Qualificação Funcional


ID: 2664

Seminário Sinodal de Formação de Lideranças - Setor Norte do Sínodo Sul-Rio-Grandense

17/08/2019

Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo P. Reneu
Imagens cedidas pelo P. Reneu
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
Imagens cedidas pelo Sr. Delmar Raupp
1 | 1
Ampliar

Lideranças do Setor Norte do Sínodo Sul-Rio-Grandense reunidas no dia 17 de agosto de 2019, na Comunidade em Camaquã, sob o tema Lideranças: construindo comunidades atrativas, acolhedoras e missionárias, com a assessoria do P. Dr. Emilio Voigt, puderam, novamente, ouvir o que os documentos normativos da IECLB falam sobre este assunto.

P. Emílio partiu do princípio que tudo está conectado. Somos seres que se relacionam. Assim também é na Igreja. Pessoas unem-se e se fortalecem formando comunidades, paróquias, sínodos com uma direção central. O serviço é a essência da igreja. Não somos prestadores de serviço, mas nosso servir é fazer a vontade de Deus. Na igreja não existem sócios, mas somos membros e formamos o Corpo de Cristo, onde todos cooperam para o bem do corpo.

Neste corpo somos todos iguais, pois somos criaturas de Deus à sua imagem e semelhança e porque somos batizados, bebemos do mesmo Espírito Santo. E este concede diferentes dons para serem colocados a serviço do bem comum. Assim tanto a igualdade quanto a diversidade são presentes divinos.

Neste Corpo somos inseridos pelo batismo ou pelo reconhecimento da confessionalidade. Temos atribuições como participar de culto, Santa Ceia, batizar filhos/as e educa-los na fé, receber a Bênção Matrimonial e cuidar para que mortos sejam sepultados, contribuir financeiramente e levar uma vida baseada na Palavra de Deus. Tomamos parte na missão de Deus. Somos uma igreja dos que caminham juntos.

Um ímã atrai. O celular e novas tecnologias atraem os jovens. Nossa igreja será atrativa na medida em que for relevante. E a relevância se dá pela vivência do Evangelho. A primeira comunidade cristã se unia em torno de quatro pilares: 1) Doutrina dos Apóstolos; 2) Comunhão; 3) Partir do Pão; 4) Oração. “E cada dia o Senhor fazia aumentar o grupo as pessoas que iam sendo salvas” (Atos 2.47b). Esta comunidade fazia a diferença na sociedade daquela época. Apontava uma alternativa ao que existia, pois vivenciavam o amor e a fé.

Comunidade acolhedora é aquela que valoriza as pessoas, especialmente as visitantes. Receber bem, cumprimentar, conversar é ação comunitária essencial. Ter uma dupla na porta para acolher os que vêm à atividade religiosa.

Comunidade missionária é a que vive e divulga a vontade de Deus. Isso é a essência da Igreja. Começa quando falamos bem da Igreja aos familiares, amigos, colegas de trabalho,... e assim animamos outros a tomar parte. Assim vemos e provamos sinais do Reino de Deus, que une pessoas e transforma vida e sociedade.

Por fim, P. Emílio ainda tocou no assunto dinheiro. O que motiva nossa contribuição? Contribuição é questão de fé. Deus nos aceita, perdoa e oferece seu reino. A fé leva à gratidão, para que o Evangelho seja levado adiante e pregado. Minha resposta de gratidão me leva a olhar para o que Deus fez em minha vida e não ficar olhando e reparando a vida do vizinho e como ele age. Venceremos muitas dificuldades na medida em que vamos superar a ideia de clube e de pagamento e passarmos a explicar e experimentar a Igreja como Corpo de Cristo, que serve fazendo a vontade de Deus, e que neste corpo contribuímos com tempo, talento e tesouros.

A Pastora Sinodal Roili Borchardt refletiu sobre a espiritualidade da liderança. Lembrou que presbítero precisa se abastecer das coisas de Deus para poder se fortalecer e repassar. Assim sendo, não se preocupa apenas com questões administrativas, mas precisa também de oração, leitura e reflexão na palavra de Deus.

A Advogada e Contadora do Sínodo Sra. Sandra Bergmann Schneider mais uma vez expôs as obrigações e os bônus da instituição perante as leis de nossa nação. 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

É mais consolador ter Deus como amigo do que a amizade do mundo inteiro.
Martim Lutero
REDE DE RECURSOS
+
A vida cristã não é mais do que Batismo diário.
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br