IECLB e Conselho Mundial de Igrejas



ID: 2701

Mudando o mundo juntos

08/02/2006


Mudando o mundo juntos

As assembléias do CMI têm sido eventos de referência na vida do movimento ecumênico durante quase 60 anos, reunindo um espectro abrangente de cristãos e igrejas. Espero que essa Assembléia, sendo a primeira do século XXI, venha marcar o começo de uma nova fase na busca de unidade cristã e se caracterize por sua visão de uma nova cultura e novas formas para o moderno movimento ecumênico.

Um contexto global em transformação

A nona Assembléia acontece em um momento de muita injustiça, pobreza e desespero. Os imensos desafios que a humanidade enfrenta neste momento demandam um discernimento profundo dos sinais dos tempos, e visões corajosas de esperança do movimento ecumênico. Nosso mundo necessita de transformações profundas.

Vivemos em uma época marcada pelo poder destrutivo e pela degradação da dignidade humana. A globalização econômica e cultural, as novas formas de militarismo e dominação e a destruição ecológica poucas vezes foram tão claras. Os modelos econômico e político predominantes em nível internacional fracassaram em estancar a maré de injustiça de desigualdade.

O contexto religioso também está em evolução, e a identidade religiosa voltou à esfera pública de várias formas. Enquanto o século XX foi dominado pelo confronto entre ideologias, a “identidade” está surgindo como um dos aspectos que causam divisão no século XXI. Todos os cristãos são desafiados a considerar sua identidade no contexto de uma nova pluralidade religiosa.

Uma agenda ecumênica renovada

Deus, em tua graça, transforma o mundo, o tema da Assembléia, é uma oração e uma esperança ao mesmo tempo. Ele nos lembra que Deus, em Cristo, ofereceu à humanidade e a toda a criação a reconciliação e uma nova vida, e me inspira a acreditar que a Assembléia pode dar impulso a uma agenda ecumênica renovada para o século XXI.

Contra o pano de fundo do conflito continuado no Iraque e da guerra contra o terror, a Assembléia marcará os primeiros cinco anos da Década para Superar a Violência, lançada pelo CMI em 2001 como forma de mobilizar as iniciativas e os recursos que as igrejas dedicam à paz. A questão para as igrejas permanece: como podemos, juntos, estimular uma cultura de paz, buscando restaurar a autêntica natureza da humanidade, em um contexto em que a violência prevalece tanto?

Na oitava Assembléia, em Harare, no Zimbábue, em 1998, o CMI e o movimento ecumênico estabeleceram um compromisso de caminhar em solidariedade com a áfrica. Mesmo assim, no momento em que nos reunimos, regiões inteiras do continente enfrentam a fome mais uma vez. A condição da África nos desafia a pensar o que seria necessário para tirar o continente da pobreza. Está claro que somente a ajuda, mesmo que em grande quantidade, não é a resposta, e que a força moral dos africanos deve estar no centro de qualquer solução duradoura.

Existem, é claro, outras questões críticas que as igrejas não poderão evitar na Assembléia, incluindo as sociais e éticas. Desde a Assembléia de Harare, o CMI conseguiu proporcionar uma plataforma para as igrejas discutirem diferenças importantes de forma responsável. O Conselho deve continuar a capacitar as igrejas para comparar suas diferenças por meio do diálogo, e a redescobrir uma voz comum, sempre que possível.

Eu gostaria de dar mais atenção a duas áreas em especial, no futuro. Espero que a presença e a participação dos jovens seja visível e substancial durante a assembléia. Suas aspirações e interesses devem ser ouvidos, e seu envolvimento deve continuar para além do evento. Em segundo lugar, estou convencido de que o movimento ecumênico terá que levar a espiritualidade muito mais a sério, para estimular e dar um suporte mais integral à nossa experiência ecumênica juntos.

Uma nova cultura e novas formas

O CMI, mais do que qualquer outra coisa, é uma comunidade fraternal de igrejas. Nos últimos anos, temos declarado repetidas vezes nosso desejo de aprofundar e ampliar essa comunidade fraternal. A Assembléia é uma oportunidade única para que as igrejas se escutem. Ao fazermos isso, espero que encontremos formas de trabalhar conjuntamente que venham a fortalecer nosso sentido de apropriação e participação.

A Comissão Especial sobre a Participação Ortodoxa no CMI, formada na última Assembléia, abriu caminho para mudanças importantes no etos e na cultura do Conselho, que irão beneficiar nosso trabalho e nossa vida juntos. Estou convencido de que a adoção de um modelo de consenso para a tomada de decisões nos ajudará muito a aprofundar o sentido de irmandade e a abordar questões difíceis com discernimento.

Quando o movimento ecumênico observa a proliferação de suas estruturas em todos os níveis, fica claro que essa multiplicação de organismos não é sustentável. Ela pode desviar recursos humanos e financeiros das atividades ecumênicas nas igrejas e na sociedade, para a manutenção de estruturas que se sobrepõem. Estou ávido para que desenvolvamos uma nova abordagem em relação ao ecumenismo no século XXI e considerar com seriedade novas formas e configurações.

Prioridades redirecionadas dentro do CMI

A principal missão do Conselho permanece sendo a de promover a unidade cristã visível. A Assembléia também pode dar impulso a novas formas de trabalho. Entretanto, ao avaliarmos nosso trabalho com programas no último período, ficou claro que o CMI deve fazer menos e fazê-lo bem.

O movimento ecumênico moderno surgiu a partir de uma série de correntes históricas - fé e ordem, vida e trabalho, o movimento de missões - bem como as iniciativas dinâmicas dos movimentos jovens. Elas proporcionaram a base para as atividades do CMI. No início do século XXI, está cada vez mais claro que o movimento atingiu um importante ponto de transição e que novas categorias de atividade podem ser necessárias.

Sendo assim, espero que o Conselho se dedique a menos atividades programáticas, mas aprofunde seu envolvimento em áreas estratégicas. Também temos que encontrar novas formas de nos relacionar e nos comunicar com nossas igrejas-membro e nossos parceiros ecumênicos, e de avançar rumo a uma forma mais integrada, interativa e dinâmica de trabalhar com nossos membros.

Áreas como defesa de direitos e diaconia são centrais à missão e à existência das igrejas. Nelas, precisaremos re-organizar nosso trabalho e nos adaptar a novas oportunidades, de forma que possamos integrar nossa reflexão e nossa ação com relação a questões de economia justa, ecologia e desenvolvimento sustentável.

O estímulo das igrejas a uma cultura de paz, capacitando-se para ser comunidades morais e recusando o intolerável, permanecerá como um foco central do trabalho do CMI. A tensão que se desenvolve entre diferentes tradições religiosas aponta para a necessidade de aprofundar nossas relações com vizinhos de outras fés, avançando além do diálogo, à colaboração ativa em áreas de interesse comum.

Em todas as áreas, precisamos encontrar novas formas de possibilitar a participação de jovens e abordagens criativas à formação ecumênica e à educação de lideranças, para que possamos ver nossos jovens se tornando atores centrais no CMI, agora e no futuro.

Sinais de esperança

Reunimo-nos na América Latina, onde muitas das preocupações e desafios que mencionei são questões de vida e sobrevivência. O testemunho das igrejas latino-americanas em meio à injustiça extrema e ao impacto da globalização pode oferecer um modelo de resistência profética e esperança, para inspirar a todos nós.

Não devemos subestimar o potencial real das igrejas, juntas, de contribuir para a transformação do mundo, apesar da realidade das dificuldades que enfrentamos. Com fé comum e esperança renovada, qualquer coisa é possível. Que essa Assembléia possa, mais uma vez, dar sinais visíveis de uma voz e um testemunho cristãos em comum, para um mundo transformado.


Fonte: Samuel Kobia, Secretário Geral do Conselho Mundial
 


Autor(a): Samuel Kobia
Âmbito: IECLB / Organismo: Conselho Mundial de Igrejas - CMI
Natureza do Texto: Artigo
ID: 21090
Meu filho, escute o que o seu pai ensina e preste atenção no que a sua mãe diz. Os ensinamentos deles vão aperfeiçoar o seu caráter.
Provérbios 1.8-9
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br