Comunidade em Belo Horizonte

Sínodo Sudeste



Rua Dona Salvadora , 37 - Serra
CEP 30220-230 - Belo Horizonte /MG - Brasil
Telefone(s): (31) 3281-1988
belohorizonte@luteranos.com.br
ID: 363

Relatórios para Assembleia Geral Março 2018

Palavra da Presidência – Cléris Hollerbach
Assembleia Geral
Belo Horizonte, 04 de março de 2017
Até aqui o Deus Eterno nos ajudou (1Samuel 7.12). Com essas palavras quero agradecer a Deus e em seguida a diretoria, o presbitério, o pastor Nilton e a todos os membros que me ajudou a conduzir a Comunidade nos últimos 4 anos que estive no cargo de presidente.

No primeiro mandato fui eleita como vice-presidente, mas devido a ausência do presidente Paulo Gomes, tive que assumir a presidência da diretoria. A partir de junho de 2015 – com a renúncia do presidente – tive que assumir a presidência e fui eleita para um segundo mandato em 2016. 
Durante esse tempo tivemos reuniões mensais com a diretoria e com o presbitério- sempre com a presença do pastor Nilton – para planejar e executar os trabalhos em favor da nossa Comunidade.
Os principais trabalhos realizados nesses 4 anos foram:
- Escolha do Pastor Nilton
- Mudança da contadora
- Viagem de um grupo da Comunidade para a Alemanha no intercâmbio com a Comunidade de Schwaig
- Mudança da secretária da Comunidade
- Pintura do templo
- Organização do jardim
- Festa de Ação de Graças – cada ano com maior participação!
- Regularização das finanças
- Realização de vários eventos em comemoração aos 500 anos da Reforma Luterana
- Apoio aos projetos diaconais realizados pelo Pastor Nilton, como instalação do som e do sino no templo, a reunião mensal dos professores da IBML e a RádioWeb Luteranos UAI.
- Elaboração do Planejamento Missionário no ano de 2017.
- Aquisição dos novos hinários
- Troca do carro da Comunidade
- Reforma das salas do culto infantil e do bazar.
Mais uma vez quero agradecer a todos que colaboraram com minha gestão e estou disponível para responder qualquer pergunta que a Assembleia queira fazer. Muito obrigada pela confiança depositada na minha pessoa.
Cléris Hollerbach
Presidente

 

Relatório Pastor Nilton Giese
Assembleia Geral da CECLBH – 04 de março de 2018
A missão da IECLB é propagar o Evangelho de Jesus Cristo, estimulando a sua vivência pessoal na família e na comunidade e promovendo a paz, a justiça e o amor na sociedade brasileira e no mundo (Art 3º da Constituição da IECLB).
Belo Horizonte é a terceira maior região metropolitana do Brasil, mas a nossa Comunidade Luterana comporta aproximadamente 400 pessoas, sendo somente 170 pessoas contribuintes. Somos uma das menores Comunidades em função paroquial da IECLB e estamos muito distantes de outras comunidades/paroquias da IECLB. Isso impossibilita o apoio e o trabalho conjunto inter-parroquial e/ou sinodal.
Mesmo assim, somos uma comunidade que abriga a IBML - uma das maiores instituições diaconais da IECLB – com 4 frentes de atuação, trabalhando com 140 crianças e adolescentes em situação de risco social e cuidando integralmente de 15 pessoas idosas. Por isso, quando falamos em ser igreja em Belo Horizonte – apesar de nosso isolamento e nossas limitações de recursos e pessoal – além de dar sustentabilidade a nossa comunhão eclesial nos preocupamos também em impactar positivamente nosso testemunho cristão com nossa presença nas comunidades de favela do Aglomerado da Serra em Belo Horizonte e Justinópolis em Ribeirão das Neves. Nessas comunidades, além de cuidar de crianças e adolescentes, procuramos também acompanhar pastoralmente tanto aos professores(as), como aos familiares das crianças e adolescentes.
No âmbito eclesial, nossa maior atividade semanal em Belo Horizonte é o culto dominical com uma média de 59 adultos e 10 crianças por culto. As demais atividades diárias da CECLBH enfocam pequenos grupos, pois no contexto urbano uma das grandes necessidades são espaços de comunhão. Isso significa que – além da formação de lideranças – o trabalho pastoral é bastante intenso para atender os diversos grupos de comunhão. Queremos destacar a valiosa colaboração dos 8 orientadores(as) no Culto Infantil.
Para facilitar a comunicação da Comunidade com os membros, criamos em 2016 a RádioWeb Luteranos UAI (www.luteranosuai.com) que pode ser ouvida por internet ou por aplicativo no celular android. A rádioweb é um instrumento de comunicação à serviço da missão e da comunhão com os membros da CECLBH. A programação também quer animar os membros luteranos dessa Comunidade a se sentirem parte de uma igreja sinodal e nacional, informando sobre atividades em outras Comunidades da IECLB no Brasil. Também queremos ampliar as possibilidades de participação nos cultos dominicais – retransmitindo os cultos todas as noites às 20h. No primeiro domingo do mês a Rádio oferece também cultos em alemão e em espanhol. Nossa audiência nos 77 cultos de 2017 alcançou a média de 149 ouvintes por domingo.
Nesse último ano também reativamos a vocação dessa Comunidade com Planejamentos Estratégicos. Através de muito diálogo conseguimos o apoio da maioria do presbitério em 2017 para trabalhar juntos na elaboração de um Planejamento Missionário, conforme a nova proposta da IECLB. Nesse planejamento assumimos a missão da IECLB com a seguinte visão:
“Ser reconhecida como Igreja Luterana de comunidade atrativa, inclusiva, missionária e confiável, que atua em fidelidade ao Evangelho de Jesus Cristo, destacando-se pela seriedade no testemunho do amor de Deus, no serviço em favor da dignidade humana e no respeito à criação e que cultiva valores como respeito e acolhimento às diferenças, ética, exercício permanente do amor ao próximo (diaconia), espiritualidade com música e liturgia.”
A partir disso definimos 4 ações missionárias para 2017: Ação 1: Qualificar e ampliar a formação de membros e lideranças da CECLBH; Ação 2: Promover iniciativas direcionadas a uma maior participação nos cultos e no culto infantil; Ação 3: Promover a diaconia comunitária e institucionalizada e Ação 4: Desafiar e motivar mais pessoas a participar da gestão comunitária e a contribuir financeiramente. Essas ações ainda estão em andamento.
A ano de 2017 também foi marcado por atividades relacionadas aos 500 anos da Reforma Luterana dentro e fora da CECLBH. O corpo ministerial dessa Comunidade participou de vários eventos em universidades, escolas, igrejas, grupos ecumênicos, emissoras de rádio e TV e a diretoria da CECLBH recebeu uma homenagem especial na Câmara de Vereadores de Belo Horizonte. Tivemos atividades culturais todos os meses do segundo semestre, culminando com o culto de ação de graças no dia 31 de outubro - no templo da Igreja São Sebastião no centro de Belo Horizonte - que contou com a participação de mais de 900 pessoas.

Aprendizados e desafios:
Cito alguns aprendizados e desafios importantes para a continuidade dos trabalhos pastorais nessa comunidade:

1. Igreja deve ser um espaço inclusivo. Isso significa que ainda devemos trabalhar a questão dos visitantes.
2. Comunidade que sabe servir vai conseguir membros novos. Membros novos são consequência do servir.
3. A Comunidade deve ser um espaço de alegria. A alegria foi o elemento vital e a mola propulsora das primeiras comunidades cristãs. Toda pessoa marcada pela alegria se oferece espontaneamente para ajudar.
4. Igreja se constitui de pequenos grupos. Além da reunião geral que acontece nos cultos, reunindo a todos para o louvor a Deus e o fortalecimento da fé, é imprescindível o funcionamento de muitos grupos pequenos e diversificados que atendem às necessidades pessoais e espirituais das pessoas. Grupos necessitam lideranças e é importante que haja lideranças bem preparadas. Uma comunidade é viva se puder contar com a participação de muitos colaboradores. Mas a diversidade exige capacidade de tolerância e o amor diante das diferenças de opinião.
5. É necessário ter objetivos missionários no pastorado. Esses objetivos missionários ficam mais claros quando a Comunidade se pergunta: Para que Deus nos chamou? Qual a nossa tarefa no lugar e com as pessoas com as quais convivemos? O que Deus quer realizar aqui, através de nós? Os evangelhos não terminam na adoração ao Jesus ressuscitado, mas com o envio missionário dos discípulos. O roteiro de planejamento missionário da IECLB é um valioso instrumento nesse sentido.
6. Muitos membros de nossas Comunidades não participam das atividades da igreja. Além das visitas precisamos dinamizar ainda mais a comunicação através das redes sociais. 
7. O espírito ecumênico é fundamental. Para nós o critério fundamental para a vivência ecumênica é: Ali onde se promove o bem-viver, a justiça, a dignidade do ser humano e o respeito à Criação de Deus, ali é também o nosso lugar (João 10.10).

Resumo estatístico:
Membros da CECLBH – aproximadamente 400 pessoas
Contribuintes – 170 pessoas
Média de participantes por culto na Igreja da Paz em Belo Horizonte - 59 adultos e 10 crianças
Média dominical de ouvintes dos cultos pela rádioweb luteranosuai – 149 ouvintes
Participantes do Culto especial de 31 de outubro 2017 – 900 pessoas
P. Nilton Giese

 

Relatório pastora voluntária Aneli Schwarz
Nele vivemos, nos movemos e existimos.” (Atos 17.28a)
O versículo acima foi o lema da IECLB em 2017 - ano marcado por reflexões, estudos, encontros, celebrações em torno dos 500 anos da Reforma Luterana. Em Belo Horizonte, esse marco histórico extrapolou os limites da nossa Comunidade. No meio ecumênico em que continuei sendo bastante demandada, em função da representação da IECLB na diretoria do CONIC-MG, foram muitos os convites de entidades, grupos ou comunidades, principalmente, católicas, para falar, a partir da experiência luterana, sobre a Reforma e o seu significado para a história da humanidade e, especialmente, do cristianismo. Sem dúvida, as comemorações deram visibilidade à Igreja Luterana, o que reforça em nós o compromisso de coerência com o que é central no jeito luterano de viver a fé: a justiça de Deus age em nosso favor e nos liberta do peso do pecado para nos encorajar ao serviço em prol do Reino de Deus.
Quanto às atividades em que me envolvi, as reuniões, as celebrações e outros eventos ecumênicos tiveram preponderância, tendo demandado meu envolvimento em 29 ocasiões, que vão desde reuniões e compromissos da diretoria do CONIC-MG, passando por reuniões amplas, diversas celebrações, rodas de conversa, debates, palestras e cursos sobre ecumenismo ou sobre a IECLB ou a Reforma Luterana.
O tema “Reforma Luterana” também foi o assunto principal nos encontros do Grupo de Mulheres, que iniciaram com a participação de 8 mulheres da comunidade num encontro internacional que reuniu mais de 2.000 mulheres, em Foz do Iguaçu-PR (de 17-19/03/2017), para celebrar juntas e refletir acerca do significado desses 500 anos da Reforma Luterana para as mulheres. Foi uma experiência única e extremamente marcante para quem pôde participar e nos motivou a seguir buscando conhecer acerca da vida de mulheres que fizeram a diferença na história - ainda que não se saiba muito acerca delas – por se deixarem desafiar pela Palavra de Deus, segundo o jeito luterano de viver a fé. Além do encontro em Foz do Iguaçu, houve outros 5 encontros em que o grupo se dedicou a conhecer e refletir sobre mulheres da História da Reforma. Um encontro, infelizmente, foi cancelado. Para 2018, o desafiou é animar mais mulheres a se integrarem ao grupo para enriquecer a partilha, a convivência e as reflexões sobre temas de interesse das participantes.
Ao longo do ano, pude realizar 23 visitas tanto a pessoas hospitalizadas quanto em suas residências. Em termos de cultos, celebrei apenas 6 na nossa Comunidade, tendo sido todos na Igreja da Paz.
Uma atividade nova em 2017 foi o Planejamento Missionário da CECLBH, que iniciou com dois encontros de membros do Presbitério, para definir as ações e atividades que ocupariam o centro dos esforços na CECLBH nos meses seguintes. Assumi uma dessas ações, que consiste em “Promover a diaconia comunitária e institucionalizada” no âmbito da CECLBH e tem como atividade a inclusão de informações sobre o trabalho diaconal nos cultos e meios de comunicação da CECLBH. Como desdobramento para alcançar esse objetivo, foi formado um grupo de 7 pessoas, incluindo duas pessoas dás áreas de comunicação e marketing, para estabelecer formas de realizar essa divulgação. Esse grupo se reuniu em quatro ocasiões e realizou discussões por e-mail e WhatsApp, porém, por diversas demandas concorrentes das pessoas que integraram esse grupo, o trabalho não foi concluído de acordo com o cronograma estabelecido originalmente e se encontra apenas parcialmente implementado.
Além dos dois encontros de elaboração do Planejamento Missionário, participei de outras 5 reuniões do Presbitério.
Por fim, embora com demanda muito menor do que nos anos anteriores, ainda temos o Grupo de Trabalho do Lar Luisa Griese, do qual participo com o objetivo de apoiar a coordenação do Lar em diferentes questões que extrapolam a rotina dessa unidade da Instituição Beneficente Martim Lutero. Esse grupo se reuniu 4 vezes ao longo do ano.
Para 2018, os principais desafios para meu serviço na comunidade são: (1) a conclusão da ação assumida no âmbito do Planejamento Missionário da CECLBH; (2) o fomento à maior participação e melhor qualidade dos encontros do Grupo de Mulheres da CECLBH; e (3) concluir, o melhor possível, minha participação na diretoria do CONIC-MG e assegurar a continuidade da participação ativa da CECLBH nesse foro.

Resumo das atividades realizadas em 2017:
• 29 eventos ecumênicos (reuniões e compromissos da diretoria do CONIC-MG, reuniões amplas, diversas celebrações, rodas de conversa, debates, palestras e cursos sobre ecumenismo ou sobre a Fé e a Reforma Luterana);
• Participação, com outras 7 mulheres da CECLBH, do encontro internacional de Mulheres celebrando os 500 anos da Reforma, em Foz do Iguaçu-PR;
• Condução de 5 encontros do Grupo de Mulheres;
• 23 visitas a membros, tanto em hospitais quanto em suas residências;
• Participação em 5 reuniões regulares do Presbitério ou da Diretoria da CECLBH, mais 2 encontros de membros do Presbitério para elaboração do Planejamento Missionário da Comunidade;
• Responsável pela formação de um grupo incumbido de definir formas de melhorar a divulgação das atividades e iniciativas diaconais que ocorrem no âmbito da Comunidade. O grupo se reuniu 3 vezes para definir um formato para essa divulgação;
• Encarregada do preparo e celebração de 6 cultos na Igreja da Paz;
• Participação em 4 reuniões do Grupo de Trabalho formado para apoiar o Lar Luisa Griese.
Aneli Schwarz, pastora voluntária.


RELATÓRIO DIÁCONA VOLUNTÁRIA VALDINEIA BULL
“Deus é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos.” Ef 3.20

Início este relatório compartilhando sobre a minha atual profissão de professora para a educação infantil na prefeitura de Belo Horizonte, na Unidade Municipal de Educação Infantil (UMEI) no período da manhã na regional Norte e a tarde na regional Venda Nova. Atualmente com crianças de 4-5 anos e 3-4 anos no total de 20 em cada turma, respectivamente. 
Diante disso, a minha atuação e ou participação nessa comunidade foi em cultos, encontros, reuniões, assembleias e como orientadora do culto infantil uma vez ao mês.
Desse modo, as atividades como celebrante única foram nos meses de maio e setembro. E em celebrações conjuntas na Festa de Ação e Graças, Culto da Diaconia, 500 anos da Reforma Luterana na Igreja Católica São Sebastião e no culto com os ministros do Núcleo MG.
Participei também nos 2 encontros do Planejamento Missionário da CECLBH (8/4 e 13/05). Conduzi os encontros do ensino confirmatório do mês de junho e setembro. E no dia 18 de novembro na Conferência de Ministros/as do Núcleo MG.
Cito um pequeno trecho da música: “Sabes, Senhor, o que temos é tão pouco pra dar”, e mesmo com o pouco “Deus oferece-nos a sua graça e nos fez seus filhos e suas filhas. Somos da família de Deus. Nesta família, como em qualquer outra família, cada membro/a tem a sua tarefa”.
Estou à disposição e apoio as atividades conduzidas sob a coordenação do P. Nilton, nas realizações de cultos, encontros, reuniões, conferências dentro das possibilidades. 
Valdineia Bull, diácona voluntária.

Relatório do Grupo de Acolhida
O Grupo de Acolhida nasceu pelo sentimento, que havia na época, da necessidade de receber dignamente os membros e visitantes de nossa Igreja. Creio que apesar dos poucos acolhedores, atualmente somos nove, graça a dedicação e comprometimento dos participantes conseguimos desempenhar do melhor modo possível a nossa missão.

Além de receber as pessoas na entrada do templo, temos outras atribuições: Entregar os hinários; escolher pessoas para fazer as leituras bíblicas; contar e registrar o número de adultos, crianças, visitantes e pessoas que recebam a Santa Ceia; recolher as ofertas; receber as contribuições dos membros; fazer o café e preparar a mesa para o lanche após o culto e quando necessário fazer a leitura dos avisos e também auxiliar o celebrante na distribuição da Santa Ceia.
O nosso desafio é motivar mais pessoas para participar do Grupo de Acolhida.
Sônia Maria Birro Costa- Representante no Presbitério

Relatório Grupo Solidariedade
E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo certo colheremos se não desanimarmos (Gálatas 6.9)
Caros irmãos se irmãs:

Neste ano de 2017 o Grupo Solidariedade distribuiu 50 cestas básicas para moradores do Aglomerado da Serra e membros da nossa Comunidade. Pagamos a reforma do tapete do templo, ajudamos em pequenas despesas, colaboramos na Festa de Ação de Graças e pagamos mensalmente a gasolina da comunidade. Colaboramos também com as festas juninas e de Natal na Creche Cantinho Amigo e no Centro de Integração Martinho. Fizemos uma doação financeira mensal para Luciana Tolentino, missionária no Norte da África.
Nossa pequena equipe trabalha unida e incansável, mas nada poderia ser feito sem as doações de roupas e utensílios dos membros e alguns não membros de nossa Comunidade. Em nomebro tínhamos em caixa 3mil reais. Que Deus continue abençoando esse grupo.
Maria Marcia Diniz de Carvalho – Representante do Grupo Solidariedade.

 

Relatório do Grupo de OASE
Entregue suas preocupações ao Senhor, e Ele te sustentará, jamais permitirá que o justo venha a cair (Salmo 55.22)
Queridas irmãs e irmãos:
Esse foi um ano muito abençoado para a OAS. Em março nos reunimos em Foz do Iguaçu para celebrar os 500 anos da Reforma Luterana. Éramos mais de 2 mil mulheres de grupos da OASE de todo o Brasil e também algumas mulheres da Argentina, Paraguai e Uruguai. No mês de abril tivemos novas eleiçoes para a diretoria da OASE de Belo Horizonte, onde foram eleitas Maria Marcia Diniz de Carvalho como presidente, Mariangela Silveira como secretária e Ide Xavier Drumond como tesoureira. No mês de junho um grupo de senhoras da OASE de BH participou do encontro sinodal da OASE em Araras (Petrópolis/RJ). O tema do encontro foi o que a IECLB diz sobre cura milagrosa, mal-olhado, encosto, falar em línguas, expulsão de demônios, profecias, dizimo, batismo de fogo, etc....
O pastor Nilton esteve presente nas nossas reuniões quinzenais em Belo Horizonte, participando com o devocional e a música.
Durante o ano trabalhamos para o nosso bazar de Natal, que realizamos no Café de Advento no dia 02 de Dezembro. No m6es de Setembro celebramos a Semana Nacional da OASE e no mês de outubro fizemos mais de 300 biscoitos da Reforma, em formato da ROSA DE LUTERO. Queremos agradecer a todas as mulheres que participam da OASE.
O hoje é o que eu tenho de mais importante e todos os dias agradeço a Deus por este presente que ele me deu.
Maria Marcia Diniz de Carvalho – Presidente da OASE

RELATÓRIO DE VISITAS de Maria Xavier de Souza Drumond
REPRESENTANTE DA SERRA

JEJUE DE PALAVRAS E VIVA DE SILÊNCIO PARA ESCUTAR OS OUTROS
Passou tão rápido, mas foi um ano intenso e felizmente consegui fazer um trabalho bonito e cumprir uma parte da minha lista de visitas. Fiz várias, uma média de duas por mês. O mais triste foi acompanhar uma doente terminal por cinco meses. Em duas visitas tive a companhia do Dr. Luiz Augusto Fernandes e de Jeferson Fabiano Feller ao hospital e na residência. Acompanhei também durante todo o ano um casal de idosos que sempre vinham em minha residência para uma boa conversa e vice-versa.

Recebi quatro mulheres que vieram da Alemanha junto com a Sra. Gertrud Zeller em visita a Belo Horizonte e à Igreja.Também na ocasião o Pastor Hans Zeller esteve por dois dias em minha casa. Uma família de Bielefeld também esteve por sete dias comigo, sendo os pais com dois filhos menores e duas adolescentes. Fiz companhia ao Rio de Janeiro por quatro dias.
Agradeço imensamente a Deus por sempre me fortalecer e por mais um ano de trabalho.
Maria Xavier de Souza Drumond


 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

O Senhor renova as minhas forças e me guia por caminhos certos, como Ele mesmo prometeu.
Salmo 23.3
EDUCAÇÃO CRISTÃ CONTÍNUA
+

REDE DE RECURSOS
+
Quem é tão forte que não necessite também de consolo do menor dos seus irmãos?
Martim Lutero
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br