Jornal Evangélico Luterano

Ano 2017 | número 810

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021

Porto Alegre / RS - 15:47

Unidade

Lutero - Reforma: 500 anos

Como pregarão se não forem enviados? Como está escrito: quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas. Romanos 10.16

Os tempos atuais trazem em seu arcabouço a preocupação de muitas mudanças, tanto de costumes, modelos familiares, recursos tecnológicos, avanço da Medicina e uma exposição muito grande da vida e da intimidade. Tudo isso acarreta um grau extra de desafio e dificuldade, bem como de oportunidade e comprometimento. Anunciar as coisas boas, sobre as quais fala o Apóstolo Paulo aos Romanos, traz a oportunidade de cores especiais no contexto da IECLB. 

O exercício do Ministério com Ordenação deve ser desempenhado com seriedade máxima, com o esmero profissional que envolve um chamado, uma resposta pessoal a Deus, formação, estudo e oração.

Somos pessoas formadas no convívio social, recebendo influência da escola, da família, dos meios de comunicação, dos grupos e das organizações. Somos, portanto, passíveis de influência, mas também capazes de influenciar. Recebemos e formamos opiniões, que não são – e não podem ser vistas como – absolutas nem onipotentes.

A Igreja, os seus Ministros e as suas Ministras vivem em meio à diversidade e devem saber se posicionar nesse contexto. Os nossos pontos de vista individuais precisam ser olhados com cuidado. Como Ministros e Ministras, temos a responsabilidade de nortear os nossos membros com o ensinamento e o testemunho do Evangelho. Isso não pode ser sobreposto por entendimentos individuais em flagrante confronto com a verdade do Evangelho, as leis que regem a Nação e as regras de convivência e de conduta social.

O Estatuto do Ministério com Ordenação da IECLB (EMO) apregoa a sublime necessidade de preparar e acompanhar as pessoas que Deus chama para a sua Seara, para que estas possam dedicar-se, muitas vezes, exclusivamente, à edificação de Comunidades, à pregação e ao ensino público, alicerçadas pelo Evangelho e nas bases confessionais desta Igreja, esforçando-se para que a pessoa certa encontre o lugar certo para exercer a sua vocação e o seu chamado.

O exercício do Ministério com Ordenação deve ser desempenhado com seriedade máxima, com o esmero profissional que envolve um chamado, uma resposta pessoal a Deus, formação, estudo e oração. Crises e dificuldades oriundas da grandeza desta vocação também são pessoais, podendo ser divididas com os seus pares e Orientadores, Orientadoras, Mentores ou Mentoras Espirituais. É a pessoa que responde a Deus e ao chamado. A Igreja capacita, envia e acompanha. A Comunidade é a detentora do Ministério Eclesiástico, que recebeu das mãos de Deus e delega a uma pessoa vocacionada e preparada para o exercício da Proclamação da Palavra e reta Administração dos Sacramentos.

Tudo isso é grande e exige entrega de corpo, mente e coração! Também entrega de tempo, dons e recursos que Deus nos dá para empregar no cuidado, na admoestação e no consolo do rebanho! É necessário haver liberalidade e disponibilidade para servir. Será, então, que não somos demasiadamente humanos para responder a tão grande chamado e demanda? Será possível responder às expectativas postas sobre os nossos ombros? O que os nossos membros esperam de nós? Como estabelecer alguns limites que visam ao cuidado pessoal e também permitem o cuidado da família? Estar disponível ‘24 horas por dia’ para emergências e realizar sepultamentos no dia de folga não deveria deixar de ser uma exceção a uma regra que garante e valoriza o descanso semanal. Isso é de conhecimento do Presbitério, que, inclusive, tem a função de admoestar Ministros e Ministras que não se permitem desfrutar da sua folga.

Temos muito a aprender sobre ser Igreja da Reforma nestes conturbados e maravilhosos tempos, nos quais o novo irrompe sem pedir licença, nos desafi ando a trilhar novos caminhos com o mesmo Deus: bom, justo e fiel.

Possivelmente, os membros das nossas Comunidades têm a expectativa que a sua liderança espiritual externe a sua vocação, a sua vida de fé, a sua vida familiar exemplar, seja confiável, transparente, responsável e que inspire as demais famílias da Comunidade a viver evangelicamente. Não será uma carga grande demais para um ser humano com limitações, medos, angústias, erros e inseguranças? Até onde podemos servir de exemplo inquebrantável para a Comunidade? Somos modelo e exemplo, queiramos ou não, sejamos Ministros, Ministras ou não. É bem verdade que também se espera que os membros assim procedam e vivam irmanados e solidários, humildes e cientes da fragilidade das suas próprias famílias. Devemos elevar os olhos para os montes e buscar socorro naquele que fez os céus e a terra, naquele que não nos deixa cair, mas nos sustenta com a sua bondosa mão.

Para os Ministros e as Ministras, as famílias comunitárias servem de exemplo, arrimo e apoio espiritual. É com estas famílias que se caminha em conjunto e que se cresce na fé, na tolerância e no perdão. Busca-se a edificação de pessoas e de Comunidades. Todas as famílias e pessoas enfrentam dores, perdas e adversidades, sejam elas Ministras Ordenadas ou não. Evangelicamente, devemos viver e primar por uma Comunidade viva e dinâmica, que separa serviços e funções de acordo com dons e vocações, sem, com isso, exigir mais de algumas pessoas que de outras.

Tanto membros quanto Ministros e Ministras devem procurar ajuda para resolver os seus problemas familiares e matrimonias e assim também servirem de exemplo. Famílias de Ministros e Ministras enfrentam perdas, enfermidades, alcoolismo, opções equivocadas de filhos e filhas, divórcios, separações e precisam responder a isso da maneira mais adequada possível, tendo a humildade de permitir que colegas, irmãos e irmãs orem por elas, que Psicólogos, Psicólogas possam ajudar e que grupos de ajuda possam dar novas balizas e ser instrumentos de Deus neste mundo. De forma alguma, isso demonstra fracasso, mas, isso sim, humildade em reconhecer as fraquezas inerentes ao ser humano e a grandeza na busca por ajuda. Que esta postura não diminua o Ministério, mas permita que ele se encarne na realidade e seja testemunho de superação.

A Comunidade é uma família ampliada. Somos família de Deus e, embora defendamos os valores evangélicos, paradoxalmente, encontramos dificuldades de vivê-los em sua radicalidade. Como família cristã ampliada, experimentamos as contradições das pequenas famílias que a compõem. Pregamos e cremos na comunhão, na aceitação, na tolerância e, ao mesmo tempo, discriminamos, excluímos e exigimos o que nem mesmo nós podemos dar. Projetamos na família do Ministro, da Ministra e na família comunitária o ideal, a perfeição e a indissolubilidade, que estão longe da realidade que experimentamos.

Aprendemos de Jesus que, para sermos a sua família, devemos fazer a sua vontade: Nisto, chegaram sua mãe e seus irmãos e, tendo ficado do lado de fora, mandaram chamá-lo. Muita gente estava assentada ao redor dele e lhe disse: Olha, tua mãe, teus irmãos e irmãs estão lá fora à tua procura. Então, ele lhes respondeu, dizendo: Quem são minha mãe e meus irmãos? Correndo o olhar pelos que estavam assentados ao redor, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Portanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, este é meu irmão, irm ã e mãe (Mc 3. 31-35).

São tantos motivos para agradecer e reconhecer a grandeza da vida comunitária que se impõe nas correrias do mundo moderno, da fé humilde que se põe a serviço na contramão do mundo que descarta não somente coisas, mas também pessoas. Temos muito para aprender quando caímos na tentação de seguirmos os nossos próprios pensamentos e não os pensamentos de Deus. Temos muito a aprender sobre ser Igreja da Reforma nestes conturbados e maravilhosos tempos, nos quais o novo irrompe sem pedir licença, nos desafi ando a trilhar novos caminhos com o mesmo Deus: bom, justo, fiel e que reina de eternidade a eternidade, por isso Alegres, jubilai! Igreja sempre em Reforma: agora são outros 500! 

Pa. Vera Maria Immich, Pastora e Psicóloga, é Ministra na Pastoral e na Comunidade da Consolação, em Curitiba/PR

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Felizes aqueles que ajudam os pobres, pois o Senhor Deus os ajudará quando estiverem em dificuldade!
Salmo 41.1
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br