Jornal Evangélico Luterano

Ano 2017 | número 811

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021

Porto Alegre / RS - 14:55

Unidade

Lutero - Reforma: 500 anos

Por que o mal existe? Por que Deus permite a existência do mal? Deus não tem poder para terminar com o mal? Dificilmente, alguém que tenha pensado com seriedade em sua fé, deixou de se fazer estas perguntas, especialmente quando ficamos perplexos perante crimes bárbaros, como foram, por exemplo, o holocausto judeu, as guerras que produziram grandes massas de imigrantes famintos e desvalidos, os atentados terroristas, o extermínio de grupos étnicos, as diversas situações geradas pela violência humana (Gn 4.9) ou diante da realidade da fome, que revela um sistema econômico injusto e excludente que é a própria personifi cação do mal e, ainda, frente às catástrofes naturais, como o Tsunami que varreu a Ásia em 2004, os terremotos devastadores, como vimos no Haiti e no Chile, e os furacões nunca antes observados, como o ‘Irma’, que devastou muitas ilhas do Caribe. Como conciliar a presença de um Deus Pai, Todo-Poderoso, com manifestações tão concretas do mal?

Por que o mal existe? Por que Deus permite a existência do mal? Deus não tem poder para terminar com o mal? Como conciliar a presença de um Deus Pai, Todo-Poderoso, com manifestações tão concretas do mal?

Estas são questões sobre as quais a Filosofia e a Teologia se debruçam em um debate milenar, o que revela a complexidade do tema, impossível de ser sintetizado e muito menos exaurido nas poucas linhas de um artigo. O nosso objetivo, portanto, é humilde. Ora, respostas intelectuais ou mesmo moralistas, como foram aquelas dadas pelos amigos de Jó (Jó 2, 4, 8 e 11), não fariam sentido para as pessoas que experimentaram em suas vidas as manifestações do mal nem para aquelas que perderam pessoas que amam. Está em jogo a própria justificação de Deus pelo ser humano, que, angustiado, procura perceber a presença de Deus em um mundo onde as experiências do mal são tão visíveis. Neste sentido, o livro de Eclesiastes, na pessoa do pregador, com o seu discurso pessimista e tão pós-moderno, dá voz a um grande contingente de pessoas que, diante da desesperança, está inclinado a confessar: Tudo é ilusão (Ec 1-2).

O ramo da Teologia e da Filosofia que se ocupa com as questões do mal e da existência de Deus é denominado Teodicéia. A Teodicéia caracteriza o mal como uma força oposta à vontade de Deus, um poder que domina e arrasta o ser humano para a miséria e para a morte. Ela distingue o mal em ‘mal moral’, ou seja, aquele que se expressa no pecado como ação e condição humana existencial, ‘mal metafísico’, que é a manifestação da realidade angustiante da finitude humana, e ‘mal natural’, de natureza impessoal, que provém de catástrofes naturais a que estamos sujeitos no mundo

No decorrer da história do Cristianismo, a Teodicéia estabeleceu o debate em diferentes bases. Inicialmente, as reflexões foram sendo construídas na área moral. Clemente de Alexandria e Agostinho defendiam a ideia que o mal decorre do livre arbítrio (Confl ito Pelagiano). Deus permite o mal porque o seu amor prefere criar pessoas livres ao invés de pessoas incapazes de pecar. Assim, o ser humano teria liberdade de abraçar o bem ou o mal em sua vida (mais tarde, Lutero combateria essa tese). Posteriormente, a Teodicéia arriscou explicar a existência do mal por um viés pedagógico, vendo o mal como um fator importante para a maturidade espiritual, já que a obrigatoriedade de viver e conviver com o sofrimento move a pessoa, de um estado de fé infantil, para um processo de amadurecimento da fé que nos aproxima de Deus.

Outras formulações importantes foram aquelas designadas de Teodicéia Escatológica e de Comunhão. A primeira diz que Deus encaminha a história humana para o estabelecimento definitivo do seu Reino de Justiça, onde o mal não mais existirá. Deus vê o todo da história, do seu princípio à sua consumação, e, consequentemente, o papel que o mal desempenha nela, enquanto o ser humano tem uma visão parcial e imprecisa. Em Jesus Cristo, no entanto, Deus antecipa o futuro da história, a reconciliação, como sinal que ela se encaminha para esse final preestabelecido. É necessário, portanto, neste espaço entre a existência e a essência, uma postura de confiança em Deus e a admissão que a compreensão plena do mal só será respondida na consumação dos tempos. A Teodicéia da Comunhão, por sua vez, defende a ideia que mais importante que o interesse sobre as origens do mal é o fato que Deus pode ser conhecido no sofrimento humano, pois Deus se tornou vítima do mal na crucificação de Jesus. Assim, o sofrimento, experimentado pela Criação e pelo Criador, proporciona oportunidade de comunhão entre o ser humano e Deus.

Mesmo a despeito das Teodicéias, permanece a necessidade de alguém que aponte concretamente para a presença de Deus na vida e no mundo. O apóstolo Filipe pede a Jesus: Senhor, mostre-nos o Pai e assim não precisaremos de mais nada (Jo 14. 8). Da mesma forma que os primeiros discípulos, queremos saber onde Ele está, conhecê-lo, tirar as dúvidas. Então, os mistérios seriam respondidos, a fé seria inabalável, a vida, o mundo e a própria questão do mal teriam um sentido. Jesus responde a Filipe: Filipe, já estou tanto tempo com vocês e você ainda não me conhece? Quem me vê, vê também o Pai (Jo 14. 9). Portanto, quem olha para Jesus, enxerga também a Deus.

Em Jesus, Deus visita o mundo, é o Emanuel (Mt 1.23), o Hosana (Mt 21.9), a encarnação do Verbo (Jo 1.1-4), o Messias (Mc 8. 29). O Novo Testamento fala em Jesus como aquele que, pela Palavra, tem domínio sobre o mal (Lc 9.37-43, Lc 11.14-23 e Mt 8.28-34) e como o único que resistiu às suas tentações (Mt 4.1-11). As primeiras testemunhas cristãs são unânimes neste sentido: quem quer conhecer Deus, precisa conhecer Jesus! Olhar para a história humana ou para a própria natureza, na qual encontramos tão concretamente as manifestações do mal, nos joga na desesperança e na descrença, mas é diferente quando olhamos para Jesus.

Somos pessoas chamadas a confiar na soberania e no amor de Deus, que desce, se sacrifica, cuja última palavra é amor e vida, por isso temos motivos para estarmos alegres e jubilar, pois, em Deus, vivemos, nos movemos e existimos.

É também para este caminho que Martim Lutero conduz o nosso olhar. As suas Teses, discutidas em Heidelberg, em 1518, confrontaram a Teologia Medieval com a Teologia da Cruz. Lutero rejeitou o que ele chama de Teologia da Glória, uma Teologia que se baseia em méritos e na sabedoria humana para chegar a Deus, e afirmou uma Teologia da Cruz, revelada, cuja justiça não vem de nós, mas da graça recebida mediante a fé (Ef 2. 8-9), que nos leva a confessar Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo (Mt 16.16). Nela, vemos um Deus que não está alienado ao sofrimento da sua Criação. Em Jesus, Deus mesmo (Fp 2) sofre e padece na cruz. É ali, na cruz, loucura para a sabedoria humana, que Deus se oculta e se revela.

Assim, Deus é conhecido não na força, mas na fraqueza, não na demonstração de poder, mas na manifestação do amor que se dispõe a sofrer, se torna vitima do mal, a fim de converter o ser humano para si (Rm 3.24-25). Deus sabe o que é sofrer e Ele é solidário ao ser humano no sofrimento, porque Ele mesmo sofreu em Cristo. No sofrimento, é possível comunhão com o Cristo crucificado (Mc 8.34-38). O mal, neste sentido, não é só custoso ao ser humano, mas também ao próprio Deus. É um Deus poderosamente fraco. Não se trata de uma limitação da sua soberania. Significa, isso sim, que Ele escolheu nos salvar por meio da cruz (1Co 1.25). Deus sofreu e foi vítima nos atentados terroristas, nas guerras, no holocausto judeu, na violência humana e nas catástrofes naturais. Deus foi refugiado faminto e desvalido (Mt 25.40).

No entanto, isto é só parte da realidade. A cruz revela um movimento posterior, o da ressurreição de Jesus, que nos conduz do sofrimento à glória, do ódio ao amor, da morte para a vida. A ressurreição é o sinal antecipatório de que o mal foi derrotado. Isso dá um sentido que transcende ao sofrimento e à morte, porque, pela graça de Deus, quando somos encontrados por Jesus, o seu destino torna-se também o nosso destino.

Todavia, o problema do mal, mesmo a despeito das Teodicéias e do nosso olhar conduzido a Cristo, continua sendo um dos mistérios do Deus absconditus, do Deus não revelado, conforme Lutero. Somente quando vier o perfeito, não teremos nada mais a perguntar e isso coloca um desafio à fé: somos pessoas chamadas, a exemplo de Jó, a confiar na soberania e no amor de Deus contra a realidade empírica do mal, a não se entregar ao discurso pessimista de Eclesiastes, mas confi ar neste Deus que desce, se sacrifica, cuja última palavra é amor e vida, por isso temos motivos para estarmos alegres e jubilar, pois, em Deus, vivemos, nos movemos e existimos (At 17.28).

P. Dr. Marcos Augusto Armange, Ministro na Comunidade Concórdia de São José dos Pinhais/PR

Ultima edição

Edição impressa para folhear no computador


Baixar em PDF

Baixar em PDF


VEJA TODAS AS EDIÇÕES


Gestão Administrativa

Ser Igreja de Jesus Cristo em contexto de pandemia

Em perspectiva de balanço do ano que passou, compartilhamos, de forma adaptada e atualizada, partes da Carta Pastoral da Presidência, de Pastoras e Pastores Sinodais, publicada em agosto de 2020. A partir de março de 2020, passamos a conviver com a pandemia do Covid-19, (+)



Educação Cristã Contínua

Igreja que valoriza o Sacerdócio Geral (parte 3/3)

Desafios Com base nas atividades que estão sendo realizadas e considerando o cenário atual, a Coordenação de Educação Cristã (CEC) vislumbra os seguintes desafios para a efetivação da Meta Missionária 1 (Áreas de prioridade (+)

AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc
Deus diz: sou o seu Criador e o tenho ajudado desde o dia em que você nasceu. Não fique com medo, pois eu o amo e o escolhi para ser meu.
Isaias 44.2
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br