mês nos dizer: O jejum que me agrada é que vocês... É assim que somos chamados e chamadas a nos preparar ao novo que está por vir, no Advento, no novo ano, na Quaresma e na vida.

Para encerrar a reflexão, quero dizer que o povo ao qual o profeta fala tinha voltado do exílio e estava recomeçando como povo, nação, Comunidade, Igreja. Será, então, que Isaías quer nos orientar sobre como também nós podemos recomeçar agora?

Colaborou a Teól. Dra. Stéfani Niewöhner

P. Me. Fernando José Matias* | Ministro na Paróquia Barranco, em São Lourenço do Sul/RS 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Deus não se afasta de ninguém, pois está em toda a parte.
Martim Lutero
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br