Romanos 5.1-11 - 3º Domingo na Quaresma - 12/03/2023

Caderno de Cultos 2023 - Sínodo Mato Grosso

16/12/2022

12/03/2023 - 3º Domingo na Quaresma
Pregação: Romanos 5.1-11;
Leituras: Êxodo 17.1-7 * Salmo 95 * João 4.5-42
Pastor Adriel Raach – Comunidade de Cuiabá - MT


LITURGIA DE ABERTURA

ACOLHIDA
A palavra de Deus nos acolhe neste culto, conforme Filipenses 2.8 que diz: “Jesus Cristo a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte e morte de cruz.”
- Bom dia (boa noite)! Sejam bem-vindos, bem-vindas a este culto, o 3º domingo na quaresma. Queremos reafirmar nossa fé em Jesus Cristo, o Filho de Deus, que se entregou à morte na cruz para nos salvar. A humilhação à qual ele se sujeitou não foi em vão, mas sim nos concedeu e concede a cada dia nova vida, novo ânimo para seguir servindo a Deus em amor e obediência. Que a graça e o amor do Bondoso Deus esteja conosco! Amém!

Neste culto nós nos encontramos com o próprio Deus. Ele está aqui. Assim, todas as pessoas que nos visitam, sintam-se acolhidas também pelo Deus bondoso!

CANTO DE ENTRADA
Nº 03 - LCI – Em nome do Pai
Ou: Nº __26 – LCI – Reunidos aqui_____

SAUDAÇÃO
Nós celebramos este culto em nome e na presença do Trino Deus, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Amém.

CANTOS DE INVOCAÇÃO
Nº 01 - LCI – Saudação apostólica
Ou: Nº 14 – LCI – Deus está presente_________________________

CONFISSÃO DE PECADOS
Confessemos os nossos pecados a Deus. Feche os olhos, vamos falar com Ele.
- Pai de amor, estamos reunidos em culto hoje para render graças a ti. Mas, antes de tudo, precisamos reconhecer que falhamos contigo e com o nosso próximo. Julgamos as pessoas, fazemos comparações e acabamos por diminuir o outro, como se fôssemos divididos em categorias. Perdão, Senhor. Ajuda a enxergarmos a tua imagem e semelhança em toda a tua criação, em especial na face do nosso próximo. Perdoa a nossa falta de fé. Perdoa nossos medos, nossa impaciência e nossa falta de compromisso com a tua missão. Queremos nos engajar sempre mais e mais no trabalho da tua Seara e, para isso, rogamos que nos purifiques, através de teu Filho, Jesus Cristo, ajuda-nos a produzir bons frutos. Amém.

ANÚNCIO DO PERDÃO
O arrependimento é o primeiro passo para a mudança de atitude. Se queremos verdadeiramente receber o perdão de Deus em nossas vidas, precisamos ser sinceros. Deus nos conhece. Ele sabe o que passa no teu coração agora. E ele te perdoa. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

KYRIE
Lembramos das situações de sofrimento que o mundo enfrenta. Famílias sofrendo com a dor do luto, pessoas com dificuldades financeiras, desempregadas, imigrantes, vítimas de conflitos armados, falta de amor e uma crescente desumanidade, brigas nas famílias, discórdia e falta de paz, além do descaso com a natureza. Deus de amor, tem compaixão, apressa-te em socorrer-nos!
Cantemos, Nº 56 – LCI – Pelas dores deste mundo

GLÓRIA IN EXCELSIS
Rendamos glórias a Deus nas alturas dos céus! Fazemos isso lendo o Salmo do dia, o Salmo 95:

ORAÇÃO DO DIA
Deus, bondoso e compassivo, tu desejas que vivamos bem, e por isso deste o teu Filho em nosso favor. Neste encontro viemos a ti suplicando por ajuda para sermos corretos no pensar e agir. Pela tua palavra que se fez carne e nos encheu da verdade através do Espírito, permita que permaneçamos firmes, escutando o que queres nos ensinar, pois sabemos que tu és um Deus de amor e paz e que desejas o melhor para todos nós. Por Jesus Cristo, teu Filho, que contigo e com o Espírito Santo vive e reina de eternidade a eternidade Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

LEITURAS BÍBLICAS
1ª Leitura Bíblica: Êxodo 17.1-7

CÂNTICO INTERMEDIÁRIO
Nº 152 – LCI – Pela palavra de Deus

2ª Leitura Bíblica: Romanos 5.1-11

Aclamação do Evangelho: 148 – LCI – Felizes os que ouvem
Leitura do Evangelho: João 4.5-42

PREGAÇÃO: Romanos 5.1-5
A graça e a paz do nosso Senhor Jesus Cristo estejam com todos, o amor de Deus, o Pai e a Comunhão com o Espírito Santo nos envolvam e nos tornem parte da mesma comunhão. Amém.
- Conta-se que um rio nasceu no alto de uma enorme montanha. Iniciou sua jornada, e foi descendo pela encosta e, pouco a pouco foi crescendo, aumentando de volume. Projetou-se numa maravilhosa cachoeira e atingiu o pé da montanha. Foi abrindo passagem entre as árvores e pedras, algumas mais facilmente e outras com maior dificuldade. Admirava sua força! A habilidade de contornar obstáculos e cada vez crescia mais. Passou por planícies e por áreas ressecadas. Foi criando condições de que as sementes florescessem e dessem frutos. Matou a sede da terra, de povos de animais e de pássaros. Conheceu outras correntes de água e as reuniu em si, tornando-se maior e mais fecundo. Os peixes, multiplicavam-se em suas águas. Ele era muito feliz. Certo dia, porém, foi despertado para uma realidade: seu caminho seguia em direção ao mar. Chegaria o momento em que ele iria penetrar no mar e, assim pensava, desaparecer para sempre. Pensou num meio de fugir dessa realidade. Mas não havia como saltar sobre o mar, nem tão pouco voltar atrás. Os rios não voltam! Ao fazer a grande curva avistou o mar. Era enorme! Parecia não ter fim! Ele teve medo. Contudo, percebeu que esse era o seu destino e, temeroso, porém, confiante, fez a sua última descida e entrou no mar. Descobriu então a grande verdade: entrar no mar não é desaparecer! E sim tornar-se parte do mar. O pequeno Rio tornou-se parte do mar junto com tantos outros rios que haviam chegado de todos os cantos do mundo. Agora ele já não era só. Era parte do todo onde, de mãos dadas, todos eram um. Enfim, ele desapareceu como um rio, mas renasceu como um mar.
- Irmãos, irmãs. Todas as pessoas deste mundo estão como que descendo montanha abaixo. O tempo é como um rio: não volta atrás! Por mais que a gente queira, nunca será possível desfazer ou refazer o passado. O caminho que trilhamos pode ser mais longo para alguns, mais curto e rápido para outros. Algumas vezes teremos a impressão de estarmos seguindo sozinhos. Às vezes teremos a impressão de que nossa jornada não faz sentido. Outras vezes sentiremos nossas águas poluídas, pouco produtivas. Mas, também terão trechos em que iremos percorrer e produzir muitos e muitos frutos, regar e espalhar sementes que ficarão para os que vêm depois de nós.
- O temor que toma conta deste rio ao se dar conta de que teria que se unir ao mar, provavelmente é também o nosso temor quando nos deparamos com o desconhecido.
- Desconhecemos o mistério da ressurreição, o mistério de um Deus que nos aceita, nos acolhe como amigos mesmo que nossa ação nos denuncie como seus inimigos! Mesmo que passemos por sofrimentos, por provações e, vamos passar por tudo isso aqui no mundo, é nessa dinâmica, no exercício da paciência que a nossa esperança é alcançada pela ação salvífica de Deus. (v.4). Desconhecemos a profundidade dessa comunhão entre Ele e nós. E, “agora que fomos aceitos por Deus pela nossa fé nele, temos paz com ele por meio do nosso Senhor Jesus Cristo.” “...Deus derramou o seu amor no nosso coração, por meio do Espírito Santo, que ele nos deu.”
- Todas essas afirmações do Apóstolo Paulo, revelações divinas que inspiram a fé dos cristãos desde o começo da igreja, indicam como a morte de Cristo Jesus na cruz e sua ressurreição incluem a todas as pessoas que creem. “...nos alegramos na esperança de participar da glória de Deus.”
- Nosso Deus é triúno: Pai, Filho e Espírito Santo. Podemos descrever em detalhes a função que cada pessoa da trindade exerce. Falamos do Pai Criador, aquele Deus dos exércitos, do Antigo Testamento, guiando o povo pelo deserto, revelando as visões e as profecias, instruindo o povo através das leis e prometendo um povo forte e numeroso a Israel. – Falamos do Filho, o Messias, Ungido e escolhido para cumprir as profecias daquele que viria para libertar o povo da escravidão do pecado, em quem seria finalmente revelada a glória de Deus, pois ele era o próprio Deus. Seu amor e sua bondade, seu exemplo e sua morte na cruz alcançariam o mundo inteiro, porque Deus é Deus sobre tudo e sobre todos. Mas, para isso, era preciso que ele voltasse para junto do Pai, e, finalmente chegaria a vez do Espírito Santo, onipresente, onisciente, novamente o próprio Deus, agora habitando cada ser vivo deste mundo através do sopro original, o ruah, o ânima, o sopro da vida, que conduz cada um e cada uma de nós na jornada da vida.
- Quando a nossa vida, finalmente chega ao fim, esse fôlego, esse sopro que veio de Deus para dentro de nós retorna a Ele, como um pequeno rio desaguando no mar, unindo-se, não somente à imensidão do vasto universo criado, como também com o próprio Espírito Santo, o vento, a brisa, a tempestade de onipresença, onisciência, que permite seguir, que anima e renova a criação.
- A última manifestação de Deus a nós, que nos dá a certeza da fé em Cristo Jesus é o que está dentro de cada um e cada uma de nós, desde sempre: quando Deus nos deu a vida, lá no início de tudo, em Gênesis, Ele soprou nas narinas de Adão, o fôlego da vida! O Espírito, o Anima(ânimo), Ruah, em Hebraico. Em seguida, aquilo que era para ser apenas um boneco de barro, se transformou em um ser vivo, ser humano, à imagem e semelhança de Deus.
A nossa vida, em comunidade, em família e até mesmo individualmente vai seguir um curso, como o rio da nossa história. A partilha, as contribuições ao longo da jornada, os tempos de sofrimento e de alegria, de fartura e escassez farão parte. Se tentarmos conter nossas águas, represadas em egoísmos, individualismos, podemos estar asfixiando parte do nosso percurso. Assim como o rio não volta, nossas mágoas e decepções do passado não farão mais diferença lá atrás. Assim como o tempo não para, não nos dá uma pausa também não podemos tentar prender o Espírito Santo dentro de nós, nossos dons, nossos nutrientes e nossa vida que gera vida.
- Por fim, gostaria ainda de falar da paciência citada no texto pelo apóstolo Paulo. Ele diz que a paciência traz a aprovação de Deus, e essa aprovação cria a esperança. Sei que nos sentimos impacientes, muitas vezes, uns com os outros e com o mundo em geral. Mas, percebam como sempre, ao final de uma fala irritada e carregada de ódio vem o sentimento de decepção e desesperança com relação ao futuro. A paciência inspira confiança em Deus, de que as coisas vão melhorar, a seu tempo. Assim, podemos alimentar nossa esperança.
Diante do desconhecido, da imensidão que nos parece ser a comunhão com Deus, Pai de Jesus Cristo, vamos ter esperança e partilhar um pouco de nós, durante toda a nossa jornada, contando sempre com a companhia de Deus. O Trino Deus nos abençoe e nos guarde na fé, Amém.
HINO
Nº 412 - LCI – Foi no calvário

CONFISSÃO DE FÉ
Confessemos juntos a nossa fé no Trino Deus, através das palavras do Credo Apostólico.
Creio em Deus Pai, ...

CANTO PÓS CONFISSÃO (proceder motivação e o recolhimento das ofertas)
Nº 84 - LCI – Te agradeço

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO
Motivos de Oração:
1. Aniversariantes
2._______________________________________________________
3._______________________________________________________
4._______________________________________________________
5._______________________________________________________
6._______________________________________________________
Querido e amado Deus! Achegamo-nos a Ti com alegria e esperança, queremos ouvir ao teu chamado e seguir o curso da nossa vida para que se cumpra em de nós a tua santa Missão neste mundo. Obrigado por tudo o que temos e somos, porque tu nos concedes isso tudo de graça.
- Durante este culto, no momento da palavra da pregação e nos hinos e orações... Tu ouviste cada um e cada uma de nós aqui presente, seja em voz alta, ou no silêncio do coração. Tu sabes, Pai, quais e quantas são as dificuldades que enfrentamos nesta vida. Olha por nós, Senhor, cada situação que foi lembrada, falada, pensada, olhe para cada um de nós em nossa vida, olhe nossas famílias, nossos líderes, as autoridades, nosso país. Olhe não com olhar de julgo, mas de amor, de carinho, de atenção, de ajuda. Abençoa a atuação da tua Igreja neste mundo, nesta comunidade. Todo o nosso labor seja para a tua honra e glória. - Senhor! Toda a nossa vida está em suas mãos, aliás, tudo está em suas mãos. Use-nos como um rio de águas límpidas que é capaz de regar a vida por onde passa. Ajuda-nos sempre a sermos fiéis a ti não dando importância a velhos conceitos que já foram superados por teu Filho. Oramos a ti, confiantes de que tu nos ouves e nos atende segundo a tua misericórdia. Em nome de Jesus, teu filho, que nos ensinou a orar:
PAI NOSSO
Pai nosso ...

LITURGIA DE DESPEDIDA

AVISOS
Próximo Culto: ___/___/______ às ___:___ h.
Oferta último Culto: R$ _________ - destinada para ...
______________ _________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________

BÊNÇÃO
Que Deus te abençoe e te guarde. Que Ele faça resplandecer o seu rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti. Que Deus, sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

ENVIO
Vão em paz e sirvam ao Senhor com alegria!
Demos graças a Deus!

CANTO FINAL
Nº 287 - LCI – Cuida bem
 


Autor(a): Pastor Adriel Raach
Âmbito: IECLB / Sinodo: Mato Grosso
Área: Celebração / Nível: Celebração - Ano Eclesiástico / Subnível: Celebração - Ano Eclesiástico - Ciclo da Páscoa
Testamento: Novo / Livro: Romanos / Capitulo: 5 / Versículo Inicial: 1 / Versículo Final: 11
Título da publicação: Caderno de Cultos - Sínodo Mato Grosso / Ano: 2023
Natureza do Texto: Pregação/meditação
Perfil do Texto: Prédica
ID: 69157
REDE DE RECURSOS
+
O ponto principal do Evangelho, o seu fundamento, é que, antes de tomares Cristo como exemplo, o acolhas e o reconheças como presente que foi dado a ti, pessoalmente, por Deus.
Martim Lutero
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br