Jornal Evangélico Luterano

Ano 2016 | número 801

Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

Porto Alegre / RS - 09:03

Unidade

Lutero - Reforma: 500 anos

   O que queres para a sua vida e para a vida dos seus filhos e das suas filhas? 

   Muitas vezes, nos perguntam isso e sempre respondemos que queremos ‘o melhor’. Na busca pelo que é melhor, procuramos caminhos que nos ajudem a progredir, alcançar felicidade e bem-estar. Isso inclui emprego bom, renda boa, moradia digna, saúde, fé, lazer e diversão.

   Até aqui, não há problema nenhum, mas e quando o ‘melhor’ que buscamos nos faz optar por caminhos do mal e não do bem? Vemos isso com frequência, quando não se medem atitudes nem palavras, que ferem outras pessoas, para satisfazer interesses pessoais. Em busca da autopromoção, da fama e do sucesso, pessoas terminam derrubando os seus concorrentes com fraudes e tramas diabólicas. 

   Viver bem é o mais importante. Uma vida plena e abundante faz parte da promessa de Deus para todo o tempo e toda a gente. Neste contexto: Como é possível estar bem quando, à nossa volta, enxergamos miséria, destruição e injustiças provocadas pelo egoísmo de algumas pessoas? Como ser feliz diante da dor e do sofrimento de tantas pessoas que não conseguem alcançar condições mínimas para uma vida digna?

   Em meio à busca pela vida tranquila e feliz, torna-se necessário distinguir com clareza o que é prioritário para a vida. Cabe-nos avaliar, à luz do Evangelho, do que realmente necessitamos para viver bem e com dignidade. Pensando nisto, a IECLB propôs para 2016 o Tema Pela graça de Deus, livres para cuidar e o Lema bíblico Buscai o bem e não o mal (Am 5.14a). Somos, assim, chamadas e chamados a refletir sobre a ética e a vivência da fé.

   O Tema traz à tona a reflexão sobre o uso da liberdade, palavra de grande impacto em nossos dias. Somos livres, mas para quê? Pela graça de Deus, somos livres para cuidar. A graça, que manifesta o amor de Deus, nos impulsiona ao exercício da liberdade comprometida com a vida, recheada de compromisso ético e moral. 

   Desde a época do profeta Amós (760 AC) até os dias de hoje, as pessoas anseiam e buscam por uma vida melhor. Atrelado a essa busca tem caminhado o desenvolvimento econômico e  tecnológico, o qual, lamentavelmente, ainda não foi capaz de produzir uma sociedade mais justa, segura e digna para todas as pessoas. Por esse motivo, a voz profética, que denuncia os acordos fraudulentos, que enriquecem e beneficiam poucas pessoas à custa do sofrimento de outras, não pode calar.

Viver bem é o mais importante. Uma vida plena e abundante faz parte da promessa de Deus para todo o tempo e toda a gente. Neste contexto: Como é possível estar bem quando, à nossa volta, enxergamos miséria, destruição e injustiças provocadas pelo  egoísmo de algumas pessoas? Como ser feliz diante da dor e do sofrimento de tantas pessoas que não conseguem alcançar condições mínimas para uma vida digna?

   A liberdade que Deus dá consiste em ações coerentes com os princípios éticos da fé cristã. Estes são resumidos no duplo Mandamento do amor: amar a Deus acima de todas as coisas e amar ao próximo como a si mesmo (Mt 22.37-39). Esse amor, segundo o apóstolo Paulo, não maltrata, não procura os seus interesses, não se alegra com a injustiça, mas com a verdade (1Co 13.5-6). 

   A liberdade dada por Deus amplia o nosso olhar de cuidado para além de interesses pessoais, em vista do cuidado e do benquerer de todas as pessoas e da Criação. Lógico, não podemos ser negligentes na providência de bens materiais, necessários para a nossa vida e subsistência. É preciso trabalhar, economizar, planejar. O Evangelho não nos proíbe nada. No entanto, ele nos motiva a cuidar para que essa liberdade não nos torne escravos e escravas de nada nem de ninguém, tampouco nos leve a fazer coisas que não edificam.

   Deus, pela sua graça, nos dá a oportunidade de escolher amar, obedecer e ficar perto dele. Quando erramos, reflexão, arrependimento e perdão são, por vezes, necessários para iniciar uma mudança. O Evangelho vem ao nosso encontro para orientar as nossas decisões e nos ajudar a fazer escolhas que promovam a vida, a justiça e a paz.

   Nessa busca por uma vida mais digna e justa, o nosso compromisso é com aquele que nos chamou para exercer a liberdade na preservação de toda e qualquer forma de vida ao nosso redor.

   Essa vida que foi posta ao nosso redor, foi criada e pensada com muito cuidado. Lemos em Gênesis sobre a boa obra da Criação de Deus: E viu Deus que isso era bom!

   Deus olha a obra das suas mãos, em vários pontos do processo da Criação, e declara que o que Ele criou é bom. Ao fim dos seis dias da Criação do mundo, o livro de Gênesis constata: Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom (Gn 1.31a). Quem constata isso é Deus. Não somos nós!

   Quando Deus separou a porção seca das águas, Deus viu que era bom (Gn 1.10). Quando a terra produziu ervas e arvores frutíferas, Deus viu que era bom (Gn 1.12). Quando foi feita a separação entre luz e trevas, viu Deus que era bom (1.18). Quando os animais marinhos e os que voam foram criados, viu Deus que era bom (Gn 1.21). Quando os animais terrestres foram criados, viu Deus que era bom (Gn 1.25). Quando finalmente criou homem e mulher e contemplou toda a Criação, viu Deus que era muito bom (Gn 1.31).

   A Escritura Sagrada nos ensina que a Criação de Deus é boa, pois ela foi feita e esculpida pelo perfeito Criador. A Criação é um grande reflexo da magnitude e sabedoria de Deus. A razão para lermos sobre a constante afirmação que Deus viu ser bom o que fazia demonstra que Ele se preocupou e se ocupou em toda a sua Criação, vendo nela as características do seu perfeito querer.

   Veio, todavia, o pecado e este manchou a Criação de Deus - homens e mulheres, agora, carregam a semente da corrupção e a natureza geme em dores de parto, aguardando a redenção (Rm 8.22), mas isso não significa que as coisas deixaram de ter a sua beleza, mas, sim, que, por causa do desvio da humanidade diante de Deus, ela tem dificuldade para enxergar a verdadeira beleza; seu senso de ‘belo’ e ‘feio’ foi terrivelmente pervertido, pois, ao comer da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gn 3.6), o ser humano percebeu que, conquanto fosse perfeito, a sua perfeição não era tal como a de Deus, a ponto de que ele pudesse lidar com o mal sem com ele se enredar. Quis ser como Deus e incorreu na condenação.

   Martim Lutero, no estudo de Gênesis 1, observa: ‘Muitas coisas que, quando vistas por Deus, são muito boas, quando vistas por nós, são péssimas. Assim, as aflições, os males, os erros, o inferno e até todas as melhores obras de Deus são péssimas e condenáveis perante o mundo. Que é melhor que Cristo e o Evangelho? E que é mais execrado pelo mundo? Por conseguinte, só Deus e aqueles que veem com os olhos de Deus – isto é, os que possuem o Espírito – sabem de que maneira é bom diante de Deus aquilo que para nós é mau’.

   Deus, pela sua graça, nos dá a oportunidade de escolher amar, obedecer e ficar perto dele. Quando erramos, reflexão, arrependimento e perdão são, por vezes, necessários para iniciar uma mudança. O Evangelho vem ao nosso encontro para orientar as nossas decisões e nos ajudar a fazer escolhas que promovam a vida, a justiça e a paz. 

   Quando Deus criou o mundo e tudo o que nele existe, Ele o fez ‘com as melhores das intenções’. Fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Em termos bem simples, ter a ‘imagem’ e a ‘semelhança’ de Deus significa que fomos feitos para parecermos com Deus

   O bem que eu quero fazer esse não faço... O Apostolo Paulo faz uma constatação que nos incomoda. Ele diz: Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço. Se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz e sim o pecado que habita em mim. Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim (Rom 7.19-21).

   Você já faltou ao trabalho e se desculpou com seu chefe e colegas dizendo que estava chovendo? Se pudéssemos, gostaríamos de ficar dormindo e não ir trabalhar, ficar uma semana por mês viajando pelo mundo sem nos preocuparmos com o trabalho. Quem nunca deu ouvidos à razão quando queria ter dado créditos ao coração ou vice-versa?

   Uma canção bem popular é Conflito, gravada por Raimundo Fagner: Ah, meu coração que não entende o compasso do meu pensamento e o pensamento se protege e o coração se entrega inteiro sem razão. Se o pensamento foge dela; o coração a busca aflito…

   Fazer o bem - De que maneira cada pessoa, filho e filha de Deus, irá direcionar o bem em prol da vida, dependerá das circunstâncias e do ambiente no qual vive. Cada qual irá perceber os desafios aos quais poderá responder. 

   Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus (Mt 7.21). Jesus deseja que orientemos a nossa vida pela Palavra de Deus e que a realizemos na prática – nem mais nem menos do que isso. Uma fé viva tem a capacidade de moldar o nosso estilo de vida e transformar o nosso cotidiano.

   Madre Teresa disse: ‘Não importa o quanto você faz, mas o quanto de amor você coloca no que faz’. Deus transforma o mal em bem quando faz com que milhares de pessoas se arrependam e reflitam sobre a sua vida. Quando faz perceber que a guerra produz mais guerra. O ódio produz mais ódio. A intolerância produz mais intolerância.

   É verdade que nem todos percebem isso. Talvez, poucos. Isso nos mostra que a obra de Deus não terminou. As pessoas vão fazer muito mal ainda. Muito ódio vai ser mostrado ainda. Deus continuará mudando o mal em bem. Quando, então, o maior mal nos atingir, a própria morte, Deus mudará o nosso corpo mortal em corpo imortal. Esta será uma mudança que permanecerá para sempre e ninguém mais vai mudar isso.

   Enquanto isso, Amós convida: Buscai-me e vivei, buscai o bem, e não o mal, para viver em meu amor: assim diz o Senhor (HPD 199).

Pa. Ma.Tânia Cristina Weimer

 

Pa. Ma.Tânia Cristina Weimer, Pastora Sinodal do Sínodo Nordeste Gaúcho

 

 

 

 

 

 

 

 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

A função da Sede da Igreja para a Gestão em rede na IECLB

A IECLB é organizada a partir da Comunidade. A Comunidade existe quando diferentes pessoas (membros) se unem em torno da mesma fé no trino Deus e em torno do mesmo objetivo: vivenciar e testemunhar o Evangelho de Jesus Cristo. Uma Paróquia existe quando uma ou mais Comunidades (+)



Educação Cristã Contínua

Respeito à diversidade: variedade, pluralidade, diferença

O Apóstolo Paulo escreveu: Em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres, e a todos nós foi dado beber de um só Espírito, porque também o corpo não é um só membro, mas muitos. Se disser o pé: porque (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Um coração puro é aquele que observa e pondera o que Deus diz e substitui os seus próprios pensamentos pela Palavra de Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br