Jornal Evangélico Luterano

Ano 2019 | número 827

Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Porto Alegre / RS - 05:07

Perspectiva - Profa. DRA. Ema Marta Cintra

Na sociedade atual, seguir o Evangelho seria uma afronta!

Se observarmos o que correu com a humanidade a partir das últimas três décadas do século passado, percebe-se que houve uma mudança da subjetividade-identidade humana, pois o verdadeiro eu passou a ser o corpo. As casas e os espaços públicos ficaram e estão repletos de espelhos (antigamente, não era assim). Isso faz com que a pessoa se autoqualifique como alguém que tenha valor à proporção que satisfaça às carências ligadas ao corpo.

Ora, se o nosso corpo é a satisfação pessoal, a academia e os espaços em que posso ‘aprimorá-lo’ serão cultuados. Não é por acaso que temos tantas pessoas com sérios problemas de aceitação, porque não têm o corpo que a mídia propagou como sendo o ideal, o correto, o aceitável. Não é raro ouvir diálogos em que a pauta é sobre academia, suplementos alimentares, enfim... e isso tudo tem um custo financeiro.

Se se é corpo, na educação o que se preconiza é o treinamento, o adestramento. Assim, o, a Docente seria aquele, aquela que desenvolveria técnicas e habilidades (que melhor se adaptam à ideia do sujeito como corpo) em seus estudantes. Isso é bastante perceptível também no discurso empresarial e comercial, porque já não se fala mais em formação para o pessoal, mas, sim, que se fará um treinamento para o seu ‘corpo de colaboradores e colaboradoras’. As palavras não surgem no vazio. Elas estão carregadas dos sentidos que o contexto e a situação lhe condicionam.

A criança também será vista como um corpo que consome e a construção da sua identidade está dependente do ato de consumir. Não é de se admirar a quantia de propagandas em que elas são personagens. A sua formação integral como alguém que tem sentimentos, que tem vida além do consumo, que vive em um contexto social, que precisa se perceber como alguém a partir do que ela é não são importantes. Nessa perspectiva, imagine o que significa quando não tem como possuir aquilo que daria satisfação para seu corpo e pela qual a sua identidade seria construída perante a sociedade.

Diante de tudo isso, seguir o Evangelho seria uma afronta! Se sou o que consumo, se sou o corpo perfeito, como posso amar e ver aqueles e aquelas que não estão nesse conjunto estabelecido? Como olhar as pessoas desfavorecidas economicamente?

Ora, se elas não consomem, não fazem parte das que merecem o nosso apreço. Não raro, reproduzimos discursos, inclusive, de quais políticas públicas seriam para essa ou aquela determinada classe social, como se ‘as pessoas escolhidas’ tivessem mais direitos, e continuamos assim, enganando-nos sobre o que seria essencial nas nossas vidas, afrontando o Evangelho. 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
O Senhor renova as minhas forças e me guia por caminhos certos, como Ele mesmo prometeu.
Salmo 23.3
© Copyright 2022 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br