Igreja e Sociedade



ID: 2797

As pessoas não estão morrendo, mas elas estão sendo mortas de fome

Federação Luterana Mundial (FLM) junta-se a convocação de agências humanitárias para combater a fome

20/04/2021

 

A Federação Luterana Mundial (FLM) juntou-se a mais de 200 organizações de ajuda humanitária em um chamado para combater a fome todo o mundo. Em carta aberta publicada no dia 20 de abril, as organizações conclamam os países e seus líderes nacionais a fazerem mais pelas 270 milhões de pessoas afetadas pela fome em todo o mundo, 34 milhões das quais estão à beira de morrer fome. Os países mais afetados pela fome são Iêmen, Afeganistão, Etiópia, Sudão do Sul, Burkina Faso, República Democrática do Congo, Honduras, Venezuela, Nigéria, Haiti, República Centro Africana, Uganda, Zimbábue e Sudão.

“Todos os dias, trabalhamos com pessoas que são plenamente capazes de produzir ou ganhar o suficiente para alimentar a si mesmas e suas famílias”, diz a carta. “Essas pessoas não estão morrendo de fome, elas estão sendo mortas de fome. Essas meninas e meninos, homens e mulheres, estão morrendo de fome causada por conflitos e violência, por desigualdade, pelos impactos das mudanças climáticas, pela perda de terras, empregos e falta de perspectivas, e pela luta contra o COVID-19 que os deixou ainda mais para trás na fila de atendimentos. ”

A fome é um fator chave da violência

A FLM, por meio de seu braço diaconal, a FLM Serviço Mundial, apoia 2,3 milhões de pessoas necessitadas em 25 países em todo o mundo. Entre elas estão pessoas que foram deslocadas por conflitos armados, mas também muitas comunidades vulneráveis, muitas delas fortemente afetadas por desastres naturais e mudanças climáticas. A FLM também trabalha com comunidades vulneráveis por meio de seus projetos diaconais apresentados e implementados pelas igrejas membros.

“O fato de milhões de pessoas no mundo estarem passando fome é uma forte acusação a todos nós, especialmente da comunidade internacional, que ainda não conseguiu responder de forma adequada com a crise de fome que enfrentamos”, disse Maria Immonen, Diretora do Serviço Mundial da FLM.

Não podemos mais ignorar os clamores das pessoas famintas - é uma questão de dignidade, justiça e direitos humanos.” - Maria Immonen, Diretora da FLM Serviço Mundial.

 

“Todos os dias testemunhamos muitos casos em que a fome é um dos principais impulsionadores da violência sexual e de gênero, bem como da violência contra crianças. Não podemos mais ignorar os clamores dos famintos - é uma questão de dignidade, justiça e direitos humanos ”, acrescentou Immonen.

“Não há lugar para a fome no século 21”

Na carta, as organizações apelam aos países para que forneçam mais assistência alimentar e trabalhem contra as causas da fome. Eles conclamam os países a aumentarem seus esforços para acabar com os conflitos, construir a resiliência das pessoas afetadas pelas mudanças climáticas e proteger contra os golpes do COVID-19.

“Não há lugar para fome e inanição no século 21. A história vai nos julgar a todos nós pelas ações que empreendemos hoje ”, conclui a carta.
 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Assim como o fogo sempre produz calor e fumaça, também a fé sempre vem acompanhada do amor.
Martim Lutero
REDE DE RECURSOS
+
Tu és o meu Deus, eu te louvarei. Tu és meu Deus, eu anunciarei a tua grandeza.
Salmo 118.28
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br