Missão com Mulheres


- Brasil
Telefone(s): (51) 3284-5400
secretariageral@ieclb.org.br
ID: 2674

Vozes dos homens são vitais para alcançar justiça de gênero

Na mensagem do Dia Internacional da Mulher, líderes luteranos pedem compromisso mais amplo e forte com a igualdade de gênero

09/03/2020


A justiça de gênero é uma questão de vida ou morte; portanto, homens e mulheres devem trabalhar juntos para romper o silêncio sobre a violência de gênero e se comprometer a trabalhar em prol da justiça de gênero. Em mensagem para o Dia Internacional da Mulher, comemorado em todos os países no dia 8 de março, líderes luteranos conclamam as igrejas para que continuem aumentando a conscientização, promovendo ações e exigindo responsabilidade de todos os seus membros em torno desta questão crucial.

Falando na conclusão de uma visita ao Zimbábue, o Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), o P. Dr. Martin Junge e a Pastora Elitha Moyo, Coordenadora de Justiça de Gênero da Igreja Luterana Evangélica no Zimbábue (ELCZ), sublinharam a urgência deste trabalho ao recordarem o recente assassinato de uma ativista dos direitos das mulheres em Madagascar. A teóloga Pastora Hélène Ralivao, de 63 anos de idade, foi agredida e morta ao sair de uma igreja no dia 23 de fevereiro.

Justiça de Gênero não é ‘assunto de mulher’

Convocando todos os cristãos a romperem o silêncio, Junge disse: “Queremos ver, e esperamos e nos comprometemos de nossa parte, uma participação muito mais forte dos homens na busca pela justiça de gênero. Esta não é uma questão de mulheres, é uma questão de homens e mulheres trabalhando juntos para que os relacionamentos sejam justos e que homens e mulheres possam florescer em todo o seu potencial e dignidade que Deus lhes deu. ”

Nós vamos continuar com nossa luta pela justiça de gênero na igreja e na comunidade. — Pastora Elitha Moyo, Igreja Evangélica Luterana no Zimbábue, Coordenadora de Justiça de Gênero

Em homenagem Hélène Ralivao, mãe e avó assassinada, Moyo disse: Continuaremos nossa luta por [...] justiça de gênero na igreja e na comunidade. Ela observou que sua própria igreja tem trabalhado intensamente com pastores, com chefes de vilarejos e com crianças em idade escolar para quebrar o silêncio em torno da violência de gênero.

A ELCZ foi a primeira instituição no Zimbábue a estabelecer um Departamento de Justiça de Gênero e estabeleceu parcerias com governo, polícia, advogados, líderes comunitários e outras organizações para impedir a violência contra as mulheres.

Combater retrocessos sobre os direitos das mulheres

Apoio a movimentos populares, ativistas de direitos humanos das mulheres e incentivo aos homens a se envolverem mais no trabalho de igualdade de gênero também foi o foco de reunião organizada pela FLM em Genebra antes do Dia Internacional da Mulher. A equipe da FLM e membros de outras organizações se reuniram no Centro Ecumênico para discutir com um especialista em gênero do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Destacando maneiras de combater a atual reação global aos direitos humanos das mulheres, a discussão destacou a importância da educação para desafiar atitudes patriarcais e estereótipos de gênero que geram discriminação e violência.

É vital aumentar a conscientização, chamar à ação e garantir rendição de contas

Em todo o mundo, observou-se que grupos de base de mulheres ativistas tiveram um papel vital em desafiar o patriarcado, o racismo, o fundamentalismo, a opressão e os abusos dos direitos humanos. Embora a cultura e a religião tenham sido frequentemente usadas para restringir os direitos humanos das mulheres, a discussão destacou que os grupos religiosos podem basear-se em valores compartilhados entre religiões e direitos humanos para apoiar os defensores e as defensoras dos direitos humanos e fornecer espaços seguros para conversas sobre justiça de gênero.

Um quarto de século depois da Quarta Conferência Mundial da ONU sobre Mulheres em Pequim, é vital recriar o momento de integrar a perspectiva de gênero em todos os aspectos da legislação, política e programas em nível nacional e internacional, observou a Pastora Judith VanOsdol, Executiva do Programa da FLM para Justiça de Gênero e Empoderamento das Mulheres.

“Precisamos perguntar por que não houve outra Conferência Mundial sobre Mulheres nos últimos 25 anos; temos que analisar e entender a reação global aos direitos humanos das mulheres e à justiça de gênero e isso nos ajudará a formular uma estratégia para avançar ”, afirmou a Executiva do Programa da FLM. Isso nos capacitará a aumentar a conscientização, a ação e garantir a prestação de contas que beneficiará e transformará casais, relacionamentos familiares, igrejas e sociedade.


Veja também:

Política de Justiça de Gênero - Federação Luterana Mundial
 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Em tudo, dai graças, porque está é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.
1Tessalonicenses 5.18
REDE DE RECURSOS
+
Que todo o meu ser louve o Senhor e que eu não esqueça nenhuma de suas bênçãos!
Salmo 103.2
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br