Celebração


ID: 2651

Gênesis 2.15-17; 3.1-7 - 1º Domingo da Paixão - 26/02/2023

Caderno de Cultos 2023 - Sínodo Mato Grosso

26/02/2023

26/02/2023 – 1º Domingo da Paixão - Invocavit
Salmo 32.1-11; Romanos 5.12-19; Mateus 4.1-11
Pregação: Gênesis 2.15-17; 3.1-7 (Da Graça à Queda)
P. Clodoaldo Kamke – Alta Floresta - MT

LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
“Jesus respondeu ao tentador: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mateus 4.4).

SAUDAÇÃO
Por meio desse versículo, o querido e bondoso Deus nos saúda neste 1º. Domingo da Paixão e nos diz: Bom Dia (Boa Noite). Aqui Jesus ao responder ao tentador também nos dá a certeza de onde encontramos o verdadeiro alimento para nossa vida, isto é, na Palavra de Deus. E, cada pessoa presente, vem justamente em busca desse alimento, o alimento que nos alimenta a Fé e nos dá a certeza da Vida Eterna.

Sejam todos e todas bem-vindos e bem-vindas à Casa de Deus. É sempre Deus, nosso querido Pai que se alegra cada vez que vê seus filhos e suas filhas em sua Casa.

CANTO DE ENTRADA
Como primeiro hino, nós cantamos o hino número 473 do HPD 2 – Jesus, em Tua Presença; (Número 20 do Livro de Canto).

INVOCAÇÃO TRINITÁRIA
(Quem puder se colocar em pé). Nós estamos reunidos em Nome e na Presença de Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. Essa certeza nós podemos ter pois é o próprio Jesus Cristo que nos diz: “Onde duas ou três pessoas estiverem em seu Nome, ali estou no meio delas”. (Mateus 18.20).

CONFISSÃO DE PECADOS
“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Deus é Fiel e Justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. ” (1João 1.8-9). Nós confessamos nossos pecados:

Senhor Deus! Gostaríamos de nos apresentar diante de ti e te apresentar coisas boas e bonitas. Contudo tu nos conheces melhor do que nós mesmos nos conhecemos, entretanto esperas que nos arrependamos e confessemos nossos pecados. Assim confessamos que pecamos contra ti e contra o nosso próximo.
• Pecamos ao não ouvirmos a tua Palavra, em nossa desobediência e por ignorarmos o teu juízo;
• Pecamos em nosso egoísmo e pela falta de coragem de te assumir como Senhor acima de tudo;
• Pecamos por querermos ser o centro das atenções; esquecendo assim de dar testemunho de ti.
Esses e todos os demais pecados, nós nos arrependemos e apresentamos diante de ti, na busca confiante do teu perdão.

KYRIE
Perdoa-nos, Senhor, desses e tantos outros pecados. Deles nós nos arrependemos e buscamos teu perdão cantando: Tem Senhor Piedade. [Se preferir pode ser cantado o hino número 341 do HPD 2 – Ouve, Senhor, eu Estou Clamando (Número 63 do Livro de Canto)].

Tem Senhor piedade. Tem Senhor piedade. Tem Senhor piedade.

ANÚNCIO DO PERDÃO
Deus ouviu nosso clamor, porque em seu Amor Deus não quer que ninguém se perca, antes que se arrependa de seus pecados e volte novamente ao seu convívio. E, Deus sempre nos perdoa, quando arrependidos e arrependidas, confessamos os nossos pecados. E, em seu Nome, vos anuncio o PERDÃO de vossos pecados. Em Nome do PAI, e do FILHO, e do ESPÍRITO SANTO (†). Amém. Assim como vocês creem, assim seja!

GLÓRIA IN EXCELSIS
O Amor de Deus é sem fim, a ponto de enviar seu Filho Amado para nos perdoar. O perdão nos concede novamente a liberdade, a nova vida. E, a Deus que nos perdoa, alegres cantamos: Glória. [Se preferir pode ser cantado o hino número 256 do HPD 1 – Louvado Sejas Pai e Deus (Número 603 do Livro de Canto)].

Glória. Glória. Glória a Deus nas alturas. Glória. Glória. Paz entre nós. Paz entre nós.

ORAÇÃO DO DIA
Oremos: Senhor Deus! Agradecemos-te por mais esta semana que nos concedeste para vivermos em teu amor. Iniciamos um período onde tu nos chamas ao arrependimento, assim rogamos: concede teu Santo Espírito, o Espírito que nos convence do pecado, o Espírito que nos faz buscar a ti, o Espírito que nos para ouvirmos a tua Palavra e vivê-la em nosso dia a dia. Em Nome de Jesus Cristo, teu Filho amado, na comunhão do Santo Espírito. Amém. (A comunidade pode tomar lugar)

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURAS BÍBLICAS
“Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra, Senhor, e luz para os meus caminhos”.

A 1ª Leitura Bíblica se encontra no Salmo 32.1-11
A 2ª Leitura Bíblica na Carta aos Romanos 5.12-19

ACLAMAÇÃO DO EVANGELHO
Para aclamarmos o Evangelho de Deus, nós cantamos Aleluia.

Aleluia. Aleluia. Aleluia. Aleluia. 2x.

Leitura do Evangelho: Mateus 4.1-11

PREGAÇÃO
Oremos: Senhor! Nós te agradecemos por não desistires de nós e sempre de novo nos servires com a tua Palavra, teu Santo Evangelho. Assim rogamos: abre nossos corações para ouvirmos a tua Palavra, mais do que isso, que coloquemos em prática para Tua Honra e Glória. Em Nome de Jesus Cristo. Amém.

Amados irmãos, amadas irmãs.

Chegamos neste 1º Domingo da Paixão, o início de um período de 40 dias antes da Páscoa. Um período onde somos chamados ao arrependimento, mas arrepender-se do quê? O texto para a pregação do dia de hoje nos ajuda nesse sentido. O texto encontra-se no livro de Gênesis capítulo 2, versículos 15 ao 17. Essa é a primeira parte do texto da pregação.

Leitura Bíblica Pregação: Gênesis 2.15-17 (1ª. Parte)

Nesta parte do texto da pregação encontramos a maravilhosa Graça de Deus. Deus preparou com todo amor e carinho o Paraíso, o Jardim do Éden, e coloca o ser humano para habitá-lo. Este é o lugar onde Deus nos quer, isto é, no Paraíso. Acredita no ser humano e lhe confia o Paraíso para cultivar e guardar. Vejam que aqui não é um trabalho, mas uma atividade para ser exercida em liberdade. Sim, em liberdade; pois, Deus nos criou para sermos livres! E vai mais longe, concede o “Livre Arbítrio”. Parece estranho, mas, justamente, com uma “Ordem”, uma proibição, Deus concede o “Livre Arbítrio”, isto é, deu ao ser humano o poder de escolher entre a vida e a morte como lemos em Gênesis capítulo 2, versículos 16 e 17: “E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.
De fato, a Ação de Deus é maravilhosa, pois somente o ser humano livre é capaz de adorar verdadeiramente a Deus. Contudo, Deus é extremamente claro nas consequências da desobediência de sua ordem: “se comeres, certamente morrerás”. Aqui podemos nos perguntar: e nós, obedecemos a Palavra de Deus? Tememos seu castigo? Como nos diz o reformador Martim Lutero na explicação do primeiro Mandamento: “Devemos temer a Deus”, isto é, obedecer a Deus para não sofrermos o “Juízo” de Deus. Ou, pior, achamos que Deus é um “bocó” e não faz nada com a nossa desobediência? Neste ponto cada pessoa responde por si. Eu não posso, nem consigo responder pelo outro, somente por mim. E, é conforme a minha resposta, que um dia terei de prestar contas com e para Deus.
Um exemplo de resposta a essa ordem de Deus, encontramos em Gênesis capítulo 3, versículos 1 ao 7, que é a segunda parte do texto da pregação.

Leitura Bíblica Pregação: Gênesis 3.1-7 (2ª. Parte)

Aqui, encontramos a primeira tentação do ser humano. Tentação é o momento antes do pecado, aquilo que nos incita ao pecado, aquilo que nos motiva a pecar. Neste ponto entra o inimigo de Deus, o tentador. E, aqui no texto, por meio da serpente. O inimigo conhece a Palavra de Deus, entretanto coloca-a em dúvida: “É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim? ” (v. 1). Ou seja, o inimigo tenta tirar a credibilidade, a importância da Palavra de Deus. E, se a Palavra de Deus não é mais importante, tudo passa a ser permitido. O inimigo “relativiza” a Palavra de Deus, isto é, o certo não é mais o que Deus diz, mas o que eu interpreto daquilo que foi dito, ordenado. Neste sentido, talvez, possamos nos perguntar: Será que o tempo em que vivemos também já está relativizado? Onde cada pessoa julga para si o que lhe agrada como sendo o certo, deixando a Palavra de Deus completamente de lado?
O inimigo tenta relativizar, tirar a importância da Palavra de Deus. Contudo, Adão e Eva conhecem a Ordem de Deus, como lemos nos versículos 2 e 3: “E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, mas, do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais”. A Palavra de Deus é clara, inclusive a consequência da desobediência, aqui, a morte.
Contudo, o inimigo não desiste; e, mais uma vez tira a autoridade da Palavra de Deus e diz no versículo 4: “Certamente não morrereis”. Aqui, o inimigo, literalmente, chama Deus de “bocó”. Em outras palavras ele diz, Deus não vai cumprir a sua Palavra. Se Deus realmente é amor, Ele não vai condenar vocês. E, por último, vem a cartada final, a tentação que leva Adão e Eva ao pecado, como lemos no versículo 5: “Porque Deus sabe que, no dia em que dele comerdes, se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal”.
Nesse versículo está o pecado de Adão e Eva, o pecado conhecido como pecado “Original”, o qual leva à queda todo ser humano. Qual é o pecado? Querer ser “como” Deus. Esse é o pecado, ou seja, querer ser o próprio deus. Nesse sentido o ser humano não quer depender de ninguém, nem mesmo de Deus. Isto se torna visível nos dias de hoje em algumas falas, como por exemplo: “O mais importante é a saúde, o resto a gente dá um jeito”. Ou seja, se eu tenho saúde eu posso trabalhar, trabalhando eu consigo o meu dinheiro, com o meu dinheiro eu faço o que eu quero. No final das contas tudo é resultado do meu esforço, tudo é mérito meu; logo, eu me torno meu próprio deus. Essa tentação, não depender de Deus e ser como Deus seduz e leva ao pecado.
Agora, iludidos, aos olhos de Adão e Eva, o pecado até se torna agradável como lemos no versículo 6: “E, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento”; e como consequência do pecado, “ser como Deus”, eles desobedecem a Ordem dada por Deus e “tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela”, segunda parte do versículo 6. Aqui se dá a queda do ser humano. E, ao invés, de “ser como Deus” seu pecado mostra sua verdadeira natureza, isto é, a natureza “pecadora” como lemos no versículo 7: “Então, foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais”.
O pecado desnuda e nos faz ter vergonha diante de Deus a ponto de querermos fugir, como lemos no versículo 10: “Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me”. Entretanto, fugir de Deus não resolve a situação, muito pelo contrário, só piora. Essa é a resposta de Adão após ouvir o chamado de Deus, como lemos no versículo 9: “E chamou o SENHOR Deus a Adão e disse-lhe: Onde estás? ”.
Deus sabe que Adão e Eva pecaram; então, por que Deus os chama? Deus os chama porque quer lhes ajudar. Deus lhes concede a chance de reconhecerem seu pecado, assumirem e pedirem perdão. Neste caso, Deus poderia perdoá-los. Contudo, também essa tentativa de Deus fracassa; e, ao invés, deles assumirem e confessarem seu pecado, eles se auto justificam, encontram desculpas e culpam o outro. Adão coloca a culpa em Eva, e Eva coloca a culpa na serpente. Deste modo, ao Adão e Eva não reconhecerem seu pecado, ao não reconhecerem seu pecado, Deus também não os pode perdoar, restando apenas o juízo. Por Deus ser fiel e justo, leva a termo a sua Palavra; e, como resultado da desobediência só lhe resta aplicar a sentença como lemos nos versículos 23 e 24: “o SENHOR Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra, de que fora tomado. E, havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente do jardim do Éden e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida”. Esse é o resultado da desobediência à Palavra de Deus, a morte. E, para o povo judeu, morte é estar separado de Deus. Longe de Deus, mesmo que a pessoa respire, ande, faça determinadas coisas, ela está morta; pois, somente na união com Deus temos “vida”. Deste modo, Adão e Eva, separados de Deus, experimentam a morte, a expulsão do Jardim do Éden.
Assim, com o pecado, Adão e Eva perdem o “Livre Arbítrio”, isto é, escolher entre a vida e a morte, ficando apenas com o que Lutero chama de “Vontade Cativa”. O que significa isto? Vontade Cativa? Aqui, eles continuam com liberdade de fazerem o que quiserem, mas é uma vontade dominada pelo pecado, o qual conduz à morte. Decidir sobre a vida e a morte, esse arbítrio está unicamente nas Mãos de Deus.
Esse é o desfecho da desobediência a Deus, ou seja, a morte. Aqui também deveria terminar a pregação de hoje; mas, pergunto a vocês: Quem de vocês voltaria para a Igreja após ouvir essa sentença? Não tem nenhuma esperança, somente condenação, a qual nos leva ao desespero.
Porém, pergunto: É essa a Vontade de Deus? Não. Com toda a certeza não é a Vontade de Deus. Então qual é a Vontade de Deus? Essa resposta temos na 1ª. Carta a Timóteo capítulo 2, versículo 4: “o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”. Essa é a sua Vontade, a nossa salvação, que vivamos com Ele em seu Reino Eterno. Mas como Deus faz isso, como Deus faz para salvar o ser humano pecador?
Deus envia o que tem de mais precioso, seu Filho Amado Jesus Cristo para perdoar os nossos pecados. Essa certeza nos lemos em João capítulo 3, versículo 16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. A Obra de Cristo está completa, por meio de sua morte, e morte de Cruz, Ele perdoa os nossos pecados. Contudo, essa Obra precisa acontecer, tornar-se plena em nossa vida. Aqui Jesus Cristo nos chama e diz: “Arrependei-vos e crede no evangelho” (Marcos 1.15).
Aqui, volto a pergunta inicial: “Arrepender-se do quê? Arrepender-se dos pecados cometidos. E, aqui, o Período da Paixão é um tempo especial para avaliarmos nossa vida. Ver onde cometemos erros, onde pecamos. Podermos confessá-los, assim como o ladrão crucificado com Jesus Cristo, o qual reconhece que sua sentença é justa por causa dos pecados cometidos. E, ao reconhecer, ouve do próprio Jesus Cristo: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”.
Que essas Palavras também possam ser ouvidas por nós; e, podermos no Domingo de Páscoa celebrar a vitória da Vida sobre a morte, o Triunfo de Jesus Cristo com a Ressurreição. E, por fim, nos alegrarmos com o apóstolo Paulo, como lemos em Romanos capítulo 6, versículo 8: “Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos”.
Que Deus nos ajude. Amém.

CONFISSÃO DE FÉ
Em resposta à Pregação da Palavra de Deus, nós confessamos a nossa fé nas Palavras do Credo Apostólico. (Quem puder se colocar em pé)

Creio em Deus Pai, todo poderoso, criador ... e na vida eterna. Amém. (A Comunidade pode sentar)

CANTO PÓS CONFISSÃO
Nós pecamos, mas o castigo recai sobre outra pessoa, Jesus Cristo. O próximo hino demonstra isso. Nós cantamos o hino número 48 do HPD 1 – Ó Meu Jesus (Número 426 do Livro de Canto).

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ hs.
Destino da oferta: _________________________________________
Oferta do último Culto: R$ __________________________________
Destinada para ____________________________________________

ANIVERSARIANTES
_______________________________________________________

ORAÇÃO GERAL DA IGREJA E DE INTERCESSÃO
(Quem puder se colocar em pé). Oremos: Querido e bondoso Deus. Nós te agradecemos por todos os benefícios imerecidos que tu nos concedes. Tu nos dás a tua Palavra, perdoas os nossos pecados e nos concedes a vida nova em Cristo Jesus. Tudo fazes por teu paterno e infinito amor. Intercedemos para que esse amor alcance as pessoas que ainda não te conhecem, utiliza-nos como teus instrumentos para proclamarmos a todos os povos que em Cristo tu nos Salvas. Intercedemos especialmente pelas pessoas que se perderam na caminhada e necessitam de tua orientação e auxílio. Isso e tudo mais nós colocamos em tuas mãos, ao orarmos como Jesus Cristo, teu Filho amado, nos ensinou:

PAI NOSSO
Pai nosso que estás nos céus. Santificado...

LITURGIA DE DESPEDIDA

BÊNÇÃO
O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz. †. Amém.
Antes de recebermos o Envio, nós ainda cantamos o hino

CANTO FINAL
Antes de recebermos o envio, nós ainda cantamos o hino número 210 do HPD 1 – Guia-nos Jesus; (Número 604 do Livro de Canto).

ENVIO
Sob a Bênção de Deus, alimentados com a sua Palavra, vamos e sirvamos ao Senhor com alegria. Amém.


Autor(a): Pastor Clodoaldo Kemke
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo da Páscoa
Natureza do Domingo: Quaresma
Perfil do Domingo: 1º Domingo na Quaresma
Testamento: Antigo / Livro: Gênesis / Capitulo: 2 / Versículo Inicial: 15 / Versículo Final: 17
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2023
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 69155

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

A vida cristã não consiste em sermos piedosos, mas em nos tornarmos piedosos. Não em sermos saudáveis, mas em sermos curados. Não importa o ser, mas o tornar-se. A vida cristã não é descanso, mas um constante exercitar-se.
Martim Lutero
REDE DE RECURSOS
+
Senhor, tu és bom e compassivo, abundante em benignidade para com todos os que te invocam.
Salmo 86.5
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br