Jornal Evangélico Luterano

Ano 2012 | número 750

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021

Porto Alegre / RS - 13:38

Unidade

Lutero - Reforma: 500 anos

   Então, basta somente a fé e nada mais? Geralmente, quando feita, esta pergunta tem uma segunda intenção, talvez motivada por comodismo, letargia e ‘graça barata’, por isso, inicialmente, de forma cuidadosa, a resposta à pergunta deve ser: ´depende´. Pode ser ´sim´, mas também pode ser ´não´. Somente a fé não é um princípio que exclui os demais solas: Cristo, graça e Escritura. Em verdade, Cristo, graça, fé, Escritura perfazem um todo e, por isso, a rigor, se poderia falar em um único ´somente´. Seria um ´somente Cristo-graça-fé-Escritura´. Da mesma forma, Lutero jamais afirmou que a fé exclui as obras de amor. Pelo contrário, a fé e o amor também perfazem uma grandeza única. A fé faz obras. Quando Lutero afirma o ´somente pela fé´, ele não quer excluir as exigências das obras, mas excluir autojustificação e automeritocracia diante de Deus. A fé, então, não combate as obras, mas as afirma. O que o ´somente pela fé´ combate são o egoísmo e individualismo que decorrem da autojustificação e dos méritos próprios.
   Retornemos ao conceito fé. O que é fé? Com frequência, ouvem-se afirmações do tipo se você tiver fé, vai dar certo, basta ter fé, aí tudo vai terminar bem, não perca a fé, você precisa ter fé. Estas e outras expressões semelhantes têm em comum que a fé depende da própria pessoa. A fé, neste caso, é sempre obra da própria pessoa. A intensidade da fé ou a falta dela tem como fonte a própria pessoa. Logo, se algo ´deu errado´, a culpa é da pessoa pela sua falta de fé´. Inversamente, se algo de ´bom´ lhe aconteceu, o mérito é dela, pois teria tido fé.
   A compreensão de fé, desta maneira, traz, pelo menos, dois problemas. O primeiro indica que Deus somente estaria presente ali onde existe sucesso. Além disso, a obra redentora de Deus em Jesus Cristo na cruz é ignorada. O mérito da salvação não é creditado a Cristo, mas ao próprio ser humano e é medido por sucesso, êxito e bem-estar. Aliás, a mensagem da cruz nem serve para este tipo de compreensão de fé, pois cruz é sinônimo de fracasso, morte e derrota, por isso Deus precisa ser ´manipulado´ e apresentado somente como um Deus forte e vitorioso. O segundo problema é que, em decorrência dessa compreensão de fé, Deus é apresentado como distante e inalcançável. Deus fica ausente especialmente nas realidades de frustrações, fracassos e doenças, já que fé e Deus seriam sinônimos de sucesso. Logo, o desespero, a angústia e até a revolta contra Deus podem ser as consequências desse tipo de compreensão de fé.
   Contra esta compreensão, Lutero relaciona fé com a palavra latina cedere. Fé é ceder. É ceder e não resistir diante de Deus. Fé é não se encurvar sobre si mesmo e suas próprias qualidades e potencialidades, mas se sujeitar à palavra de Deus. Fé é ceder diante de Deus que, através da sua palavra e do Espírito Santo, nos julga, consola, faz tropeçar, levanta e carrega, nos entristece, nos alegra. Assim, fé é confiança total em todos os momentos da vida, por isso, para Lutero, também existe um único pecado do qual todos os demais decorrem: a falta de fé-confiança em Deus. Quando a pessoa não confia em Deus, ela se curva sobre si própria e, assim, se torna injusta, egoísta, individualista, gananciosa, arrogante, prepotente, violenta e assassina.
   Somente a fé, como ceder, permite ´enxergar´ Deus. Isso é deveras importante para a nossa sociedade, que vive da lei de causa e efeito, segundo a qual bem-estar e riqueza são anunciados como evidência de fé e doença e fracassos, como sinônimo de falta de fé. Lutero foi muito cuidadoso em relação a isso. Partindo da teologia paulina, ele percebia que a fé não necessariamente ´arranca espinhos da carne´. Dizendo-o de outra maneira, a fé não é garantia da ausência de tristezas, fracassos, doenças, injustiças e opressão. A fé, contudo, é força para ´enxergar´ a mão de Deus nestas situações da vida, nas quais o ´somente a fé´ enxerga o ´somente o Salvador´, o Deus de Jesus Cristo.
   Lutero levou muito a sério os dramas das pessoas e buscou oferecer respostas profundamente consoladoras para pessoas que se sentiam angustiadas. Dizia ´Agradeça a Deus por seus tormentos! Somente as pessoas eleitas são colocadas em provações a esse respeito´, por isso ele aconselhava a oração: ´Contemple o Cristo dado por nós. Então, se Deus desejar, você se sentirá melhor´.
   Para Lutero, pela fé ocorre o encontro entre Deus e a pessoa cristã. Pela fé, todas as forças, o consolo e a esperança, nas diferentes situações de vida, são conosco e em nós. Pela fé, a pessoa é ´transportada´ para junto de Deus, de forma que se torna uma com Deus e não pode ser mais separada dele, a não ser pela falta de fé.
   Somente pela fé, Deus apresenta as suas promessas às pessoas cristãs. Pela fé, a pessoa recebe e já pode viver, em esperança, um pouco aquilo que ainda não tem plenamente, por isso o autor da Carta aos Hebreus (11.1) define assim a fé Ora, a fé é a certeza das cousas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem. A fé coloca a pessoa em posição de espera diante da ação de Deus, por isso a fé é espera e confiança naquilo que Deus prometeu para o futuro. Entretanto, esta não é uma espera passiva, pois a esperança do que ainda não se tem é vivida já parcialmente para dentro do presente. Poderíamos ilustrar isso da seguinte forma: o dia de amanhã é sempre futuro. Não temos o amanhã, mas, na perspectiva de ontem, o ´amanhã´ é hoje. Assim é com a fé e a esperança: enquanto esperamos o amanhã, já vivemos hoje a esperança e testemunhamos para dentro do hoje o amanhã. Então, o amanhã já muda qualitativamente o dia de hoje. Assim é com a fé cristã. Enquanto o ser humano espera em fé a justiça plena, o amor e a fraternidade, a vida abundante e a ressurreição, ele já vive e testemunha antecipadamente para dentro do ´hoje´ o que terá plenamente ´amanhã´. A fé dirige-se àquilo que permanece não revelado à pessoa cristã. Somente se pode falar em ´fé em Deus´ porque não temos todas as respostas para a vida e a morte. Essas respostas serão reveladas por Deus somente na eternidade, no ´amanhã´.
   Na revelação de Deus em Cristo, a pessoa cristã tem as respostas necessárias para a sua vida neste mundo. Ao mesmo tempo, pela promessa de salvação revelada em Jesus Cristo, a pessoa cristã, pela fé, pode ter a certeza da promessa do que lhe permanece não revelado nesta vida. Assim, por meio do Deus revelado em Jesus Cristo, a fé dirige-se a Deus, por isso Lutero pode afirmar que ´é coisa do diabo procurar Deus fora de Jesus´. A cruz é, então, o caminho, a ponte da fé em Deus, na certeza da sua revelação plena em majestade e glória no Reino eterno, por isso a fé confessa Deixa Deus ser Deus. A fé confia em Deus absolutamente, portanto não permite a especulação sobre o amanhã, mas vive no ´hoje´.
   A fé é dádiva de Deus provocada pelo Espírito Santo. Logo, ela não é resultado de dignidade ou esforços humanos. A fé tem a sua origem no próprio Deus por meio da sua palavra, portanto também não pode ser imposta a ninguém e não se pode medir o ´tamanho´ da fé das pessoas, muito menos julgar a fé dos outros. Lutero chega ao ponto de afirmar que não deveríamos nos denominar irmãos e irmãs a partir do princípio da fé, mas somente a partir do princípio do amor, pois o amor pode errar. Vivemos o grande perigo em medir a fé com critérios humanos. Não raramente, a prosperidade material, o sucesso, os carismas e o poder são considerados sinais de pessoas com ´muita fé´. Assim, líderes, pregadores, empreendedores de sucesso, enfim, pessoas que se destacam por carismas ou até ´dons extraordinários´ são apresentadas como modelos, pessoas que ´estão de bem com Deus´, que agradam a Deus, pessoas de ´muita fé´. Na busca por alcançar uma posição semelhante, pessoas empreendem esforços e, não raramente, frustram-se, porque percebem que não irão alcançar esse mesmo ´sucesso´. Isso ocorre devido à tentação de ´medir´ e comparar a fé!
   A fé liberta a pessoa dela mesma, de seu egoísmo, vanglória, falta de amor e ódio, por isso Lutero afirmou que ´pela fé, o cristão é livre, senhor de todas as coisas, e a ninguém subordinado´. No entanto, ao ser liberta por Cristo, a pessoa é liberta para o amor. A fé leva ao amor cristão. O amor é fruto da fé, de forma que ´pelo amor, o cristão é o servo submisso de todos´. A fé leva ao serviço, assim como Cristo serviu. Logo, a pessoa cristã torna-se um pequeno cristo para o seu próximo. Pela fé, a pessoa cristã se relaciona com Deus. Pelo amor, a exemplo de Cristo, a pessoa desce na direção do próximo. Pela fé, Deus quer ser Senhor em nossas vidas. Pelo amor, Ele quer ser Senhor através dos cristãos no mundo. Assim, fé e amor são uma coisa só e, somente quando se tornam uma coisa, se pode afirmar: somente a fé basta!
 

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Tenham entre vocês o mesmo modo de pensar que Cristo Jesus tinha.
Filipenses 2.5
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br