Arquivo Histórico da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil


Rua Amadeo Rossi , 467 - Morro do Espelho
CEP 93001-970 - São Leopoldo /RS - Brasil
Telefone(s): (51) 2111-1422
arqhist@est.edu.br
ID: 2535

O passado: um tesouro em nossas mãos

Meditação

02/06/2008

Abrirei os lábios em parábolas e publicarei os enigmas dos tempos antigos. O que ouvimos e aprendemos, o que nos contaram nossos pais, não o encobriremos a seus filhos; contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez (Salmo 78. 2-4).

Pode ser que em sua vida existam passagens que você gostaria de esquecer. Aconteceram fatos que você não gosta de lembrar. Gostaria de apagar para sempre estes episódios amargos de sua memória, pois são tristes demais para serem lembrados sempre de novo. É compreensível que você, às vezes, pense assim. Por outro lado, não sei se é bom pensar assim. Será que é possível ou saudável apagar da nossa memória marcas tão profundas, marcas que ficaram tão enraizadas? Verdade é que as lembranças amargas da vida teimam em permanecer encravadas em nossa memória. São feridas profundas que, às vezes, doem a vida inteira. O que de mais importante podemos fazer, em casos assim, é aprender e reaprender a cuidar destas feridas. É preciso saber lidar com estas marcas que ficaram. Sim, é preciso saber conviver com elas. E o que é mais importante: é preciso crer e confessar que o Deus do Cuidado caminha do nosso lado e nos ajuda a carregar as dores das amargas recordações.

A Bíblia nos ensina a vermos de forma positiva o nosso passado, mesmo que dele façam parte as tristes recordações. O povo de Israel não lembra apenas os bons momentos de sua história, mas também os difíceis momentos. Não apenas a chegada na terra prometida é comemorada, mas também a dura passagem pelo deserto é lembrada. O povo de Deus não se lembra apenas das grandes vitórias alcançadas, mas também das derrotas sofridas. No Novo Testamento não são lembrados apenas os grandes milagres e a ressurreição de Jesus, mas também a traição, as lágrimas, o Getsêmani e a morte do Filho de Deus na cruz do Calvário.

Neste sentido também nós devemos ver o nosso passado como um verdadeiro tesouro. Deste tesouro, formado por boas e tristes lembranças, nunca devemos nos desfazer. Pois também aqueles acontecimentos que deixaram feridas em nossa vida nos falam dos poderosos feitos de Deus em nosso favor. Deus esteve do nosso lado também naqueles momentos em que muito sofremos. Do contrário não estaríamos aqui para contar a história da nossa vida.

Assim, o nosso passado é uma espécie de pote onde está guardado um precioso tesouro. E deste pote não queremos tirar apenas as boas recordações, mas também as lembranças de tristes acontecimentos. Pois também estes nos falam dos poderosos feitos de Deus e das maravilhas que ele fez. Não queremos tampar, mas destampar o pote que contém este valioso tesouro. Queremos “arear” bem este tesouro; queremos limpá-lo, dele retirar toda poeira, deixá-lo polido e brilhoso. O nosso passado deve ser precioso aos nossos olhos, mesmo que ele seja composto de boas e amargas recordações. Porque este passado está recheado de bons ensinos, de boa aprendizagem, da sabedoria que veio do alto, da ajuda que Deus fez chegar a nós no transcorrer da história. Estes enigmas antigos, como diz o Salmo 78, querem ser uma ajuda para os de hoje e para os de amanhã. Os fatos do passado não são importantes somente para nós hoje. Também as gerações vindouras precisam conhecer estes mistérios. Assim temos a tarefa de transmiti-los para as futuras gerações. O tesouro das experiências do passado não é só nosso. Será tesouro também para nossos descendentes. Nós somos a “ponte” que leva adiante o tesouro dos mistérios de Deus, do poder de Deus e das maravilhas que ele fez no passado e faz no presente. Somos a “bica” que recolhe a água da fonte e a leva para as gerações sedentas de amanhã.

No dia 14 de julho do corrente ano estaremos comemorando o aniversário de 90 anos do templo de Santa Maria de Jetibá. Nesta longa história do templo está guardado um precioso tesouro que nos foi transmitido por gerações passadas. É o tesouro das boas e amargas experiências de nossos antepassados no processo de edificação de uma comunidade evangélica de confissão luterana em nossa cidade. Principalmente as pessoas de mais idade têm consciência dos sacrifícios e dos sofrimentos que fizeram parte desta história. Mas também sabem que estas amargas lembranças nos falam dos bons sinais de ajuda que vieram das mãos de Deus. O pote da história da nossa comunidade carrega um verdadeiro tesouro que precisa ser transmitido à geração de hoje e às gerações do futuro. O conteúdo deste tesouro são as alegrias e as tristezas experimentadas pelos que nos antecederam na fé: Quantas dificuldades! Mas quanta perseverança! Quantas fraquezas e quedas! Mas quanto esforço para reerguer-se! Quanta omissão! Mas quanta disposição para a luta! Quantas tristes lembranças! Mas quantas boas recordações! Tudo isto, junto, formou o tesouro que nos ajuda a caminhar hoje e que deve ser transmitido às gerações vindouras. Pois fala dos poderosos feitos de Deus e das maravilhas que ele faz. Vamos, pois, limpar nosso tesouro! Vamos polir e arear a nossa história, permitindo que ela brilhe hoje e no futuro.


P. Valdemar Gaede


Autor(a): Valdemar Gaede
Âmbito: IECLB / Sinodo: Espírito Santo a Belém / Paróquia: Santa Maria de Jetibá (ES) / Organismo: Arquivo histórico da IECLB
Testamento: Antigo / Livro: Salmos / Capitulo: 78 / Versículo Inicial: 2 / Versículo Final: 4
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Meditação
ID: 8564
Que cada um use o seu próprio dom para o bem dos outros!
1Pedro 4.10b
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br