IECLB e Igreja Evangélica da Alemanha - EKD



ID: 2703

Jacó e Esaú - uma jornada de reconciliação

Estudo bíblico sobre o tema principal da 6ª conferência do 12º Sínodo do EKD em Dresden

11/11/2019


Estudo bíblico sobre o tema principal da 6ª conferência do 12º Sínodo do EKD em Dresden
 
 
Jacó e Esaú - uma jornada de reconciliação
Rev. Dr. Elaine Neuenfeldt, Representante de Gênero da ACT Alliance, Genebra
1) O desafio da reconciliação na vida cotidiana
 
Falar especificamente sobre paz e reconciliação nos dias de hoje é uma tarefa desafiadora. Dada a realidade atual do ódio e da violência, não é fácil alcançar a reconciliação e a paz. O discurso do ódio é percebido como liberdade de expressão. Exclusão e discriminação com base na afiliação social, situação econômica e identidades de gênero tornam-se normais em alguns contextos; às vezes acontecem em nome da religião ou são justificados por ela.
 
Uma interpretação fundamentalista da religião fornece uma plataforma para práticas violentas e extremistas: religião e crença são usadas (ou mal utilizadas) como armas para excluir e eliminar aquelas que não estão em conformidade com uma ordem social, econômica, política e cultural específica. Posições e crenças teológicas que levam à separação, condenação e discriminação devem ser constantemente questionadas e discutidas. Quando a crença é usada para separar o mundo em nós e aqueles que estão lá, nós, os bons e aqueles que estão lá, os ruins, nossas antenas devem ser estendidas para reconhecer que A fé é explorada.
 
2) Como alguém pode pensar em reconciliação nesse contexto?
 
Como podemos falar sobre valores e crenças que promovem a paz, aceitação e integração e combiná-los com práticas de fé? O que pode um texto antigo da Bíblia, como a história de Gênesis 25 de Jacó e Esaú, nos dizer sobre relacionamentos reconciliados no presente?
 
Convido você a fazer uma jornada de reconciliação - e com isso não me refiro apenas ao encontro como um evento único, conforme descrito em Gênesis 33: 1-6. Nesta viagem, gostaria de sugerir alguns passos para promover um relacionamento reconciliado com Deus e seu próximo.
 
A disputa entre Esaú e Jacó começa no útero. Em Gênesis 25, aprendemos que Rebecca não está tendo uma boa gravidez, ela está sofrendo. Ela pergunta a Deus por que ela experimentou essa gravidez como um esforço e não como um tempo abençoado. A resposta é que ela tem duas nações em seu corpo. Os dois povos que ela daria à luz seriam divididos; um povo será superior ao outro, e o mais velho servirá ao mais jovem (Gênesis 25:23). E assim a história de Jacó e Esaú consiste em contenda, competição e divisão - não há paz. O relacionamento fraterno é vivenciado como luta e conflito.
 
O conflito culmina na perda da primogenitura e nas bênçãos associadas.
 
Jacó é descrito como calmo e gentil. Esaú é retratado como de aparência avermelhada - a iconografia o mostra marrom ou até preto e peludo, o que implica que ele é áspero.
 
E foi assim que aprendemos com essa história bíblica: Jacó é sempre aquele com a pele mais clara e uma boa pessoa. Esaú, por outro lado, é sempre aquele de pele mais escura, é peludo e é um cara mau ou áspero. Ele não é amigável nem inteligente.
Essa interpretação do texto é muito colonial. Também influencia nossa interpretação dessa história a partir do encontro dos dois irmãos e nossa compreensão da reconciliação. Sem uma análise de poder, palavras e ações podem causar muitos danos aqui.
 
Reconciliação significa outra coisa para uma pessoa pobre cujos direitos são negados, que vive em uma região social e politicamente problemática na África ou na América Latina e que é incapaz de negociar melhores condições de trabalho. Ou para o gerente capitalista de uma empresa internacional responsável pela negociação de terras, por exemplo, para fundar uma empresa de mineração no Peru; ou para uma mulher que sofre violência sexual e de gênero por parte de seu parceiro, que também é o único provedor ou gerador de dinheiro na família. Nesse caso, a reconciliação pode ser sinônimo de pessoas privilegiadas e privadas? 
 
Como você pode desconstruir isso? Primeiro, precisamos entender o que é o conflito, quais são as causas, por que a reconciliação é necessária e como ela pode ocorrer. O que significa reconciliação e que etapas os envolvidos devem seguir no caminho da reconciliação real?
 
3) Quais são as causas do conflito e como você lida com ele para obter a reconciliação?
 
É tentador guardar os óculos duplos e ler a história desses dois irmãos de maneira polarizada. Tal interpretação deixa espaço para construções fundamentalistas e divide-se em nós, os bons e eles, os maus. Jacó, o bom, o equilibrado, sabe como aproveitar as oportunidades; Esaú, o peludo e colorido, o insensato que não se importa com o que lhe é dado na vida. Mas essa dicotomia causou muitos danos, justificou o racismo e a discriminação e fortaleceu as relações hierárquicas de poder. Jacó foi interpretado como uma nação, Israel, e Esaú como o outro povo, os edomitas, com quem Israel estava em conflito. Isso justificou as relações de poder não apenas entre indivíduos, mas também entre grupos, povos e nações.
 
Então, vejamos esse conflito entre os dois irmãos, que era uma metáfora para um conflito entre duas nações, de uma maneira mais complexa.
 
Costuma-se dizer que Esaú vendeu sua primogenitura por um prato de sopa de lentilha (posso imaginar que fosse uma feijoada, uma boa sopa brasileira de feijão preto).
 
Mas e se olharmos para a mesma cena de um ângulo diferente?
 
Esaú, o caçador, chega em casa sem um produto de seu trabalho - sem brincadeira. Talvez haja um momento de escassez e, devido a essa falta, ele está com fome. Jacó usa isso como uma oportunidade para negociar o que ele mais deseja do irmão: o direito de primogenitura. E o que ele usa como meio para isso? Comer! Bem, quando alguém está com fome, é fácil conseguir o que você quer deles. Jacó usa alimentos e direitos como mercadoria. Ele está negociando a partir de sua posição privilegiada com alguém que atualmente não tem poder devido à fome. Esaú responde: “Veja, eu tenho que morrer; qual é o primeiro nascimento para mim? ”(Gênesis 25:32)
 
A história da interpretação transmitiu a mensagem da seguinte maneira: Esaú despreza seus direitos, despreza o dom de Deus de nascer primeiro. A narrativa em si e a interpretação geralmente culpavam Esaú por trocar seu direito por tão pouco - um prato de sopa de lentilha.
 
É tão comum ouvir interpretações coloniais da pobreza, especialmente no Sul Global, que a falta de educação e conhecimento é uma vergonha. Esse entendimento colonial torna os pobres responsáveis ​​por sua pobreza e falta de oportunidades, em vez de ver um sistema projetado para criar exclusão e discriminação.
 
4) Mas ... e a falta de solidariedade de Jacó?
 
O irmão dele está com fome. Mas, em vez de lhe dar comida e compartilhar o que ele tem, Jacó comercializa sua vulnerabilidade. Essa ganância leva Jacó ao próximo passo: ele faz um plano com sua mãe Rebecca para receber as bênçãos do primogênito de Esaú. Mais uma vez, ele se aproveita da fragilidade do pai velho e se disfarça para tomar o lugar do irmão e, assim, adquirir seus direitos. Isso leva o conflito a um clímax. Jacó é forçado a fugir para outro país. Esaú o odeia e quer matá-lo.
 
A história está entrelaçada com desejo e decepção ilimitados para obter o preço. A rivalidade surge de desejos gananciosos e desejáveis, de engano e fraude. Como você pode ver a história da reconciliação desses dois irmãos nessa bagunça? O que pode significar reconciliação?
 
5) A jornada da reconciliação
 
Nos muitos anos de sua ausência, Jacó trabalhou para seu sogro Laban em um país estrangeiro. Ele trabalha para começar uma família, é traído pelo sogro e primeiro recebe a irmã mais velha Lea com os olhos gentis. Por mais sete anos de serviço, ele também pode se casar com Rachel, a quem ele ama. Ainda assim, sua vida não parece pacífica. Ele tem que fugir com a família e os rebanhos, porque Labão não os tratou bem; ele tentou tirar proveito do trabalho de Jacó. Então toda a família parte - mas, e isso parece estar se tornando uma tradição, não sem outra farsa: Rachel rouba o deus da casa que protege a casa e a abençoa com riqueza.
 
6) Trabalhando e lidando com memórias
 
parece querer começar uma nova vida e retorna ao local em que nasceu e onde ocorreu o conflito com seu irmão. Mas ele sabe que não pode começar de novo sem resolver o problema do passado. As lembranças que o assombram - uma infância cheia de conflitos, um relacionamento fraterno em rivalidade e luta - não desaparecem, a menos que ele enfrente a responsabilidade e lute com ela.
 
A jornada da reconciliação, portanto, também inclui um processamento de memórias do passado. Você tem que enfrentá-los e lidar com eles. Você precisa olhar para cima para ver a pessoa a quem o sofrimento e a dor foram infligidos; que violamos nossos sentimentos e que foi marginalizado e discriminado pelo sistema.
 
Na América Latina, passamos por esse processo e contabilizamos lembranças do passado. Nossas memórias são moldadas pela dor e pelo sofrimento, pela perseguição e pela violência da ditadura militar. A vida como brasileiro na América Central me ensinou a perdoar, mas não esquecer - perdonar pero no olvidar. Ninguém pode esquecer ou negar o passado. O processo de cura deve retomar o passado, mas não se deve ficar preso nele. Perdoar significa reviver essas memórias dolorosas, mas não deixá-las apanhadas nelas. Se você busca a reconciliação, significa que precisa lidar com problemas que retornam dolorosamente. Lembrar é uma caminhada na corda bamba. É sobre não permitir
 
Para estabelecer uma conexão com o tópico que está sendo discutido neste sínodo: “ Rumo a uma igreja de justiça e paz. Gostaria de lembrá-lo do papel crucial que as igrejas desempenham na construção da paz. As igrejas e organizações religiosas trabalham no nível da comunidade e têm o importante papel de reconstruir o tecido social em tempos de conflito. Os líderes da igreja podem influenciar crenças sociais e culturais e podem confiar em vozes na construção de pontes entre diferentes grupos. As comunidades religiosas reúnem pessoas de diferentes afiliações e podem ser catalisadoras de diferentes interesses. A fé é um elemento forte que ajuda as pessoas a manter a esperança e a reconstruir a vida.
 
Com que lembranças você tem que lidar? Quais são as situações em sua própria vida, em sua família e na comunidade que precisam ser abordadas e precisam ser consideradas para que um processo de cura possa passar?
 
7) Antes de encontrarmos o irmão, precisamos encontrar Deus!
 
Há outro encontro forte, poderoso e enigmático durante a jornada de reconciliação. Na noite antes de conhecer seu irmão, Jacó está no rio lutando com alguém. Cheio de lembranças e cheio de medo do que virá no dia seguinte, seu corpo luta com um estranho a quem ele reconhece como Deus. Jacó pede novamente a bênção e nomeia o local em memória do encontro Pnuël - porque vi Deus frente a frente. Para ver o rosto de seu irmão Jacó, ele primeiro teve que olhar para o rosto de Deus! A reconciliação é uma jornada espiritual de oração e diálogo com Deus. É moldada pela misericórdia de Deus, que nos leva a procurar o outro.
 
Um minuto de silêncio para orar para trazer a presença de Deus, toda a nossa dor, os sofrimentos das pessoas com quem trabalhamos e com quem convivemos.
 
8) Gênesis 33: 1-17 fala desse momento de reconciliação.
 
O encontro é cheio de sentimentos e linguagem corporal. Jacó vem com toda a sua família, suas esposas, filhos e rebanhos. Talvez seja a única maneira de impressionar o irmão - como se ele dissesse: Olha Esaú, o que fiz com a bênção que roubei de você! O roubo valeu a pena! Cresci em número, idade e riqueza.
Jacó se curva sete vezes. O sete é um número tão poderoso. Quantas vezes você tem que perdoar seus irmãos e irmãs? 7x7 vezes ... (Bem, como brasileiro, lembro-me de mais sete: quando a Alemanha venceu o futebol brasileiro por 7-1 na Copa do Mundo !!! Mas não vamos falar sobre esse incidente infeliz.
 
Curvar-se é um sinal de reconhecimento da autoridade de Esaú, até de superioridade. Jacó chama Esaú meu senhor, enquanto Esaú diz meu irmão para Jacó.
 
Esaú corre em direção a Jacó, ele o chama pelo nome, abraça-o, cai em volta do pescoço e o beija.
 
Os dois choram.
 
Que cena emocional. Cheio de amor, remorso, ternura e vulnerabilidade. Ela não deixa espaço para se concentrar no passado, porque o único desejo dos irmãos é abraçar e reconciliar. O passado doloroso ainda está lá, mas não é um obstáculo à reconciliação, acolhimento e aceitação. Reconciliação significa acima, trazendo à tona lembranças do passado. Às vezes, nossa razão objeta que você precisa falar primeiro sobre o passado, sobre o que aconteceu. Então você tem que limpá-lo e soltá-lo - e só então você pode abraçar. Mas parece que, em um processo de reconciliação, palavras e discussões não estão tanto em primeiro plano. Ocorre com braços, corpo, sentimentos e emoções; isso cria espaço para a cura e o encontro.
 
Só então Jacó pode concordar: realmente, olhar para o seu rosto é como olhar para o rosto de Deus. A face de Deus é revelada na face do irmão reconciliado. Você realmente vê ou reconhece Deus apaixonado por seu irmão, sua irmã e seus vizinhos.
 
Nesse momento, toda a família está incluída na reconciliação dos dois irmãos. Mulheres e crianças aparecem, experimentam e capturam esse momento. Eles são os que mais sofrem com a guerra e os conflitos. Eles pedem que a reconciliação ocorra.
 
As palavras vêm depois, quando se fala de presentes e ofertas. Aqui também Esaú não espera reparação, nenhum bem material para compensar a lesão passada. Esaú diz que tem o suficiente. Não sabemos quanto ele tem, mas é o suficiente para ele.
 
Uma última palavra sobre o que aconteceu após o encontro: Esaú oferece sua hospitalidade. Jacó não está preparado para seguir seu irmão. Ele diz que eles se encontrariam novamente em Seir, no sul, onde Esaú mora. Mas Jacó vai para o norte de Sucot e se instala lá. Sim, Jacó está mentindo para o irmão novamente. Ele está indo em uma direção diferente do que ele disse. Talvez ele tenha que fazer isso. Talvez ele sinta que pode fazê-lo. O texto não diz se Esaú está triste ou desapontado por causa disso. Talvez a reconciliação seja assim: um ir e vir em confiança e medo, em confiança e insegurança. Entre esses medos e dúvidas, Deus oferece misericórdia e misericórdia; embora Jacó tenha um caráter discreto, ele ainda é abençoado por Deus e reconciliado com seu irmão.
 
A reconciliação é uma jornada, não um evento. Tem que ser um movimento que se repita porque as pessoas são pecadoras e seus relacionamentos são quebrados. A reconciliação é um movimento, um processo de aprendizado no qual temos que aprender, dar e receber, ser abertos e dar algo. É como uma dança.
 
9) Um poema
 
Palavras do escritor árabe-cristão-palestino Elias Chacour [1]:
A verdadeira imagem é o seu próximo, a pessoa que foi criada à imagem e na forma de Deus. Como é bom quando nossos olhos mudam e vemos que nosso próximo é a imagem de Deus e que você e você e eu - todos nós - somos imagens de Deus. Quão ruim é se odiarmos a imagem de Deus, quem quer que seja, seja judeu ou palestino. Quão ruim é quando não podemos dizer: Sinto muito que a imagem de Deus tenha sido violada pelo meu comportamento. Todos nós precisamos ser mudados para que possamos ver a glória de Deus um no outro.
 
10) Um movimento
 
·      Convide as pessoas a se levantarem e colocarem as mãos em uma posição de oração: /
·      Depois, convide as pessoas a abrirem as mãos para que a mão esquerda fique para cima (receba) e a mão direita esteja para baixo (dê).
·      Se todos quiserem e se sentirem confortáveis ​​com isso, convide todos a pegar seus vizinhos pela mão - experimente o movimento como uma dança de dar e receber.
·      Você pode deixar a música tocar.
 
[1] Fonte da versão em inglês do poema: Elias Chacour: Nós pertencemos à terra, Collegeville: University of Notre Dame Press, 2001, pp. 46-47; de: CLARE AMOS. Cristo é a nossa reconciliação: uma cena de um ícone de paz. Repensando a missão. 2005. p. 29.


Autor(a): Elaine Neuenfeldt
Âmbito: IECLB
Área: Ecumene
Área: Missão / Nível: Missão - Cultura de Convivência / Organismo: Igreja Evangélica da Alemanha - EKD
Natureza do Texto: Educação
Perfil do Texto: Estudo Bíblico
ID: 54696
Ainda não somos o que devemos ser, mas em tal seremos transformados. Nem tudo já aconteceu e nem tudo já foi feito, mas está em andamento. A vida cristã não é o fim, mas o caminho. Ainda nem tudo está luzindo e brilhando, mas tudo está melhorando.
Martim Lutero
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br