Deus é castelo forte e bom

Comentário e reflexão

29/06/2012

HPD nº 97 - Deus é Castelo forte e bom

O mais conhecido dos corais de Martim Lutero é Ein Feste Burg ist unser Gott (Um Castelo Forte é o Nosso Deus), cuja melodia procede do Canto Gregoriano; o texto é uma paráfrase do Salmo 46, cujo tema é a confiança em Deus: Deus é nosso refúgio e fortaleza...

Podemos imaginar Lutero contemplando os muros do castelo de Wartburg nos dias que antecederam seu julgamento em Worms (1521). Sua confiança estava em Deus. Ele sabia que Satanás era o seu grande Inimigo; seu defensor era Jesus. Os adversários procuravam prendê-lo e matá-lo; a Palavra de Deus tinha poder para salvá-lo. Nada – ódio, ofensa, morte – poderia atingi-lo, porque o Reino de Deus é eterno! Lutero cria que o hino tinha poder para transmitir substância teológica.

Quanto à data de elaboração do hino, existem algumas hipóteses:

1. numa noite de abril de 15211, preparando-se para obedecer à intimação pelo imperador Carlos V de comparecer perante o parlamento em Worms, onde defendeu suas obras teológicas; tendo saído de Wartburg e passado a noite com os Agostinianos na fortaleza Marienberg, em Wurzburg, próxima do rio Meno; o papa Leão X tinha inscrito o nome de Lutero na lista dos hereges, banindo-o da Igreja Católica;

2. algum tempo depois de 1521, lembrando-se do julgamento em Worms;

3. em 1527, quando sofreu sua primeira crise renal;

4. em outubro de 1527, por ocasião do décimo aniversário da afixação das Noventa e Cinco Teses na porta da capela do castelo em Wittenberg;

5. em 1527, quando soube da execução de crentes reformados em Bruxelas;

6. em 1529, por ocasião da invasão turca do Ocidente.

Lutero imprimiu o hino em folhas de papel, sem a melodia, que rapidamente se espalharam pela Alemanha; em 1529, o hino foi incluído na coletânea Geistlich Lieder (Cânticos Espirituais), publicada por Joseph Klug.

Em 19 de abril de 1529, as autoridades alemãs que adotavam as idéias de Lutero apresentaram, ao parlamento reunido em Espira, um protesto (daí o apelido Protestantes) contra as medidas legislativas referentes à liberdade de culto, que significavam séria ameaça à Reforma. Neste ambiente crítico, deprimidos, mas inspirados pelo Salmo 46, os crentes cantaram o hino de Lutero.

O mais antigo hinário existente, em que este hino aparece, é o de Andrew Rauscher (1531), mas é provável que ele figurasse já no hinário de Wittenberg, de Joseph Klug, de 1529, do qual não existe cópia. Seu título era “Der XXXXVI. Psalm”. Deus noster refugium et virtus. Antes disso é provável que tenha figurado no Hinário de Wittenberg, de Hans Weiss de 1528, também extraviado. Esta evidência reforça a idéia de que fora escrito entre 1527 e 1529, já que os hinos de Lutero eram impressos imediatamente após serem escritos.

Quem muito colaborou para difundir este hino de Lutero na Alemanha, foi o sapateiro e poeta de Nurenbergue Hans Sachs (1494-1576). Ele mandou imprimir folhetos volantes que podiam ser vendidos bem barratos. Neles estava representada (1) a xilogravura de Albrecht Dürer (1471-1528) entitulada “Ritter, Tod und Teufel” (Cavaleiro, Morte e Diabo) feita em 1513, (2) o texto do hino “Deus é castelo forte e bom...” e (3) a seguinte observação: >>Cada cristão corajoso, usando a “armadura de Deus” (Efésios 6,11), tranquilo e seguro como este cavalheiro, consegue atravessar o deserto espinhento e arrepiante desta vida, cheia de lama e imundície, e não precisa temer nem morte, nem o diabo, mas, dirigindo seu olhar para a cidade de Deus em cima do monte da salvação, pode vencer e desprezar morte e diabo, como este velho cavalheiro o faz, e pode cantar ainda alegremente: “Se inúmeros demônios vêm, querendo exterminar-nos: Sem medo estamos, pois não tem poder de superar-nos.”

Heinrich Heine referiu-se a esse hino como a Marselhesa da Reforma Protestante. Johann Sebastian Bach utilizou sua melodia como tema da Cantata BWV 80. Felix Mendelssohn-Bartholdy empregou-a no último movimento da sua 5ª sinfonia (Sinfonia da Reforma). Na ópera Os Huguenotes de Giacomo Meyerbeer, é utilizada diversas vezes como Leitmotiv. É também citada na ópera Friedenstag, de Richard Strauss.

No desenho animado Os Simpsons, a campainha da porta de Ned Flanders, o alegre devoto religioso, vizinho de porta, às vezes toca Castelo Forte é nosso Deus.

Fontes:

- Rolando de Nassau em http://www.musicaeadoracao.com.br/hinos/hino_lutero.htm#b ;

- http://pt.wikipedia.org/wiki/Ein_feste_Burg_ist_unser_Gott , e

-  Wolfgang Heiner em “Bekannte Lieder – wie sie entstanden” Neuhausen-Stuttgart, 1989, pág.42.

Nota: 1Wolfgang Heiner, em “Bekannte Lieder – wie sie entstanden”, afirma: “…entstand in der Nacht vom 15. Zum 16. April 1521 in Oppenheim. Es war die letzte Nacht, die Luther auf der Reise nach Worms verbrachte.”



 


Autor(a): Leonhard Creutzberg
Âmbito: IECLB
Hino: 97. Deus é castelo forte e bom
Título da publicação: Hinos do Povo de Deus Comentados / Ano: 2012
Natureza do Texto: Música
Perfil do Texto: Comentário ou reflexão sobre hino
ID: 15376
REDE DE RECURSOS
+
Fé e amor perfazem a natureza do cristão. A fé recebe, o amor dá. A fé leva a pessoa a Deus e o amor a aproxima das demais. Por meio da fé, ela aceita os benefícios de Deus. Por meio do amor, ela beneficia os seus semelhantes
Martim Lutero
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br